“Os políticos importantes geralmente são psicopatas” – Trechos de entrevista com o psiquiatra Hugo Marietán

O psiquiatra argentino Hugo Marietán, numa entrevista ao jornal La Nación, de Buenos Aires, em janeiro de 2009, fez uma instigante análise sobre a psicopatologia e os políticos.

Eis a opinião do conceituado médico psiquiatra e professor da Universidade de Buenos Aires:

“Uma característica básica do psicopata é que ele é um mentiroso, mas não é um mentiroso qualquer. É um artista. Mente com a palavra, mas também com o corpo. Atua. Pode, inclusive, fingir sensibilidade. Acreditamos nele uma e outra vez, porque é muito convincente. Um dirigente qualquer sabe que tem que cumprir sua função durante um tempo determinado. E cumprida a missão, vai embora. Ao psicopata, por outro lado, uma vez que está acima, ninguém pode tirá-lo: quer estar uma vez, duas, três vezes. Não deixa o poder e muito menos o delega”.

“Outra característica é a manipulação que faz das pessoas. Em torno do dirigente psicopata se movem pessoas que querem satisfazê-lo. Pessoas que, embaixo do efeito persuasivo, são capazes de fazer coisas de que outro modo não fariam. São pessoas subjugadas, sim, e, inclusive, podem ser de alto nível intelectual. O líder psicopata não considera os cidadãos como pessoas com direito, mas as consideram como coisas, porque o psicopata sempre trabalha para ele mesmo, ainda que em seu discurso diga tudo ao contrário.”

“O psicopata vê as pessoas como simples instrumentos. Ele carece da habilidade emocional da empatia, que é a capacidade de qualquer pessoa normal de pôr-se no lugar do outro. ‘As coisas’(as pessoas), para o líder político com essas características, tem que estar a seu serviço: pessoas, dinheiro, a famosa caixa para pagamentos, para comprar vontades. Utilizam o dinheiro como elemento de pressão, porque utilizam a coerção. A pergunta do acionar psicopatológico típico é: como dobro a vontade do outro? Com um cargo, com um plano, com um subsídio? Como divido?”

“Os políticos importantes – concluiu o Dr. Hugo Marietán – geralmente são psicopatas por uma simples razão: o psicopata adora o poder. Utiliza as pessoas para obter mais e mais poder e as transformam em ‘coisas’ para o próprio benefício dele. Isto não quer dizer, logicamente, que todos os políticos ou todos os líderes sejam psicopatas, mas sim que o poder é um ambiente onde eles se movem como peixe na água”.


Sobre o entrevistado

O psiquiatra Hugo Maritán é professor na Universidade de Buenos Aires, também é vice-diretor da revista de neuropsiquiatria Almaceón e coordenador do portal espanhol Psiquiatria.com. Nos hospitais Moyano, Esteves e Borda, na capital argentina, dirigiu cursos de semiologia psiquiátrica.

Link da entrevista completa aqui.

4 thoughts on ““Os políticos importantes geralmente são psicopatas” – Trechos de entrevista com o psiquiatra Hugo Marietán

  • 18/04/2020, 09:35 em 09:35
    Permalink

    Fiz um tour pelos veículos da internet e como está pobre a publicação de matérias. Os blogs de outras cidades e até um desconhecido de Londrina traz melhores matérias. É triste ver isso. E melancólico. O desmonte da imprensa promovido pelo Temer e Bolsonaro que não colocam grana mais nessas empresas foi o prêmio por combater o PT. Finja que não é com vc, faça um birra, ofenda o esquerdista. Aciona o cronista. E decrete falência. Ainda bem que agora dá para dar os calotes nos funcionários. Brasil estillo somos vagabas…

    Resposta
  • 18/04/2020, 11:14 em 11:14
    Permalink

    Que ilustração sacana! Personagens escolhidas a dedo. O primeiro, de extrema direita. Os outros três, de esquerda. Duvido que um psicólogo sério taxaria Luciana Genro, Lula ou mesmo o autoritário Ciro Gomes como psicopatas. Já Bolsonaro, sim, tem comportamento típico dos psicopatas. Uma das características próprias do psicopata é gritante em Bolsonaro. Ele não sente compaixão, dó, solidariedade por ninguém. Por isso ele transforma facilmente amigos e aliados políticos em inimigos mortais. Bolsonaro trata o povo como se lixo fosse. No meio de uma pandemia, incentiva pessoas a se contaminarem, a assumirem comportamento de risco e se exporem à doença. Compaixão no Bolsonaro virou ódio. Só uma pessoa dominada pelo ódio pode defender a tortura e sacralizar um torturador. Como pode um líder político se referir, sem meias palavras, a pessoas que ficam em casa se protegendo da peste como covardes?

    Resposta
    • 19/04/2020, 19:02 em 19:02
      Permalink

      Tenho que concordar com sua avaliação, caro Décio, que parece ser um homem bem informado e conhecedor das entranhas do poder. Que tal aquela foto do Beto Richa segurando um porrete para dar no professor. É mais psicopata. Ou daqueles fanfarrões de Londrina que vivem arrumando confusão por aí… Tem um barbudo da Sercomtel e outro na Câmara Federal que também gosto de sentar o cacete…

      Resposta
  • 20/04/2020, 09:17 em 09:17
    Permalink

    Na minha opinião Bolsonaro é um sociopata e não psicopata. Ciro não passa de um indivíduo temperamental, muito inteligente, QI alto, mas muito grosseiro, temperamental. Lula é vaidoso, inteligente mas é concentrador, um senhor de 74 anos que deveria vir à público agradecer o apoio recebido nacional e internacionalmente e humildemente dizer que a esquerda precisa formar novas lideranças capazes de trabalhar em prol da justiça social, da democracia, das liberdades civis, dos direitos sociais, políticos e econômicos, pela educação, saúde e segurança. Há quadros: Freixo, Sâmia, Tábata, Dino, Requião Filho… Lula tem que abrir espaço para uma atuação mais efetiva de jovens com vontade de mudar, de transformar a dura realidade no País.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: