Paulo Guedes: reforma vai tributar rendimentos de capital e dividendos
Paulo Guedes entrega projeto de Reforma ao presidente da Câmara Arthur Lira – foto Paulo Valadares

Da Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse hoje (25), em Brasília,  que a reforma tributária planejada pelo governo vai tributar os rendimentos de capital e dividendos para reduzir os impostos que incidem sobre os assalariados. 

Durante audiência na Comissão Temporária da Covid-19 do Senado, ele afirmou que o atual sistema tributário é “perverso” e foi construído buscando caminhos “mais fáceis”, em vez de mais justos para a arrecadação.

Antes de participar da audiência, o ministro entregou ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, a proposta da segunda fase da reforma tributária, prevendo que a faixa de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) subirá dos atuais R$ 1,9 mil para R$ 2,5 mil.

“Estamos fazendo a reforma tributária onde vamos reduzir os impostos dos assalariados. Estamos tributando rendimentos de capital porque o Brasil é um país de renda média baixa, e os impostos estavam concentrados em cima dos assalariados, em vez de tributarmos quem vive de dividendos, que são os rendimentos do capital”, explicou o ministro.

Ele disse que “há uma perversão em nosso sistema tributário, que é muito complexo e foi dirigido por uma matriz de facilidades de arrecadação da receita, por um lado, e, por outro, por interesses corporativos”.

“Quanto à tributação sobre rendimento de capital, é uma necessidade. Os maiores países do mundo tributam o rendimento de capital e os dividendos. É o caso dos Estados Unidos e Inglaterra, por exemplo. Não tem nada de errado com isso. Estamos eliminando uma perversidade do sistema, porque hoje a gente tributa o trabalhador assalariado porque é fácil”, argumentou.

“Da mesma forma, a gente tributa combustível e eletricidade, porque também é fácil tributar. Só que isso sobe por toda a cadeia produtiva e acaba encarecendo tudo para a população brasileira. Então, a lógica tem de ser favorecer a população e o trabalhador brasileiro. A lógica não pode ser baseada em onde é que é fácil arrecadar e que interesses se pode favorecer com isenções. Se o Brasil crescer mais rápido, tributando dividendos, não tem problema porque os mercados já sabem que vem a tributação sobre dividendos, com uma alíquota de 20%.”, acrescentou.

Tributação de dividendos

O ministro da Economia ponderou que o governo terá um cuidado especial para que a tributação de dividendos não prejudique os profissionais autônomos que recebem dividendos por meio da pejotização – situação na qual a relação de emprego é substituída pela prestação de serviços via pessoas jurídicas (PJ). “Estamos atentos para proteger essas pessoas. O inadmissível é que, em grandes empresas, bilionários paguem 0% sobre dividendos”.

A expectativa apresentada por Paulo Guedes é a de, no futuro, a Receita fazer uso de tecnologias que possibilitem unificar diferentes fontes de renda. É o caso de contribuintes que, conforme exemplo apresentado pelo ministro, têm seus rendimentos obtidos um pouco com aluguéis de imóveis, um pouco com bolsa de valores, um pouco com dividendos.

“Dessa forma vamos unificar tudo e entrar no progressivo. A reforma é uma abertura de porta nessa direção. Estamos sinalizando que as empresas vão pagar menos. As pessoas físicas que vivem de rendimento de capital, ou seja, quem realmente é rico no país ou é classe média alta, tem de começar a pagar. E estamos desonerando os assalariados que ganham R$ 1 mil, R$ 9 mil e já estão pagando imposto, enquanto quem é bilionário paga zero nos dividendos. Isso é um absurdo. Estamos sinalizando que a música vai mudar e iremos agora em outra direção”, finalizou o ministro.

Leia Também

Prefeito se envolve em acidente em Guaratuba e ameaça policiais

de O Gazeteiro O prefeito de Quedas do Iguaçu, Élcio Jaime da Luz (PSD). se...

Moro e a vala comum dos políticos que pulam de partido

Pois é, se a conversa se confirmar Sérgio Moro, definitivamente, poderá ser chamado de político...

Em segundo turno, vereadores aprovam subsídio para o Transporte Coletivo de Londrina

Tramitando em regime de urgência, projeto de lei segue para sanção do prefeito Na noite...

Comente!

guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Luiz Flávio
Luiz Flávio
6 meses atrás

O Paraná é o Estado com maior índice se infecção, ontem estava 1.3, agora no jornal das19h, informaram que subiu para 1,43. O glorioso Governo do Paraná não vai tomar nenhuma atitude? Será por medo do BOLSOMORTE Ratinho??

Satanás
Satanás
6 meses atrás

O governo quer tributar rendimentos de capital e dividendos, arrecadar mais na hora da declaração do Imposto de Renda de quem ganha um pouquinho a mais de R$ 3 mil… Em breve teremos gente com saudades da CPMF, aposto. Quá! Quá! Quá!

Buscar

Apoie o Blog

Paçoca TV

Herança Digital. Quem tem direito a ficar com seus seguidores e seus conteúdos na internet?
Herança Digital. Quem tem direito a ficar com seus seguidores e seus conteúdos na internet?
20:40

Paçocast

Enquetes

Nenhuma enquete aqui no momento, mas fique atento! Em breve novas enquetes no Paçoca com Cebola!
Barra Lateral 01
Barra Lateral 02
Barra Lateral 03
Barra Lateral 04