Moro, sempre calmo, vaselinou em alguns momentos, e deixou claro sua fidelidade

O ministro da Justiça Sérgio Moro foi o entrevistado de ontem do programa Roda Viva, da TV Cultura. Foi sabatinado por jornalistas de vários veículos.

Na média até que se saiu bem. Deixou claro que, se depender dele, continuará fiel a Bolsonaro e não vai, em hipótese alguma, contrariar o mandatário do País em público.

Mantendo sempre uma postura calma, falou sobre diversos assuntos. Em alguns espinhosos ele vaselinou, como de hábito. Por exemplo, ao ser questionado sobre o enrolado ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (Turismo), denunciado e indiciado pela Polícia Federal, se gostaria que ele fosse demitido do governo, Moro disse que há investigação em andamento e que a decisão é do presidente. Ou seja, não opinou.

Também se esquivou olimpicamente sobre o caso do chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social, Fabio Wajngarten, sócio de uma empresa que tem como clientes midias que recebem do governo, o que é contra a lei.

Disse que não tem interesse, no momento, em concorrer a cargos eletivos, mas confirmou que não assinaria um documento dizendo que nunca se candidatará.

Foi questionado ainda sobre suas atitudes quando era juiz principalmente em relação à Vaza Jato. Reafirmou que, no seu entendimento os áudios vazados não comprovam irregularidades cometidas por ele ou que tenha instruído os promotores nas ações que resultaram na prisão e condenação de diversos políticos, inclusive do ex-presidente Lula.

Comentou ainda que a relação dele com o presidente é ótima.

7 thoughts on “Moro, sempre calmo, vaselinou em alguns momentos, e deixou claro sua fidelidade

  • 21/01/2020, 10:41 em 10:41
    Permalink

    O Marreco “perobou”. Nunca houve alguém tão impostor e mentiroso neste país como esse juizinho mentiroso. Vai receber o prêmio “Óleo de peroba” 2020.

    Resposta
  • 21/01/2020, 11:41 em 11:41
    Permalink

    “E deixou claro sua fidelidade”. Fidelidade a quem? Ao Bolsonaro? Quá! Quá! Quá! Esse ex-juiz de primeira instância tem a mesma credibilidade do cigano que acaba de oferecer uma barra de ouro. Palavras do Moro em 5/11/2016 ao Estadão: “Não, jamais. Jamais. Sou um homem de Justiça e, sem qualquer demérito, não sou um homem da política. (,,,) Jamais entraria para a política”. Até a camisa clara que Moro usou no programa chapa-branca da TV Cultura é falsa. Por baixo continua usando camisa preta!

    Resposta
  • 21/01/2020, 11:50 em 11:50
    Permalink

    Gostaria de saber o que pensa aquele promotor que combatia o belinatismo e que virou procurador sobre a mudança na lei que enfraquece o papel dele (procurador) em favor das decisões judiciais?
    Que tipo de legado ele deixou para Londrina? Um oba oba que no primeiro mandato da família a procuradoria ficou muda e imóvel perante duas mortes suspeitas no âmbito da Operação Password? Fico imaginando a família daquela mulher que foi executada no Jardim Europa, no quintal do MP, e até hoje a Delegacia de Homicídios não elucidou.

    https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/01/mudanca-em-lei-limita-poder-de-procuradores-e-fortalece-papel-de-juizes-nas-delacoes.shtml

    Resposta
  • 21/01/2020, 15:09 em 15:09
    Permalink

    Como de costume após a saída do Augusto Nunes, a bancada se mostrou absolutamente deplorável. O assunto não foi o Ministério da Justiça, e sim uma série de perguntas do tipo “mas então, e o suposto atrito entre X e Bolsonaro?” culminando com duas chaves de ouro, o momento “você promete que não vai concorrer?”, que reflete o receio de que ele concorra e ganhe, e a história bisonha do tal motorista de Uber.

    Resposta
    • 21/01/2020, 21:29 em 21:29
      Permalink

      E aí, Mr. Mokvwap, vai pedir pra abrir a caixa preta do contrato do BNDES bolsonarista com o escritório americano Cleary Gopttlieb Steen & Hamilton LLP que custou ao contribuinte brasileiro a bagatela de R$ 48 milhões? Quanto à entrevista do ex-juizeco da capitania hereditária de Curitiba, aquela turma que fingia entrevistá-lo no Roda Viva não passava de cabos eleitorais envergonhados do entrevistado. Só jornalista chapa branca…

      Resposta
  • 21/01/2020, 16:49 em 16:49
    Permalink

    É que vc não deve ter assistido as palestras do Lula…….aliás, ninguém conseguiu assistir, mas ele recebeu por elas!

    Resposta
    • 21/01/2020, 21:11 em 21:11
      Permalink

      Se o meu amigão Genildo não foi convidado para as palestras proferidas pelo Lula, então é certeza de que elas realmente não existiram. Quá! Quá! Quá! Meu amigão, não se fie em fake news. Quá! Quá! Quá! Eternamente ao seu dispor…

      Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: