Na “nova política de Bolsonaro” Marun é reconduzido para o conselho da Itaipu

Marun fazendo a “dança da corrupção” na votação que livrou Temer

Quem tem padrinho não morre pagão mesmo.

Olha só que mudança de conceito comovente e importante na política brasileira. O presidente Jair Bolsonaro nomeou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para o conselho de Itaipu Binacional, hidrelétrica que fica na fronteira com Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, e Cidade del Leste, no Paraguai Itaipu. Também foram reconduzidos aos cargos de conselheiros, entre outros, Carlos Marun, ex-ministro de Michel Temer, e o ex-deputado e delatado da Odebrecht José Carlos Aleluia (DEM-BA). Para quem  não conhece, Marun era braço direito de Eduardo Cunha e foi ministro-chefe da Secretaria de Governo do ex-presidente Michel Temer. Ele foi indicado ao cargo de conselheiro em Itaupu por Temer, mas afastado em março de 2019.

À época, Marun teve a nomeação questionada por uma ação popular e pelo Ministério Público Federal junto à 6ª Vara Federal de Curitiba. Em primeira instância, o pedido foi negado. Na apelação à segunda instância, o relator do processo, desembargador federal Rogério Favreto, suspendeu o ato de nomeação em liminar. No julgamento de mérito pela 3ª Turma do TRF-4, a decisão foi revertida.

Marun foi o deputado que dançou após a Câmara dos Deputados impedir o prosseguimento de denúncias contra Temer.

Com o G1

2 comentários em “Na “nova política de Bolsonaro” Marun é reconduzido para o conselho da Itaipu

  • 16/05/2020, 18:01 em 18:01
    Permalink

    Se alguém acha que a esquerda roubava no governo petista, vai ver o que é roubar pra valer com a direita. É o Cunha na Itaipu, minha gente!!!

    Resposta
  • 17/05/2020, 12:32 em 12:32
    Permalink

    Mas o presidente honestão não colocou apenas o Marun pra ajudar a “cuidar” do dinheiro da Itaipu. Com ele está também o José Carlos Aleluia. República de ladrões.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: