Sociedade: Toma que a responsabilidade é tua, conclama Belinati!

*(Funcionário aposentado da Sercomtel)

Qualquer prefeito democraticamente eleito tem legitimidade para decidir sobre os assuntos da municipalidade. No jargão do preto véio: “quem quer Poder, tem que Decidir.”
A discussão em torno da Sercomtel parte de uma questão racional, e não emocional como quer o Marcelo Belinati.

O Município de Londrina continuará a intervir na ordem econômica das telecomunicações? 
Prefeitos não são deuses, são políticos, com pensamento na popularidade e nas urnas. 
Marcelo Belinati e os demais que quiseram salvar a Sercomtel cometeram um erro estratégico. A solução não sairá da Sercomtel. O problema não é da Sercomtel. É do proprietário da empresa. A solução sai da Rua Duque de Caxias para a Rua João Cândido, e não ao contrário. (mais…)

Que dó. Leilão de imóveis de Yousseff pela metade do preço

Do G1

O leilão dos mais de 80 imóveis que pertenciam ao doleiro Alberto Youssef, que começou em setembro e encerrou nesta segunda-feira (16), terminou com um lance vendido. Os bens, avaliados em mais de R$ 8 milhões, serão leiloados novamente com lances iniciais pela metade do preço, a partir desta segunda até o dia 30 de outubro.

(mais…)

Belinati busca apoio para a pá de cal?

O prefeito de Londrina, Marcelo Belinati e o presidente da telefônica Sercomtel, Hans Muller convocam a sociedade, empresas etc para discutir o que fazer com a empresa.

É mais um jogo político do que realmente busca de solução. Ele não quer ficar com a jaca sozinho. E antes que os comissionados do prefeito encham o saco, digo já, não, não é culpa deste Belinati atual a situação que a Sercomtel se encontra – que também andou fazendo umas trapalhadas escalando para comandar a empresa um grupo de pessoas que não se enquadra na Lei das Estatais.  Mas a fila de culpados é gigante e pode incluir aí de má gestão, mercado competitivo, uso político da empresa, etc, etc. (mais…)

, , , , ,

Justiça determina bloqueio de bens de dois deputados do Paraná

E o Ministério Público do Paraná informa que a 2ª Vara da Fazenda Pública de Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba, determinou, em caráter liminar, a indisponibilidade de bens de dois deputados estaduais em exercício na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep): Elio Rush e Alexandre Guimarães que teriam utilizado sua verba de ressarcimento para custear alimentação de familiares e visitantes, e do parlamentar que preside a Comissão de Tomadas de Contas da Casa de Leis, responsável por analisar e aprovar as contas das verbas de ressarcimento de todos os deputados. A decisão atende pedido do Ministério Público do Paraná em ação civil pública ajuizada pela 1ª Promotoria de Justiça de Campo Largo.  (mais…)

, , , , ,

Ministério Público Federal pede o afastamento do ministro Ricardo Barros

do UOL

O MPF (Ministério Público Federal) em Pernambuco informou nesta segunda-feira (16) que solicitou o afastamento cautelar do ministro da Saúde, Ricardo Barros, por suposta influência política para transferir produção de derivados de sangue para o Paraná, seu Estado de origem. O pedido consta em ação civil pública contra a União que pede a manutenção do contrato firmado do governo com a empresa pública Hemobras (Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia).  (mais…)

, , , , , , , ,

Um Ratinho com os pés frios

Tem prefeito no Paraná que anda querendo distância do abraço do deputado Ratinho Júnior. Nada contra o cara que é candidato ao governo do Estado. Apenas prevenção e preservação do cargo.

Na foto abaixo, Ratinho Jr abraça três prefeitos que tiveram seus mandatos cassados – Reni Pereira (Foz do Iguaçu), Antonio Belinati e Barbosa Neto, ambos de Londrina.

Pelo sim, pelo não, vai que né!

arquivo google
, , , , , ,

Presidente da Ask é Conselheiro da Sercomtel. Agora pode?

Na administração anterior, em Londrina, a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público foi na jugular de secretários do então prefeito Alexandre Kireeff que acumulavam funções em conselhos. Os alvos foram o vice-prefeito Guto Bellusci, o secretário municipal de Governo, Paulo Arcoverde, o assessor executivo da prefeitura, José Carlos Bruno de Oliveira, e o conselheiro Gustavo Lessa Neto. Além de secretários participavam de conselhos como o do Sercomtel. A alegação do MP era de que, conforme a Constituição, eles não poderiam acumular os cargos. Todos deixaram os conselhos.

Bom, o atual presidente da Ask, Luciano Kuhl é também conselheiro da Sercomtel. Lembrando que o conselho é remunerado também. Porém, segundo a assessoria de imprensa da Sercomtel, Kuhl não recebe remuneração por estar no Conselho.

, , , , ,