Agora é definitivo: pá de cal na Operação Publicano

Operação Publicano, que foi talvez  a maior operação contra sonegação fiscal, fraudes fiscais e outros delitos no Paraná, fez água de vez.

Por 5 votos a 0 os ministros da 2ª Turma do STF consideraram nulas as provas apresentadas pelo Ministério Público através da delação premiada do então auditor fiscal Luiz Antônio de Souza e da irmã dele Angela de Souza.

Pior do que isso, os promotores simplesmente perderam os prazos para recorrer.

Traduzindo: não há como julgar os denunciados nas Operações Publicano 2,3 e 4.

Não há mais recurso.

Isso significa que os condenados na Operação Publicano 1 também deverão ter as ações trancadas, pois foram usadas as delações das mesmas figuras para condenar os citados.

Veja como foi o voto do relator, ministro Gilmar Mendes, seguido pelos demais ministros:

7 thoughts on “Agora é definitivo: pá de cal na Operação Publicano

  • 27/02/2021, 13:28 em 13:28
    Permalink

    Nooooooossa!! Perderam o prazo??? Que coisa né?! Será que algum « órgão de controle », algum síndico da moralidade de ocasião vai tomar alguma providência ou vai ficar por isso mesmo??

    Resposta
  • 27/02/2021, 14:03 em 14:03
    Permalink

    Festival de incompetência. Mostra como o MP de Londrina age em suas’ investigações”, verdadeiro show de horror, acusam sem provas sustentáveis, e depois passam vergonha.
    Na verdade é um a fogueira de vaidade, onde cada um quer aparecer mais que o outro. Enquanto isso os acusados são expostos em praça pública.
    Este blog é o único que mostra os desfechos destes casos.
    A mídia em geral não se interessa não causa polêmica.

    Resposta
    • 19/03/2021, 13:25 em 13:25
      Permalink

      Sempre falei isso. Eu e uns poucos advogados corajosos. Eles investigam mal, concluem pessimamente, desmoralizam reputações e denunciam pior ainda. Se entendem como os suprasumo. Com eles sempre seus fiéis aliados, a imprensa medíocre e mal formada. Não é à toa que no Estado do Rio de Janeiro essas brigadas formadas por gente do MP, policías e “arapongas”, foi extinta pelo próprio MP, voltando a se prestigiar o promotor natural. É triste ver tanta incompetência, arrogância e autocelebração.

      Resposta
  • 27/02/2021, 15:12 em 15:12
    Permalink

    Sempre te disse isto hein Paçoca!. Taí.

    Resposta
  • 27/02/2021, 22:46 em 22:46
    Permalink

    A maior fraude do judiciário mundial vem a tona, tarda mas não falha, incautos da pseudo moralidade, um lixo dominante e encrostado no inescrupuloso órgão que saqueia de forma urresoluta a integridade alheia, visando desonestamente engordar seus polpudos salários, repletos de penduricalhos, obtidos via corrupção jurídica, o que se observa na ação conjunta e efetiva de eximios saqueadores dos cofres públicos.

    Resposta
  • 01/03/2021, 09:47 em 09:47
    Permalink

    Mas e a grana recolhida no motel ao lado de meninas De Menor.
    A pedofilia ficou provada.
    A promotora responsável quando do caso SILENCIOU-SE.
    Que vergonha, um escárnio só.

    Resposta
  • 01/03/2021, 09:53 em 09:53
    Permalink

    Então o PSDB pode ficar sossegado já que aquela nota fiscal das divisórias do comitê eleitoral lá da campanha do Beto Richa, paga com propina – segundo o delator! – já deve ter ido pro lixo.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: