A resposta de João Arruda ao “Somos todos otários”

E acabo de receber uma notificação “extrajudicial”  do deputado federal João José de Arruda Junior enviou, através de notificação extrajudicial, a seguinte mensagem por intermédio da advogada Rosicler Rodrigues dos Santos:

Na data de 20 de dezembro de 2015, o Senhor Cláudio Osti, utilizando este meio de comunicação, publicou o artigo intitulado “Acham que somos otários”, de autoria do bloguista Hélio Eduardo Lucas. Ocorre que o mencionado artigo induz o leitor a erro ao afirmar que sou favorável a prorrogação dos contratos de pedágios por mais de 30 anos.

Ao contrário do que alega o autor do artigo, desde o início das discussões sobre a prorrogação dos contratos de pedágio, os quais findarão em 2021, sempre me posicionei contra, ao tempo em que também deixei claro que acompanharia todo o trâmite técnico e jurídico da discussão levada a cabo pelo Governo do Estado do Paraná e Concessionárias, com vistas a proteger o interesse público.

Neste contexto, cabe esclarecer que a entrevista que concedi ao Jornal Gazeta do Povo e que o autor do artigo utiliza, através de pequeno trecho, como base para seu artigo, trata-se de uma opinião acerca da conjuntura econômica pela qual passa o País. Ou seja, quando questionado pela jornalista se eu acreditava na prorrogação do pedágio de fato poderia ocorrer, respondi que sim, pois dada a ausência de repasse de valores para o Estado nos próximos anos, esta seria a única forma que o governo teria para fomentar novos investimentos.

Porém, acreditar que o Governo fará isso ou aquilo, levado por essa ou aquela razão, não me coloca ao lado dele e tampouco me torna apoiador da prorrogação, cuja legalidade, inclusive, eu discordo. Porém, como Coordenador da Bancada do Paraná, é meu dever oportunizar reuniões e fomentar debates.

Como afirma o autor do artigo, sou, sim, genro de Joel Malucelli, suplente do Senador Álvaro Dias, apoiei o Candidato Marcelo Almeida ao Senado nas eleições de 2014, em detrimento da candidatura daquele, e sou sobrinho de Roberto Requião. Porém, tenho minhas próprias convicções, sei no que acredito e sempre me posicionei de forma clara sobre assuntos do brasil e, principalmente, sobre os assuntos de interesse do nosso Estado. Sendo a favor da questão quando esta vier a ajudar o Paraná, e sendo contrário quando a este prejudicar, independente das relações pessoais que eu possa ter.

Defendo toda forma de manifestação, sou a favor do engajamento político e acredito que todos, indistintamente, devem cobrar e se posicionar sobre os seus representantes. Porém, não aceitarei jamais que o façam de forma leviana, com o único objetivo de atacar minha imagem. Estou aberto a discussões reais.

Deixe uma resposta