UBER x Taxis

Por Gustavo Lessa, advogado

Uber é uma empresa multinacional norte-americana, prestadora de serviços eletrónicos na área do transporte privado urbano e baseada em tecnologia disruptiva em rede, através de um aplicativo E-hailing que oferece um serviço semelhante ao táxi tradicional, conhecido popularmente como serviços de “carona remunerada”.
Cerca de cinco anos após sua fundação a empresa foi avaliada em 18,2 bilhões de dólares, em junho de 2014, contando com investidores como a Google e Goldman Sachs.
Este texto aí de cima é da Wikipedia, não é do Gustavo.
O texto do Gustavo está aqui embaixo:
A empresa Uber é uma multinacional que explora pessoas de boa índole que trabalham para ela sem remuneração fixa, sem direitos trabalhistas, sem qualquer tipo de seguro, sem respeitar a legislação brasileira, sem sede (utilizam-se dos espaços “co-working” nas cidades em que se estabelecem, sem CNPJ e sem alvará.
Cooptam pessoas que pensam estar “conectadas” ao mundo moderno e se utilizam de um serviço ilegal de transporte de pessoas.
Os usuários economizam, evidentemente, uma vez que os táxis são cheios de regulamentações e obrigações fiscais e documentais de toda ordem.
Um dia, os táxis acabarão e ficaremos nas mãos de uma multinacional americana que cobrará o preço que quiser para que andemos nos carros dos seus funcionários não remunerados.
Será que me fiz entender?

Como assim não é político?

Ancorados na falta de credibilidade dos políticos e da política, os marqueteiros criaram o candidato não político, o técnico, o empresário, o administrador.
Foi assim aqui em Sampa com o Dória, foi assim em Londrina com o Kireff.
Mas como assim ?
O cara se filia a um partido político, faz convenções políticas, faz conchavos políticos, disputa um cargo político e não é político?
O Dória já está em campanha para o Alckmin ser candidato à presidência.
E não é político.
Já em Londrina o ex-prefeito (que não é político) foi filiado ao PMDB, onde saiu candidato a deputado (e perdeu), foi para o PSD, ganhou a prefeitura, não fez esforço nenhum para eleger o sucessor, o que é uma despudorada ação política.
Agora, bem ao estilo dos políticos tradicionais, vai mudar de partido para, pasmem, disputar o governo do Estado. Tudo isso sem ser político.
Imaginem se fosse.
Esses caras não são políticos assim como o Bolsonaro não é nazi-fascista, o Sarney não é idoso, o Cunha não é ladrão, o Marcelo D2 não fuma um, o Jean Willis não é homossexual, o Pelé  não é negro e o Temer é legítimo.
Antonio Santiago, ex-comunista

Madre Leonia, rogai pelos motoristas da avenida que leva seu nome

Foto: Jornal da Gleba

Willhan Santin, jornalista

No final da gestão do ex-prefeito Alexandre Kireeff, houve intervenções na Avenida Madre Leonia Milito com o intuito de viabilizar uma ciclovia no canteiro central da mesma. Com isso, baias utilizadas para conversões, que adentravam o canteiro, sumiram para dar lugar à pista específica para as bikes. (mais…)

Federação Nacional dos Oficiais Militares faz um manifesto sobre o Plano Nacional de Segurança do Governo Temer

A Federação Nacional dos Oficiais Militares Estaduais (FENEME), representante de 43 entidades de Oficiais das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares do Brasil em 25 Estados e Distrito Federal vêm, perante a sociedade, manifestar a mais profunda decepção e desaprovação com o Plano Nacional de Segurança Pública, lançado na última semana pelo Ministro da Justiça Alexandre de Moraes. (mais…)

A crise não é apenas do sistema prisional

do Contas Públicas

Mal acordamos em 2017 e já nos deparamos com uma “nova crise”, a do sistema penitenciário. Esse é o bordão tocado na mídia, muito embora o sistema já esteja em crise há muito tempo. Na verdade, há um colapso sistemático de toda a política de segurança pública no país, no qual está inserido o sistema prisional.

O Atlas da Violência 2016, estudo desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa Econômica aplicada (IPEA) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FPSP), divulgado em março de 2016, registra 59.627 homicídios ocorridos no país em 2014. Os dados revelam um recorde, um aumento de mais de 20% comparado com 2003.

(mais…)

Carta Manifesto do Forúm Independente de cultura e Arte por uma Nova Cultura Londrina

Caro prefeito de Londrina, Marcelo Belinati Martinas, o Movimento Nova Cultura Londrina – Atraves do Forum Indepentente de Cultura e Arte – F.I.C.A , de caráter espontâneo e que inclui membros os quais ativamente participaram da sua campanha política, traz ao conhecimento de Vossa Excelência uma pauta de reivindicações sobre ocupação e formação cultural popular a serem praticados no âmbito do centro, bairros periféricos e distritos. Também viemos esclarecer o posicionamento do movimento diante de qualquer forma de discriminação contra grupos e pessoas, onde entendemos que se deve respeitar a pluralidade de indivíduos, opiniões, traços étnicos, habilidades, capacidades, crenças e situação sócio econômica.   (mais…)

Como será o contato com Deus?

E o novo prefeito de minha querida Londrina, Marcelo Belinati, disse com todas as letras que quer elogios de Deus, o todo poderoso. Talvez ele até mereça e os ganhe, mas a minha dúvida e creio que a de muita gente, é de como isso se dará. Não creio que seja por telefone, por WhatsApp, por email e nem tampouco pelo “feicibuque”.

Se for pessoalmente, só no caso de morte do prefeito, mas creio que esta alternativa está descartada pelo alcaide. Pois, até onde sei, o único que conseguiu esta proeza foi Moisés, não o Leônidas, nem o do Palmeiras. E sim aquele “comunista” que saiu com um bando de sem terra pelo deserto procurando por uma ocupação. Eu não duvido, afinal em política, tudo é possível.

Antonio Santiago

As velhas práticas

Por Osvaldo Lima, empresário

Marcelo Belinati está adotando as práticas políticas do seu tio, Antonio Belinati. Ele nomeou um vereador eleito para a presidência da Fundação de Esportes. Com isso, o suplente Jamil Janene assumiu uma vaga na Câmara de Vereadores. A lógica é simples: Fernando Madureira por ser vereador eleito, teria condições de votar os projetos de lei de acordo com a sua consciência, já o vereador Jamil Janene, terá de votar todos os projetos de interesse do prefeito se não quiser perder o cargo.

Parece-me que a velha política está de volta à nossa cidade.

É uma pena!

Novos prefeitos investirão em tecnologia para sair da mesmice

Opinião

Por José Marinho, diretor da Rede Cidade Digital

Com boa parte dos municípios brasileiros ainda dependendo de recursos federais para cobrir despesas, os prefeitos eleitos para o mandato de 2017 a 2020 assumem em janeiro ansiosos por executar as obras prometidas durante campanha. Mas, acima de tudo, têm um desafio ainda maior: sair da mesmice. Prova disso é que nos 399 municípios do Paraná, 76% dos prefeitos eleitos, portanto, 299  cidades, incluíram nos planos de governo o uso de tecnologia para aprimorar algum setor da esfera pública. É a forte tendência e necessidade de se incorporar inovação em uma administração, na maioria delas, ainda analógica diante de um cidadão cada vez mais conectado e exigente. (mais…)

“A solução para democracia ruim é investir em uma democracia mais ampla”, afirma pesquisador americano

Apatia do eleitor com a política pode ser revertida com mais participação popular nos processos políticos, aponta Michael Coppedge

O resultado do segundo turno das eleições municipais deixa perceptível o sentimento de apatia, e até desilusão, do eleitor com a classe política, que acaba levando a altos números de abstenções, votos brancos e nulos: segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), esse foi o caso de 10,7 milhões de eleitores em 2016, o que corresponde a 32,5% do eleitorado.  (mais…)

O discurso da esquerda que só vale quando ela está no poder

por Alessandra Pajolla

Cara, eu podia resgatar aqui os debates em que me meti, quando a militância detonava Marina por ser evangélica, sem que ela nunca tivesse feito ou dito nada que pudesse associá-la ao fundamentalismo, preconceitos e crimes cometidos pela corja que abusa da fé alheia. Eu disse a vários dimistas: e os laços de Dilma com a Universal????

Não se importavam, minimizaram. Preferiam, claro, detonar a Rede Globo e exultavam quando a Record atacava a emissora dos Marinho. Pouco importava que ela tivesse sido erguida as custas da exploração da fé alheia, lavagem de dinheiro.
Pra levar o PT à vitória aceitavam tudo: Crivella, Edir Macedo, Katia Abreu, Renan, Kassab, Cunha e até Collor. A lista abjeta é muito maior e inclui todos os que agora a militância chama de golpistas, ladrões, corruptos, usurpadores, exploradores da fé.  (mais…)

E o PT, subitamente, parou de pedir novas eleições

por Percival Puggina

 Há exatos 42 dias Dilma Rousseff teve seu mandato cassado pelo Senado Federal em processo de impeachment por crime de responsabilidade. Quando sumiram as dúvidas sobre qual seria o veredicto da Câmara Alta e no período imediatamente posterior à sessão de julgamento, a própria ex-presidente, os líderes do partido e sua militância passaram a clamar por novas eleições como forma de corrigir suposta ilegitimidade do mandato de seu vice. Alegando ser suprema exigência da legalidade e da legitimidade, a laboriosa tropa de choque do partido na Câmara e no Senado, várias vezes por dia, apontava esse caminho à nação. Durante seu interrogatório pelo Senado, Dilma insistiu reiteradamente nisso. Dois dias após a ex-presidente desocupar o Palácio da Alvorada, a Executiva Nacional do PT decidiu apoiar a proposta. As falanges vermelhas saíram às ruas com a mesma exigência. Elas, as novas eleições, e só elas, teriam o poder de ungir um novo governo capaz de levar a nação, com segurança e legitimidade, ao pleito de 2018. (mais…)

Exigimos um projeto para o Brasil e não um projeto de poder partidário

Valter Orsi

Um dos pilares que sustentam a democracia é a alternância no poder. Temos acompanhado com atenção este momento da política brasileira onde um grupo está deixando o poder e outro está assumindo.

Esta transição será dolorosa por vários motivos.

O PT quando assumiu o poder há 16 anos criou uma estrutura dentro de todas as camadas do setor público para se perpetuar no poder. O próprio ex-ministro chefe da Casa Civil, José Dirceu, dizia para quem quisesse ouvir que o projeto do PT era permanecer no poder por pelo menos 20 anos. (mais…)

Anão diplomático

Luiz Carlos Hauly 

Além da falência econômica, da divisão do País entre “nós e eles”, de protagonizar os maiores escândalos de corrupção da história republicana, entre tantos outros males, os 13 anos de governo petista (Lula e Dilma) também deixou como herança o rebaixamento do Brasil ao status de anão diplomático. Assim como precisa adotar medidas urgentes para implantar as reformas que tanto o País precisa para voltar a crescer e gerar empregos, assim também o novo governo liderado por Michel Temer precisa sinalizar ao mundo, com grande ênfase, que a política externa passa agora a ser orientada de acordo com os interesses de Estado, sepultando o viés ideológico que fez o Itamaraty refém dos então mandatários de ocasião. (mais…)

Carta ao senhor Sérgio Malucelli

Por Auber Silva

Não pense que a torcida do Londrina – me refiro àqueles que o têm como único time, que vão a todos os jogos independente do adversário ou da posição na tabela, que se esforçam para comprar cada ingresso ou para pagar o sócio – não é grata ao senhor. Somos todos muitíssimo gratos. É vergonhoso ter que admitir isso. Eu queria que o Londrina pudesse se manter com as próprias pernas, ter na presidência um torcedor como nós, um empresariado forte apoiando financeiramente o clube, jogadores que tivessem identidade com o time e fossem apaixonados como somos. Enfim, eu queria que tudo fosse muito diferente, mas a realidade é outra e precisamos aceitá-la. A cidade deu as costas ao time, dirigentes corruptos nos levaram às últimas divisões, nos tiraram décadas de futebol e também o prazer de torcer. Por esse resgate de nossa história e nossa grandeza, somos gratos a você.
Essa gratidão, no entanto, não significa que seremos eternamente subservientes, que seremos gado.

Não somos gado. (mais…)