Mesmo com leis proibindo, explodiu a venda de cigarro eletrônico no Paraná
Foto: Sérgio Lima/Arquivo Poder360

Aumento do ICMS sobre tabaco vai incentivar consumo de cigarros ilegais mais barato devido não recolher impostos ao Estado e UniãoA venda de cigarros eletrônicos explodiu nos últimos meses em todo o Paraná. Mesmo com legislações estadual e federal proibindo a prática, o produto é comercializado livremente nas ruas. No Brasil, este mercado ilegal atinge aproximadamente duas milhões de pessoas.

“Assim como alertamos sobre bebidas contrabandeadas e falsificadas, o cigarro eletrônico também representa uma ameaça à saúde da população”, afirma Fábio Aguayo, presidente da Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar), entidade que tem feito campanhas contra o comércio de produtos ilegais.“O Paraná está numa região de fronteira com dois países (Paeraguai e Argentina), e isto favorece muito esta prática”, ressaltou. O baixo preço dos cigarros eletrônicos se tornou atrativo para o consumo nos últimos dois anos.Os aparelhos coloridos, de 5 a 10 centímetros, são semelhantes a pendrives e contém alta concentração de sal de nicotina, afetando a saúde dos consumidores, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em um giro rápido pelas ruas de Curitiba e Foz do Iguaçu, é possível encontrar modelos a partir de R$ R$ 20 até R$ 300 vendidos livremente.A proibição da Anvisa não impediu a expansão do mercado ilegal e do número de adeptos, afirma o portal. A maior empresa de tabaco do país, BAT Brasil (antiga Souza Cruz), estima que dois milhões de brasileiros consomem os cigarros eletrônicos não regulamentados.Mais incentivoA Abrabar lembra que está em curso um projeto do governo do Estado de aumentar o imposto de cigarros e demais fumígenos, com a justificativa de implantar o auxílio alimentação para policiais civis e militares. A prática vai aumentar o contrabando e, do contrário que o desejado, vai reduzir a arrecadação do Estado e União. A Abrabar, junto com o Fórum Nacional Contra a Pirataria e Ilegalidade (FCNP) e outras instituições, solicitaram audiência com o governador Ratinho Junior para discutir a questão, antes do projeto ir a votação. A intenção é mostrar que o aumento dos impostos do cigarro não será suficiente para bancar o benefício.“A realidade demonstra que isso não vai dar certo”, explicou Edson Vismona, presidente do FCNP. “Aumentar o imposto do cigarro só seria válido para aumentar a arrecadação se o consumidor, o fumante, não tivesse outra saída a não ser comprar o cigarro nacional legalizado por um preço mais alto”. “Mas não é essa a nossa realidade”, disse ele a Gazeta do Povo. A presença de cigarros contrabandeados do Paraguai no Paraná supera os nacionais, que pagam impostos. Estudo de 2020 mostrou que dois a cada três maços vendidos no estado vêm do país vizinho, sem recolher nenhum centavo ao governo.Vismona alertou ainda para outro cenário possível, que é a fuga dos comerciantes que poderão adquirir cigarros nacionais no estado vizinho de Santa Catarina, onde o ICMS e mais baixo. “Quando o imposto cresce, o crime agradece”, completou o presidente do FCNP.

Leia Também

Deputado Filipe Barros coloca o dedo na ferida: Infraero está cumprindo prazos sobre o Aeroporto de Londrina?

O deputado federal Filipe Barros resolveu colocar o dedão na ferida do Aeroporto de Londrina....

Insatisfação na PM

Pelo número de policiais militares que mandaram mensagem ao blog, o contentamento deles dito pelo...

TV LEC melhores momentos de Londrina x Maringá

Comente!

guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Genildo
Genildo
1 mês atrás

Sobre o tema da matéria, acredito se tratar de VAPE e não cigarro eletrônico, mas a confusão é normal entre os leigos. Então um breve relato das vantagens que o vape tem sobre os tidos cigarros analógicos (cigarro comum). O liquido que é consumido no vape é composto de Glicerina USP (VG), Propilenoglicol USP (PG), essência alimentícia e se quiserem a nicotina pode ser dosada a gosto enquanto um único cigarro contem de 7 a 9 mg de nicotina por cigarro. Por serem produtos alimentícios usados no dia a dia o PG e VG são vaporizados tal qual a água é transformada em vapor em uma sauna. Usa-se essências para dar sabor e a nicotina pode ser dosada com 3 mg e sendo reduzida com o tempo chegando a 0 mg com o passar dos meses, o individuo deixa de ser dependente de nicotina. Uma excelente ferramenta para quem quer deixar de fumar. O simples fato de não haver combustão de nenhum produto, papel, tabaco, nicotina e mais milhares de outros componentes por si só já é uma grande vantagem além de não deixar aquele cheiro horrível do cigarro. Europa, Asia, Canadá, EUA, Paraguay, enfim, o mundo todo libera o uso do vape, estudos feitos em todos os países certificam que seu uso é muuuuuuuito menos prejudicial que o cigarro analógico mas no Brasil insistem em proibir. Existe projeto de lei para liberarem mas forças estranhas impedem sua votação. Interesses financeiros falam mais alto. REPITO: excelente ferramenta para quem quer deixar de fumar, fumei 39 anos, fiz tratamentos e nada, a única coisa que me fez deixar o cigarro foi o vape, vale a pena uma pesquisa mais aprofundada.

Buscar

Apoie o Blog

Paçoca TV

Herança Digital. Quem tem direito a ficar com seus seguidores e seus conteúdos na internet?
Herança Digital. Quem tem direito a ficar com seus seguidores e seus conteúdos na internet?
20:40

Paçocast

Enquetes

Nenhuma enquete aqui no momento, mas fique atento! Em breve novas enquetes no Paçoca com Cebola!
Barra Lateral 01
Barra Lateral 02
Barra Lateral 03
Barra Lateral 04