O PMDB, na TV, mente descaradamente

A propaganda do PMDB na TV chega a ser vergonhosa. O senador Roberto Requião de Mello e Silva chuta a verdade, como sempre. Diz ele que no tempo do PMDB não havia desvio na Educação, mas nem um pio sobre a corrupção no Porto de Paranágua, dirigido pelo irmão. Disse que não havia corrupção na Receita. Mentiu novamente. Os delatores da Operação Publicano afirmam e confirmam que a corrupção ocorre há mais de 20 anos. Ou seja, também aconteceu firme e forte em seu governo sem que ele fizesse nada.

A especulação nossa de cada dia, e de início de noite também

O ex-presidente da Associação Comercial e Industrial de Londrina, Flávio Balan, Conselheiro da Agência de Fomento do Paraná no governo Richa, filiou-se ao PV de Alvaro Dias para ser candidato a vice prefeito?
Marcio Stamm saiu do PMDB e ingressou no PSB para ser vice?
Marcos Urbaneja assinou a ficha de filiação ao PDT para ser vice de Alexandre Kireeff?
Uma coisa é  certa:
Kireeff não quer depender do PSDB na vice…

Vai que cola mesmo a candidatura própria dos tucanos.

Vereador de Londrina pede a redução do próprio salário, para dar exemplo

E amanhã vai rolar uma polêmica forte na Câmara de Vereadores de Londrina. O vereador Roberto Fu (PDT) protocolou um pedido para que o próprio salário seja reduzido para R$ 9.800,00, que é o que ganha um secretário municipal hoje.

O tema é complexo porque na última semana os vereadores aprovaram o reajuste salarial de R$ 13,5 mil para R$ 15 mil.

Segundo Roberto Fu, num momento em que se fala tanto mal dos políticos ele acha que é preciso dar o exemplo. “Sei que uma redução salarial de todos os vereadores precisa passar pela Mesa Diretiva da Câmara, mas o meu salário posso sim reduzir para o que ganha um secretário municipal. Proponho, inclusive, que o salário dos vereadores seja reajustado no mesmo índice dos aposentados. É mais justo e acredito que vou viver melhor assim”, disse agora há pouco o vereador. Fu vai registrar a proposta em cartório.

Beto Preto foi para o PSD

Para quem tinha alguma curiosidade de saber para qual partido iria o prefeito Beto Preto, de Apucarana de pois de sair do PT, o mistério (ou quase) foi revelado.

Considerado o mais tucano dos petistas do Paraná, Beto Preto filiou-se no PSD, ele e vários prefeitos que estavam no PT.

No jogo do Londrina, cambistas vendem cortesia

cortesia_paga_50_reais

Um amigo do leitor foi ontem no estádio Vitorino Gonçalves Dias (VGD) para assistir a partida entre o Londrina e o Atlético. Sem entrada, pagou R$ 50,00 por um ingresso nas cobertas, mas era um ingresso “cortesia”, com venda proibida. Ele comprou de um cambista que tinha um maço deles na mão, mas na hora da compra ele não tinha visto que era cortesia, mas como ele estava perto do portão e tinha um monte de policiais por ali, ele não viu risco nenhum, se sentiu seguro e passou sem problemas. Só depois, já sentado e lendo o bilhete com mais calma, viu que era cortesia.
Pode isso Arnaldo? A regra não é clara?

Olha só o que nos espera: Impostos devem aumentar em 2017

À beira do governo aprovar a recriação da CPMF, o governo vai tentar aumentar impostos, principalmente os que atingem a renda a partir de 2017. As propostas serão direcionadas ao Congresso Nacional. Os estudos focam as rendas mais elevadas, para tornar o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) mais progressivo. Este aumento vai atingir ainda as pessoas jurídicas, o alvo são as altas rendas. O governo vai cobrar mais das pessoas que recebem salários como se fossem empresas.

Rolândia fecha as portas do comércio para protestar

Seguindo o exemplo do comércio de Londrina que já fez um protesto na cidade, amanhã o comércio de Rolândia vai fechar as portas para protestar contra a crise econômica do Brasil. Os comerciantes fecharão as portas e ficarão em frente as lojas vestidos de verde e amarelo para protestar. A manifestação vai começar às 10h.

Placar da hora: 242 deputados são a favor do impeachment

A data de votação do processo do impeachment da presidente Dilma Rousseff já está próxima. Na Câmara 242 deputados disseram ao Estadão que votariam a favor da abertura do procedimento e 113 se posicionaram contra. Seis não se posicionaram, 48 estão indecisos e 104 não foram localizados pela reportagem. Para a abertura do processo na Câmara é necessário 342 votos. Para arquivar o processo é necessário o apoio de 171 deputados. A sessão deve começar nesta quinta, dia 14, se não houver recurso do governo.

MP interroga réus da Operação Publicano

De hoje até o próximo dia 15, os réus da Operação Publicano serão interrogados pelo Ministério Público (MP). A investigação apura um esquema de corrupção na Receita Estadual. Nestes dias o juiz irá interrogar 45 dos 73 réus do processo. Nesta primeira semana, os interrogatórios serão com 15 réus colaboradores – empresários, contadores, funcionários ou parentes de empresários que pagaram propina aos auditores fiscais para sonegar impostos. Na semana que vem serão entrevistados empresários que negam ter praticado crimes antes.

Roberto Jeferson chuta o pau da barraca: ‘Cunha é o bandido que eu mais gosto’

Luciana Nunes Leal/Estadão

RIO – Condenado a sete anos e 14 dias de prisão no processo do mensalão, o ex-deputado Roberto Jefferson obteve perdão da pena no último dia 22 e se prepara para reassumir em 14 de abril, a presidência do PTB, atualmente ocupada por sua filha, a deputada Cristiane Brasil. Quer voltar ao comando partidário ainda durante o processo do impeachment da presidente Dilma Rousseff, do qual é favorável.

Em entrevista ao Estado, Jefferson, de 62 anos, dispara que Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o presidente da Câmara, é o “bandido” que ele diz mais gostar, pois “foi o adversário mais à altura do Lula”, que “nunca esperou encontrar um bandido da mesma qualidade moral, intelectual que ele”. Afirma que sua “preocupação” hoje é com a prisão da mulher e filha de Cunha. “São mulheres bonitas, cheirosas”, que vão ser assediadas por companheiras de cela, “vão apanhar na cara”.

Roberto Jefferson falou com exclusividade ao 'Estado'
Roberto Jefferson falou com exclusividade ao ‘Estado’

O sr. tinha conhecimento do esquema de corrupção na Petrobrás?

Não soube dessas coisas da Petrobrás na época. Sempre foi a empresa elite dos partidos mais poderosos. As estatais no Brasil são o braço financeiro das corporações sindicais e partidos. Quem financia partido são as estatais. Se queremos país moderno, vamos ter que fazer privatização, porque não vai permitir a concentração da corrupção. A estatal é a semente da corrupção no Brasil. Partidos disputam cargos nas estatais para seu financiamento. O que vão assaltar nos seis meses enquanto durar o processo de impeachment é uma loucura. Vai todo mundo querer fazer caixa, porque ela cai em seis meses. ‘Cobra 100% de comissão aí!’.

O PTB pleiteou alguma diretoria ou gerência importante na Petrobrás?

Nunca, éramos muito pequenos. O PTB teve a presidência da Eletronorte, a diretoria do IRB (Instituto de Resseguros do Brasil) e aquela diretoria dos Correios.

E Furnas?

Uma diretoria nos foi oferecida pelo Lula, para compensar a não transferência dos recursos nas eleições em que PT fechou acordo com o PTB. O PTB fechou uma grande aliança com o PT nas capitais, a Marta (Suplicy) foi eleita com apoio do PTB em São Paulo. Eles ofereceram R$ 20 milhões para financiamento do PTB e deram R$ 4 milhões. Foram os R$ 4 milhões que o Marcos Valério (empresário do mercado publicitário preso após julgamento do mensalão) levou. Como não cumpriram os R$ 16 milhões e no PTB ficamos com uma grave dívida e uma crise interna, Lula tentou montar para o PTB um caminho de financiamento para suprir esse gasto, a diretoria de Furnas onde estava o Dimas Toledo (ex-diretor de Engenharia de Furnas nomeado no governo FHC). Mas não se concretizou.

O que aconteceu? Havia um esquema anterior?

Havia. Soube disso quando indicamos Francisco Spirandel para o lugar do Dimas. Recebi contato do Zé Dirceu para que fosse conversar com ele na Casa Civil. Ele disse: ’em vez de trocar o Dimas, por que a gente não faz um acordo, você mantém o Dimas e ele passa a ajudar o PTB?’. Eu disse: ‘da minha parte, sem problema’. Dimas foi à minha casa conversar. Dimas disse: ‘minha diretoria rende de apoio R$ 3 milhões por mês, mas tenho comprometidos R$ 1 milhão com o PT de Minas, R$ 1 milhão com o PT nacional, dou R$ 600 mil a 12 deputados do PSDB, R$ 50 mil a cada um, eles apoiam de vez em quando o governo federal. E R$ 400 mil para a diretoria.

O sr. foi indiciado pela polícia do Rio por corrupção e lavagem de dinheiro relacionado a Furnas. Como responderá?

Pedi ao Ministério Público para me ouvir. Uma delegada pediu meu indiciamento indireto sem me ouvir. Não me furto a nada. Ela disse que confessei. Nós não recebemos. Pensei que a lei punisse só fato consumado. Nunca vi a lei punir intenção. O PTB nunca recebeu nenhum recurso de Furnas, do Dimas Toledo, ele não chegou a ajudar o PTB. Vou esclarecer. Faz parte da vida. Tive que me eviscerar para dar essa partida, para tirar a máscara da face do PT, botar o rei nu.

Como a Operação Lava Jato e mensalão se conectavam?

Quando o PT encontra resistência em uma direção partidária, dissolve aquele partido, pega um grupo, faz outro partido. Quem se manteve firme e não se fragmentou foi o PMDB. Quando o PMDB viu que o PT estava tentando esfacelar o partido, criando esse PSD com o ex-prefeito de São Paulo (Gilberto Kassab), começou ali a reação. Eduardo Cunha vem reagindo a partir dali. Essa janela que abriram agora (para troca de partido) é mensalão de novo. Os caras que se aproximavam para conversar pediam luvas de R$ 1 milhão, R$ 600 mil e mensalão de R$ 30 mil, R$ 40 mil, R$ 50 mil por mês. É a mesma coisa do mensalão. Aconteceu tem dez dias. O PTB foi assediado.

Por quem?

Teve gente que me procurou. “Preciso de R$ 1 milhão”. Eu disse: ‘aqui no PTB não se paga mensalão para ninguém’. Eram deputados de outra legenda que vinham com essa conversa para passar para o PTB. Perdemos alguns deputados e sei que cantaram na orelha deles.

Por que o PTB não tinha espaço na Petrobrás?

O PTB nunca esteve em direção de qualquer empresa desse porte. Não sou santo nem quero fingir que sou. Mas sempre tive limites, nunca passei da linha amarela. Quando sentava um empreiteiro na minha frente, eu dizia: ‘leve em consideração três coisas para ajudar do PTB: primeiro, o interesse da empresa estatal; segundo, o interesse da sua empresa; terceiro, o que você puder dar’. Ele perguntava: ‘como o senhor quer receber?’. Dizia: ‘como você quiser dar ao PTB, por dentro, por fora’.

Acredita que haverá condenações e prisões na Lava Jato como houve no mensalão?

Penso que Lula não vai escapar. O mensalão parou na antessala dele, na Casa Civil. Mas o petrolão entrou dentro do Palácio (do Planalto). Ou esse (Marcelo) Odebrecht fala ou vai levar 30 anos na cadeia. Marcos Valério levou uma martelada de 40 anos. O processo do petrolão é diferente do mensalão. O mensalão surgiu do embate político, da denúncia que fiz. No petrolão não tem nem voz da oposição. A oposição está em silêncio porque muito dos seus estão comprometidos, tem muita gente da oposição enroscada nas empreiteiras.

Eduardo Cunha tem legitimidade para presidir a Câmara no momento em que está em curso o processo de impeachment?

Tem. Ele responde a vários inquéritos, tem que ter cuidado. Minha preocupação é que a prisão humilha muito. Para ele a situação vai complicar. Vai levantar de manhã cedo, chinelo de dedo, bermuda azul, camiseta branca. Está lá no coletivo dos presos, aquele cheiro de gente doente, com tuberculose, com Aids. Banheiro com cheiro terrível, banho frio. De manhã cedo, todo mundo em fila. ‘Senhor Roberto Jefferson!’. ‘Presente, senhor’. Cabeça baixa, mão para trás. De noite, o ‘confere’, aquela averiguação que se faz. É duro. Dinheiro contadinho, R$ 100 por semana para comprar na cantina. E quem tem R$ 100 tem que comprar para todo mundo. Se furar a bola, tem que dar uma bola nova. Tem que aturar isso. Limpar privada, varrer o chão. O que me preocupa são as filhas e a esposa, mulheres bonitas, cheirosas, entram lá naquele meio, vão ser assediadas. Vão acordar com aquelas mulheres deitadas na cama, vão apanhar na cara, vão denunciar, vão apanhar de novo. O cara vai ter que aturar isso. O ambiente prisional é muito duro, muito triste, muito pesado. O cara não pode expor a esposa, a filha. Não ataca a Justiça, não ataca o Ministério Público. Respeita. O cara tem 20 contas no exterior, nunca declarou. Gastos milionários em cartão de crédito. Traz para si, tira a esposa e a filha. Ele não pode permitir a filha e a esposa passarem por isso. É a preocupação que tenho.

É possível Cunha responder aos inquéritos e continuar no comando da Câmara?

Ele foi o adversário mais à altura do Lula, que nunca esperou encontrar um bandido da mesma qualidade moral, intelectual que ele. O bandido pelo qual eu mais torço é o Eduardo Cunha. Vai puxar a barba do Rasputin (Grigori, místico russo amigo do czar Nicolas II, morto em 1916). Gelado, frio, equilibrado. O Lula, o PT e esse Fórum de São Paulo (conferência de partidos de esquerda latino-americanos) são bandidos da laia do Cunha, topam tudo. Como Deus faz as coisas. Botou um cara ali que qualquer jogo ele joga, qualquer parada ele topa e sabe onde aperta o calo do outro bandido. Pega o outro bandido na esquina. Dudu é o bandido que eu mais gosto, o vilão que eu torço por ele, o vilão da minha novela. E estou doido para ele puxar a barba do Rasputin.

Familiares e Políticos do PDT, PMDB, PP, PSB, PSD, PSDB e PTB têm empresas offshore

Blog do Fernando Rodrigues

Os arquivos da Mossack Fonseca mostram que o escritório panamenho criou ou vendeu empresas offshore para políticos brasileiros e seus familiares. Há ligações com PDT, PMDB, PP, PSB, PSD, PSDB e PTB. 

Entre outros, aparecem vinculados a empresas offshores o deputado federal Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG) e o pai dele, o ex-governador de Minas Gerais Newton Cardoso; o ex-ministro da Fazenda Delfim Netto; os ex-deputados João Lyra (PSD-AL) e Vadão Gomes (PP-SP), e o ex-senador e presidente do PSDB Sérgio Guerra, morto em 2014.

Há também alguns parentes de políticos que têm ou tiveram offshores registradas. É o caso de Gabriel Nascimento Lacerda, filho do prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), e de Luciano Lobão, filho do senador Edison Lobão (PMDB-MA). (leia mais)