Boca Aberta é condenado pela Justiça Eleitoral por crimes como falsificação de documento e uso de documento falso

Informa o jornalista Marcos Garrido, da CBN Londrina, que o ex-deputado federal Emerson Petriv, mais conhecido como Boca Aberta, foi condenado a 4 anos de prisão pela Justiça Eleitoral. A pena é para os crimes de falsificação de documento particular e uso de documento falso para fins eleitorais.

No primeiro caso, o juiz destacou os maus antecedentes do réu, com “extenso histórico criminal e ao menos uma condenação transitada em julgado” e a reincidência dele, e condenou Emerson Petriv à pena de um ano, seis meses e 20 dias de prisão, além do pagamento de quatro dias-multa.

Para o crime de uso de documento falso, o juiz, mais uma vez, ressaltou os antecedentes de Boca Aberta e definiu a pena em dois anos, onze meses e 11 dias de reclusão, além do pagamento de sete dias-multa.

Na decisão, o magistrado citou ainda o fato de Boca Aberta ter sido deputado federal e sua “razóável condição financeira” e arbitrou o valor do dia-multa em um salário mínimo, com valores atualizados. O magistrado estabeleceu ainda o regime inicial fechado para a pena e também condenou Emerson Petriv ao pagamento das despesas processuais.

O juiz afirma ainda que todos os elementos destacados no processo comprovam, sem sombra de dúvidas, que o réu praticou os crimes de falsificação de documento particular para fins eleitorais e fez uso deles junto à Justiça Eleitoral. As provas, ainda de acordo com o magistrado, são robustas e demonstram a existência das infrações penais.

A vítima da falsificação das assinaturas foi o ex-vereador José Roque Neto, que na época era presidente da Comissão Provisória do Partido da República em Londrina, que confirmou à Polícia Civil que, tanto o pedido de cancelamento de inscrição partidária de Boca Aberta, quanto a carta informando sobre o pedido, eram falsos e que a assinatura dele teria sido escaneada.

O juiz também descartou a ausência de dolo, alegada pela defesa de Boca Aberta, e disse que ele agiu com consciência e vontade. E afirmou ainda que o réu teria dito que recebeu os documentos por email da assessoria de José Roque Neto, mas não apresentou cópia da mensagem, nem indicou o endereço eletrônico.

Compartilhe
Leia Também
Comente

Um comentário

  1. Carlos Marques

    Mais um aliado do Bolsonaro, o milionário das pedras preciosas e do Rolex cravejado de diamantes, caindo em desgraça, ou melhor, se ferrando na Justiça. Por isso queriam uma ditadura militar. Para se safarem dos crimes cometidos.

    1. Genildo

      Oi? Não entendi……..

      1. Satanás

        Como o senhor vai entender uma montagem fotográfica? Difícil né? Quá! Quá! Quá! Bote seu pijama e vá tomar seu chazinho de camomila. Perdeu, mané. Quá! Quá! Quá!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar
Anúncios
Paçocast
Anúncios