Combate a corrupção não é exatamente uma prioridade

(Foto: Marcelo Camargo/Folhapress)

Quando Luiz Inácio Lula da Silva foi solto, em novembro de 2019, houve uma corrida no Congresso para que houvesse uma mudança na lei e a prisão em Segunda Instância fosse rapidamente aprovada.

Pois bem. Até hoje a PEC não foi votada em plenário. E não há prazo para que isso aconteça.

Outra PEC, a do senador Álvaro Dias, a que acaba com o foro privilegiado no país, está completando mais de 500 dias sem ser votada pela Câmara dos Deputados. A proposta foi aprovada em 11 de dezembro de 2018 na Comissão Especial e desde então está parada e aguarda para ser levada ao plenário.

Convenhamos, não parece ser um governo que junto com sua base de apoio articula para fortalecer o combate à corrupção.

3 thoughts on “Combate a corrupção não é exatamente uma prioridade

  • 03/05/2020, 11:45 em 11:45
    Permalink

    Claro que não! Quando o ex-juiz Moro – que virou o candidato preferido a presidente do senador honestão – ouviu o tucano Aécio Neves ser delatado lá atrás e disse que ele não vinha ao caso, obviamente que o combate à corrupção estava passando longe.

    Resposta
  • 03/05/2020, 12:22 em 12:22
    Permalink

    O primeiro parágrafo do post é a prova do crime e do farisaísmo do político profissional Álvaro Dias. Se não havia uma lei que permitia prisão após condenação em segunda instância (e o ex-juiz Moro deveria saber), a prisão de Lula foi ilegal. Aliás, o bolsonarista dono da Havan também já foi condenado em segunda instância e nunca vi um antipetista pedir sua prisão. Álvaro Dias, eleitor que te conhece não te compra.

    Resposta
  • 03/05/2020, 14:33 em 14:33
    Permalink

    Se considerar que até o loucão da bicicleta Gracie Kelly faz parte da agenda política da nova direita conservadora. Será que o Boca curte o Olavo de Carvalho?

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: