Taxa do desemprego continua acima de 11%

A taxa de desocupação no país fechou o trimestre encerrado em novembro em 11,2%, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo, divulgado hoje (27), considera desocupadas as pessoas que estão sem emprego, mas que buscaram efetivamente um trabalho nos 30 dias anteriores à coleta dos dados. O levantamento aponta que 11,9 milhões de pessoas compõem a população desocupada.

Segundo o IBGE, a taxa de desocupação caiu 0,7 ponto percentual no trimestre de junho a agosto, que ficou em 11,8% e foi inferior 0,4 ponto percentual em relação ao mesmo trimestre de 2018, de 11,6%.

A população desempregada teve redução em ambas as comparações, de menos 5,6%, ou 702 mil pessoas a menos, em relação ao trimestre de junho a agosto, e de menos 2,5%, 300 mil pessoas a menos, em relação ao mesmo trimestre de 2018.

Em relação à população ocupada, o levantamento mostra que são 94,4 milhões, novo recorde da série histórica iniciada em 2012. A população ocupada cresceu 0,8%, com mais 785 mil pessoas trabalhando em relação ao trimestre anterior e 1,6%, mais 1,5 milhão de pessoas, em relação ao mesmo trimestre de 2018.

“Em termos de ocupação, a gente tem o ano de 2019 com crescimentos sucessivos da população ocupada. Em novembro, a gente chega a 94,4 milhões de pessoas ocupadas com várias atividades absorvendo trabalhadores, como indústria, comércio, serviços. Isso é bastante positivo”, disse a gerente da Pesquisa Adriana Beringuy.

Carteira assinada

O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado, sem incluir trabalhadores domésticos, chegou a 33,4 milhões, crescimento de 1,1%, ou seja, mais 378 mil pessoas com carteira assinada em relação ao trimestre anterior e 1,6%, mais 516 mil pessoas, ante o mesmo trimestre de 2018. A categoria dos empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado, de 11,8 milhões de pessoas, ficou estatisticamente estável em ambas as comparações.

Segundo Adriana Beringuy, o aumento dos trabalhadores com carteira assinada foi impulsionado pelas contratações no comércio. “O comércio teve uma contratação importante no trimestre que se encerrou em novembro. Esta é uma época em que esse setor costuma contratar mais em virtude das datas festivas”.

De acordo com o IBGE, “o número de trabalhadores por conta própria, novo recorde na série histórica, chegou a 24,6 milhões de pessoas, e cresceu nas duas comparações: 1,2% (mais 303 mil pessoas) frente ao trimestre móvel anterior e 3,6% (mais 861 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2018”.

O rendimento médio real habitual de R$ 2.332 no trimestre terminado em novembro de 2019 não teve variação significativa em nenhuma das comparações.

A pesquisa também indica que 65,1 milhões de pessoas não estão trabalhando, nem procurando trabalho. Esse dado mostra estabilidade tanto em relação ao trimestre de junho a agosto de 2019 quanto em relação ao mesmo trimestre de 2018.

Da Agência Brasil

2 comentários em “Taxa do desemprego continua acima de 11%

  • 29/12/2019, 17:21 em 17:21
    Permalink

    O governo Bolsonaro tentando fazer dos limões uma limonada. Texto cuidadosamente escrito pra não magoar o fuhrer e publicado na Agência Bolsonaro (ou Brasil, tanto faz). E é bom o IBGE não divulgar dados negativos da economia neoliberal da dupla Bolsonaro & Paulo Guedes. Se divulgar, deve ser sem querer já que a dupla Bolsonaro & Paulo Guedes nomeou uma amiga da filha do Paulo Guedes para a presidência do IBGE. Aliás, a presidente do IBGE mantém relações fortíssimas com o partido Republicano do presidente Trump. De agora em diante, como acreditar nas análises de uma entidade controlada por um governo federal comandado por gente que acredita que a terra é plana e o aquecimento global é coisa de comunista?

    Resposta
  • 03/01/2020, 00:13 em 00:13
    Permalink

    Sorte do Bolsonaro que existem motoqueiros e ciclistas no Ubereats e no Ifood, “empreendedores” vendendo pano de prato, balinhas de goma e geladão gourmet e um monte de brasileiros que simplesmente desistiram de procurar emprego. No fossem eles, a taxa de desemprego estaria batendo 25% fácil fácil.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: