Conheça o calendário eleitoral

TSE (Tribunal Superior Eleitoral) oficializou o calendário das eleições de 2022. Os brasileiros irão às urnas no dia 2 de outubro escolher o presidente do país, os governadores dos estados, senadores, deputados federais e deputados estaduais.

O segundo turno está marcado para o dia 30 de outubro. A segunda rodada de votação ocorre caso um dos candidatos para os cargos de presidente e governador não alcance a maioria absoluta de votos.

Ou seja, para levar no primeiro turno o candidato a um dos cargos do Executivo precisa obter mais da metade dos votos válidos (excluídos os votos em branco e os votos nulos).

Em relação à propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão relativa ao primeiro turno, ficou estabelecido que as peças publicitárias poderão ser veiculadas entre os dias 26 de agosto e 29 de setembro.

Outra data importante oficializada pela corte é da convenção das legendas. Os partidos e as federações partidárias poderão realizar, de 20 de julho a 5 de agosto, as convenções, na forma presencial, virtual ou híbrida, para escolher candidaturas e definir coligações.

PRINCIPAIS DATAS DAS ELEIÇÕES

  • Oficialização das federações partidárias

Até 2 de abril (seis meses antes do pleito)

  • Convenção das legendas

20 de julho a 5 de agosto

  • Registro das candidaturas

Até 15 de agosto

  • Propaganda em rádio e TV (primeiro turno)

26 de agosto a 29 de setembro

  • Primeiro turno

2 de outubro

  • Segundo turno (se necessário)

30 de outubro

Esta será a primeira vez que o pleito contará com a possibilidade das federações partidárias, mecanismo que permite que os partidos se unam na disputa, somando tempo de TV e também no cálculo do quociente eleitoral para distribuição de cadeiras. Uma diferença para as coligações é que, na federação, os partidos devem atuar em conjunto por pelo menos quatro anos.

Os partidos, as federações partidárias e as coligações deverão solicitar à Justiça Eleitoral o registro das candidaturas até o dia 15 de agosto do ano eleitoral, segundo o TSE.

A oficialização das federações, no entanto, deve ocorrer seis meses antes do pleito, segundo determinação do presidente da corte eleitoral, Luís Roberto Barroso.

Além de definir essas datas, o TSE confirmou que a partir de 1º de janeiro fica proibida a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da administração pública, exceto em casos como calamidade pública, estado de emergência e execução orçamentária do exercício anterior.

Da Folha de São Paulo

Leia Também

65% dos trabalhadores vão de marmitão para economizar

Com a refeição custando em média R$ 40,64, segundo dados da Associação Brasileira das Empresas...

Podemos decide fechar aliança com Simone Tebet e beneficie Alvaro Dias

  Divulgação/Flickr Simone Tebet da CNN Brasil O Podemos decidiu nesta quinta-feira (4) apoiar a...

Contas públicas fecham maio com déficit de R$ 33 bilhões, informa BC

As contas do setor público consolidado, formado por governo federal, estados, municípios e empresas estatais,...

Comente!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments