Após criticar oposição, jornalista é impedido de escrever sobre política no jornal Estado de Minas

Facebook/Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais
Jornalistas fazem homenagem a João Paulo Cunha

Jornalistas do Estado de Minas foram trabalhar vestidos com camiseta branca e calça jeans em homenagem ao “uniforme” do João Paulo Cunha

O editor de Cultura do jornal Estado de Minas, João Paulo Cunha, pediu demissão na última terça-feira 16 após ser avisado pela direção do jornal de que não poderia escrever mais sobre política na coluna que assinava semanalmente no caderno Pensar. Coincidentemente, a ordem da direção do veículo surgiu após Cunha escrever um artigo em que critica os partidos que aderiram à agenda política que “tenta inviabilizar a sequência do processo democrático”, em vez de fazer uma “oposição responsável”.(Leia mais)

O Paraná é dos Barros

Não há como negar a força da família do deputado federal eleito Ricardo Barros (PP) na política do Paraná.

Eleito deputado federal, emplacou a mulher dele Cida Borgheti como vice-governadora, a filha Maria Vitória como deputada estadual e, de lambuja, o irmão Silvio Barros como Secretário de Planejamento.

Veja o novo secretariado de Beto Richa. Um doce se você achar alguém de Londrina

Secretarias de Estado

Administração e Previdência
Dinorah Botto Portugal Nogara

Agricultura e Abastecimento
Norberto Anacleto Ortigara

Casa Civil
Eduardo Francisco Sciarra

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
João Carlos Gomes

Comunicação Social
Marcelo Simas do Amaral Cattani

Cultura
Paulino Viapiana

Esporte e Turismo
Douglas Fabrício

Desenvolvimento Urbano
Ratinho Jr.

Educação
Fernando Xavier Ferreira

Fazenda
Mauro Ricardo Costa

Infraestrutura e Logística
José Richa Filho

Justiça, Cidadania e Direitos Humanos
Maria Tereza Uille Gomes

Planejamento e Coordenação Geral
Silvio Magalhães Barros

Saúde
Michele Caputo Neto

Meio Ambiente e Recursos Hídricos
Ricardo Soavinski

Segurança Pública e Administração Penitenciária
Fernando Francischini

Trabalho e Desenvolvimento Social
Fernanda Richa

Assessorias

Assuntos Estratégicos
Flávio José Arns

Cerimonial e Relações Internacionais
Ezequias Moreira Rodrigues

Chefia de Gabinete
Deonilson Roldo


Apoio Técnico

Casa Militar
Cel. Adilson Castilho Casitas

Controladoria Geral do Estado
Carlos Eduardo de Moura

Procuradoria Geral do Estado
Ubirajara Ayres Gasparin



Empresas

Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina
Luiz Henrique Tessutti Dividino

Companhia de Habitação do Paraná - Cohapar
Abelardo Luiz Lupion Mello

Companhia Paranaense de Energia - Copel
Luiz Fernando Leone Vianna

Companhia Paranaense de Gás - Compagas
Fernando Eugênio Ghignone

Companhia de Saneamento do Paraná - Sanepar
Mounir Chaowiche

Londrina está em 40° lugar no ranking de geração de empregos do PR

Novembro teve o pior saldo de empregos dos últimos 10 anos. Com 7.260 admissões e 7.267 desligamentos. Este número se deu principalmente, porque o setor da construção civil acabou com 378 vagas de trabalho. As informações são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério do Trabalho e do Emprego. Em Londrina o setor que apresentou um bom desempenho em novembro foi o comércio, com 2.490 admissões e 1.971 demissões, com saldo positivo de 519 postos de trabalho. A cidade está na 40ª posição no ranking de geração de emprego do Paraná.

Lojas funcionam até às 22h

Como hoje não é feriado estadual – porque foi revogado pela Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) -, o comércio abre até às 22h. As repartições públicas do Estado, porém estarão fechadas. No dia 26, devido ao cancelamento do feriado, as lojas vão funcionar normalmente, das 9h às 18h.

Tempos estranhos

Luiz Fernando Veríssimo/no O Globo

Enquanto a direita se delicia com o espetáculo de capitalistas sendo presos, a esquerda realiza um sonho da direita, desmoralizar para melhor desnacionalizar a Petrobras

Tá tudo atravessado

Sem cabeça nem pé:

Home casa com home

Mulhé casa com mulhé.

Tempos estranhos, tempos estranhos. Enquanto a direita se delicia com o espetáculo de capitalistas sendo presos, a esquerda realiza um dos sonhos da direita, o de desmoralizar para melhor desnacionalizar a Petrobras. Um lado assumiu o papel do outro, é home com home e mulhé com mulhé, e não se entende mais nada. Despidas de todas as suas outras óbvias implicações, as revelações sobre a relação das empreiteiras com as estatais e o poder publico são uma aula do capitalismo de compadres em ação. Os escândalos do propinato na Petrobras e da cartelização em São Paulo para assegurar contratos sem obedecer à aborrecida formalidade de licitações provam, como se fosse preciso mais provas, o que está no Marx para principiantes: o caminho natural do capital é para o monopólio. O compadrio das empreiteiras faz pouco da importância da competição no mercado supostamente autorregulavel da pregação liberal. É compreensível que a direita festeje o embaraço da esquerda com as revelações que levaram diretores de empreiteiras à prisão e podem até punir a Dilma pela audácia de ganhar as eleições. Mas o capitalismo brasileiro também está levando suas lambadas neste entrevero.

O Roberto Campos chamava a Petrobras de “Petrossauro” e entregá-la a estrangeiros mais competentes sempre foi um mantra da direita. Os entreguistas não orquestraram o que está acontecendo com a Petrobras agora, mas, se tivessem planejado sua atual transformação, de orgulho nacional em vergonha nacional, não teriam tido tanto sucesso. É, irônica e dolorosamente, sob um governo de esquerda, aspas à vontade, que o orgulho está chegando a um estado terminal. Nem a Margaret Thatcher, que privatizou toda a Inglaterra, tocou no serviço nacional de saúde do país, que atravessou governos conservadores e pseudoprogressistas e permanece até hoje como uma espécie de cidadela socialista, sem aspas, em meio à comercialização de tudo. O Chile de Pinochet seguiu à risca a receita neoliberal da escola de Chicago para a sua economia, mas nem Pinochet acabou com o controle estatal do cobre, que também continua até hoje. Não se esperava que a cidadela Petrobras, que sobreviveu aos ataques da direita durante todos estes anos, fosse ser atacada por dentro. Mesmo que o governo não esteja envolvido diretamente no esquema da corrupção, é responsável pelo desleixo que a propiciou. E pela alegria dos entreguistas.

Tá tudo atravessado

Sem cabeça nem pé:

Não se sabe quem é o quê

Nem se sabe quem não é.

Ele diz que não é político….

O prefeito de Londrina, Alexandre Kireeff diz que não é político, mas o seu chefe de gabinete, Márcio Stamm esteve ontem na Câmara de Vereadores participando ativamente das articulações para a eleição da nova Mesa Diretiva da Casa.

E o resultado, para o Executivo, foi até melhor do que se imaginava.

Veja:

O novo presidente da Câmara é o vereador Fábio Testa (PPS), ainda hoje líder do prefeito Alexandre Kireeff (PSD) na Casa. A vice-presidente eleita é Elza Correa (PMDB), ex-líder de Kireeff; o primeiro Secretário é Roque Neto (PR), que faz parte da bancada aliada; Douglas Pereira (PTB), a pedido do deputado Alexa Canziani, também é aliado. E Vilson Bitencourt (PSL) nunca fez oposição.

Além disso, o prefeito Kireeff pode escolher um novo líder entre os que não fazem parte da Mesa. Ou seja, se nada mudar, em qualquer votação de interesse da prefeitura, teoricamente, o prefeito disporá, de cara, de seis votos.

Márcio Stamm, o articulador, também deixou claro aos vereadores que, a partir de 2015, será aberto um canal político mais caridoso para atender os pleitos dos vereadores.

, , ,

Em Londrina um PSDB unido…. ou quase

Em 2012 o PSDB de Londrina rachou. Um grupo abraçou de corpo alma e futuros cargos a campanha do então candidato Marcelo Belinati (PP) – cujo time era adversário figadal dos tucanos desde a fundação da sigla na cidade. Os demais tucanos ou ficaram neutros na disputa ou procuraram ajudar os demais candidatos a prefeito.

Desde então o ninho do partido mais parece uma casa de avestruzes, emas, pintasilgos, urubus e jacarés. Para os tucanos mesmo, sobra pouco espaço no ninho.

Agora mais uma curiosidade desta senda tucana. O partido tem dois vereadores na Câmara: Gerson Araújo e Roberto Kanashiro.

Na eleição ocorrida ontem, para a presidência da Câmara, Araújo votou na chapa do vereador Fábio Testa (PPS) – que venceu a disputa – e Kanashiro deu seu voto a chapa do candidato a presidente Mário Takahashi (PV).

A união da bancada é expressionante.

Veja a lista de políticos que, segundo Paulo Roberto Costa, foram beneficiados com a grana da Petrobras

Do Estadão
Primeiro delator da Lava Jato, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa citou em 80 depoimentos que se estenderam por duas semanas, entre agosto e setembro, uma lista de 28 políticos – que inclui ministro e ex-ministros do governo Dilma Rousseff (PT), deputados, senadores, governador e ex-governadores.
O Estado obteve a lista completa dos citados. A relação inclui ainda parlamentares que integram a base aliada do Palácio do Planalto no Congresso como supostos beneficiários do esquema de corrupção e caixa 2 que se instalou na petrolífera entre 2004 e 2012.
Há nomes que até aqui ainda não haviam sido revelados, como o governador do Acre, Tião Viana (PT), reeleito em 2014, além dos deputados Vander Luiz dos Santos Loubet (PT-MS), Alexandre José dos Santos (PMDB-RJ), Luiz Fernando Faria (PP-MG) e José Otávio Germano (PP-RS). Entre os congressistas, ao todo foram mencionados sete senadores e onze deputados federais. (leia mais)

, , , , , , ,

Novo procurador Jurídico da Câmara de Londrina

E o novo procurador Jurídico da Câmara de Londrina deve ser o advogado Miguel Aranega Garcia, que já esteve na função quando Gerson Araújo (PSDB) presidiu a Câmara.

Sarney se despede e diz que se arrependeu de ser Senador. Se ele se arrepende, imagine nós eleitores de tê-lo como Senador

Do O Globo

Após 60 anos de mandatos políticos, o senador José Sarney (PMDB-AP) fez nesta quinta-feira (18) seu discurso de despedida no plenário do Senado. Ele afirmou se arrepender de ter voltado à vida pública depois de ter sido presidente da República, cargo que exerceu de 1985 a 1990 devido à morte do presidente Tancredo Neves.

Depois que deixou a Presidência da República, Sarney foi eleito para cinco mandatos consecutivos de senador, dois pelo Maranhão e três pelo Amapá.  Em junho, o parlamentar anunciou a políticos e amigos que não disputaria as eleições deste ano para, segundo sua assessoria, cuidar da mulher, em tratamento médico.

Eu tenho um arrependimento, até fazendo um mea-culpa. Penso que é preciso proibir que os ex-presidentes ocupem qualquer cargo público, mesmo que seja cargo eletivo. Nos Estados Unidos é assim, e eles passam a ter uma função que serve ao país. Então, eu me arrependo. Acho que foi um erro que eu cometi ter voltado, depois de presidente, à vida pública.”
Senador José Sarney (PMDB-AP)

“Eu tenho um arrependimento, até fazendo um mea-culpa. Penso que é preciso proibir que os ex-presidentes ocupem qualquer cargo público, mesmo que seja cargo eletivo. Nos Estados Unidos é assim, e eles passam a ter uma função que serve ao país. Então, eu me arrependo. Acho que foi um erro que eu cometi ter voltado, depois de presidente, à vida pública”, afirmou durante seu último discurso como senador. (leia mais)

Fábio Testa é o novo presidente da Câmara de Londrina

Por dez votos a nove a chapa um, comandada pelo vereador Fabio Testa, venceu a eleição na Câmara de Londrina. A posse será no dia 2 de janeiro.

A mesa será composta por:

Presidente: Fabio Testa (PPS)

Vice-presidente: Elza Correa (PMDB)

Primeiro Secretário: José Roque (PR)

Segundo Secretário: Tio Douglas (PTB)

Terceiro Secretário: Vilson Bitencourt (PSL)

 

Eleição na Amunop é cancelada pela Justiça

Do blog do Zé Otavio

A juíza da   Vara Cível de Cornélio Procópio, Chélida Roberta Soterroni, determinou o cancelamento da eleição para a diretoria da Associação dos Municípios do Norte do Paraná (AMUNOP) e a destituição do atual presidente do cargo, o prefeito de Bandeirantes, Celso Silva. (leia mais)

Veja como ficaram as chapas para a eleição da Mesa Diretiva da Câmara de Londrina

Em fim as chapas:

Chapa 1 – presidente Fábio Testa (PPS); vice presidente Elza Correia (PMDB); primeiro Secretário José Roque (PR); segundo secretário Tio Douglas (PTB); terceiro secretário Vilson Bitencourt (PSL).

Chapa 2 – presidente Mário Takahashi (PV); vice-presidente Emanoel Gomes (PRB); primeiro secretário Junior Rosa (PSC); segundo secretário Gustavo Richa (PHS) e terceiro secretário Gaúcho Tamarrado (PDT).