Ainda sobre a Cohab. Salários generosos

Hoje na Cohab são 23 cargos comissionados.

É isso mesmo que você leu, 23.

O menor salário entre os comissionados é de R$ 2.422,00. O maior, o do presidente, é de R$ 22.123.00.

Apenas duas pessoas recebem menos de R$ 3 mil.

Compartilhe
Leia Também
Comente

Um comentário

  1. Gláucia

    Três coisas precisam acabar:

    -a reeleição ad infinitum de vereadores, deputados estaduais e federais e senadores;

    -a reeleição de presidente, governador e prefeito;

    -os cargos comissionados de agentes políticos e dos órgãos públicos, porque podem também fazer nomeações dessa natureza.

    Reforma administrativa penalizando o servidor público mediano é para enganar a sociedade.

    Os grandes e maiores privilégios estão concentrados nos políticos e servidores públicos alto escalão: juízes, promotores públicos, Polícia Federal, Receitas Federal e Estadual, STF, Polícia Rodoviária, Forças Armadas.

    E, claro, a elite econômica desse País desigual.

    A concentração de renda está nessas categorias.

    1. Paulo Sérgio Marante

      Faltou um coisa, Gláucia: transformar TODOS os servidores e funcionários públicos de carreira em celetistas. Vc vai ver como a produtividade funcional vai aumentar, em benefício da população.

      1. Gláucia

        Paulo Sérgio Marante, servidor público também é trabalhador, prestou concurso público.
        Denegrir a imagem do servidor público é um erro, pois se você foi mal atendido faça sua reclamação, cobre, procure a chefia imediata. Tem também a ouvidoria.
        O debate aqui é sobre a perda da função social da COHAB. Virou órgão de acomodação de apadrinhados políticos.
        Há trabalhadores público ou privado, bem como patrões, que são ótimos no que fazem, assim como há trabalhadores e patrões que não fazem o seu trabalho com competência. O mesmo raciocínio vale para empresas, administração pública, políticos, famílias, amores, vizinhos.
        Procure pensar fora da caixa.

        1. Paulo Sérgio Marante

          O fato de prestar concurso, Gláucia, não dá direito de usurpar o serviço público. O servidor, de um modo geral (a maioria), faz o suficiente apenas pra chegar no final do mês e receber o salário. Servidor (a grande maioria, repito) não tem amor pela profissão que escolhe.

          O sujeito faz concurso público pensando apenas nos benefícios que vêm no contracheque e principalmente na estabilidade do emprego. Não pensa na profissão, não faz para servir o público. Servidor, em tempos de pandemia, não tem salário reduzido (pelo contrário, querem aumento, sempre!) e não são demitidos, como o são aqueles do mundo real da CLT.

          Poucos ganham muito, é verdade, mas TODOS eles têm benesses incomuns, e todos se aposentam cedo.

          Aqui no Brasil, se formos dividir o rombo do INSS por cada um dos celetistas aposentados ou pensionistas, dá um prejuízo de R$ 9 mil para cada um. Se formos dividir o rombo do Regime Próprio de Previdência Social dos servidores da União (incluindo os militares da reserva) pelo número de funcionários públicos beneficiários de todo o país daria R$ 84 mil para cada um. Isto é uma das provas deste erro enorme que se chama “estatutário”. Haja paciência!

          Sei que vc, Gláucia, também é servidor(a), então eu não posso esperar sua compreensão e entendimento. Você não vai, jamais, concordar comigo.

          Estou desabafando porque sou um contribuinte assíduo e honrado do erário público, tenho recolhimento de imposto de renda na fonte e ainda pago a diferença no acerto da Declaração Anual. Pago pedágios e mais pedágios nas rodovias (bitributação, na verdade), impostos como IPTU, IPVA e inúmeros outros recolhimentos, sejam federais, estaduais ou municipais. E tudo pago em dia.

          Pode me chamar de trouxa, sem problemas. Já estou acostumado.

        2. Paulo Sérgio Marante

          PS, não adianta reclamar para a chefia imediata e para a ouvidoria, Gláucia, pois todos têm o mesmo patrão: as tetas do Estado, e os mesmos vícios do setor público: o corporativismo.

          Sobre a Cohab, é verdade: há muitos apadrinhados políticos. E, de fato, ela perdeu sua função social, por isso sou a favor do fechamento “sumário” da empresa.

          Como grande financiador do erário que sou, infelizmente também não posso defender os empregos de servidores e funcionários públicos de carreira da companhia, afinal, se a companhia perdeu sua função social e o objeto de sua existência, logo não há razão de existir apenas pra manter empregos públicos concursados. Era o caso da antiga Sercomtel: por que ficar mantendo servidores públicos lá se a empresa perdeu o monopólio e sua função social?

          Você diz: “Há trabalhadores público ou privado, bem como patrões, que são ótimos no que fazem…” etc etc etc.
          Hahaha!!! Vi que você descobriu o mundo, Gláucia!

          1. Ze

            Grande financiador do erário público kkkkkkkk. Quem lê isso aí pensa que sem os impostos da sua birosca o erário público quebra.

            Confundiu servidores públicos com empregados públicos que sao celetista.

            Os profissionais da saúde que trabalham na linha de frente contra a COVID também mamam na teta do estado igual a turma do mito?

      2. Penso que melhore sim. Servidor Público com direito à FGTS com a previdência unificada ao Regime Geral de Previdência, submetido ao teto da previdência e contribuído como os demais trabalhadores. O que seria prejudicial é o fim da estabilidade, principalmente para cargos em áreas de fiscalização. Vide o exemplo do fiscal do IBAMA que multou o tiranete do Planalto e foi exonerado do cargo de chefia que ocupava. Se fosse celetista sem direito à estabilidade funcional estaria no olho da rua.

      3. Pedro Parana

        Na Cohab são celetista CLT com concurso O que cria o mesmo problema…que chama-se estabilidade.

  2. Gláucia

    Acomodação dos apadrinhados políticos.

    É um abuso com o dinheiro do contribuinte.

    1. José Roberto Cardoso

      Conforme portal da transparência esses sāo os 23 nomeados na Cohab:

      Luiz Candido de Oliveira Presidente
      Edimilson Salles Assessor Diretoria
      Heleno S Rabelo Diretor Técnico
      Ellen Panza Assessora
      Flavia Solci Assessora
      Renata P Rodrigues Assessora
      Andrea N Zanlorenci Assessora
      Celso Santos Contato Assessor
      Leonilda Ap. P. G. Der Assessora
      Charles C Freitas Assessor
      Yann A Spercoski Assessor
      Jose M Medeiros Assessor
      Leonardo P Oliveira Assessor
      Cristiane P Altero Assessora
      Vanderlei Dias Calderon Assessor
      Antonio C Oliveira Assessor
      Jeniffer Kiyomi Doy Assessora
      Katelin C de O Santos Assessora
      Valkiria P Almeida Assessora
      Ariany Cristine Damas Assessora
      Marta Mello Assessora
      Marco A Bacarin Assessor e ex presidente Capsml
      Jose Carlos Bruno Assessor e ex presidente CMTU

      1. Gláucia

        José Roberto Cardoso, tem dois nessa lista que eu conheço. Um é cabo eleitoral do reeleito desde a primeira gestão, irmão de dona do ramo turístico. Tem vereador amarrando com o setor turístico. 👀
        Mas, uma em especial, me chama a atenção. É amiguinha de um vereador bem conhecido nas redes sociais também amigo do Prefeito. Ela é arquiteta, teve uma matéria sobre sua ideia para casa container, parece que fruto de seu TCC. Humm…..virou assessora na COHAB…….fiquemos de olho……daqui a pouco lançam casa container……👀👀👀

        A farra com dinheiro público precisa acabar.

      2. Muda-se a Administração, o chefe do Executivo. Mas alguns continuam firmes nos cargos comissionados, só mudando de setor/empresa pública.

  3. Só No Nosso

    MAs hoje é só no nosso como diria o Datena. AlÕ pés vermelhos maos limpas, por onde anda voces? Opa, comissionaram o pes vermelhos na prefeitura também. Assim até eu…

  4. Roberto Thomé

    Jornalista Cláudio Osti, ex RPC, Ex CNT, Ex Folha de Londrina ( Informe Folha), deixando de lado os Secretários, quantos cargos comissionados existem atualmente na Prefeitura? Solicito como leitor a gebtileza que faça essa pergunta ao Prefeito e publique aqui. Obrigado

    1. Sercomtelão

      Deve ter algum chegado tipo lá na Gestao Publica

  5. Décio Paulino

    Quando a empresa pública não presta os serviços que deve prestar à população, qualquer salário pago aos funcionários é muito alto. Obviamente que esses salários não serão reduzidos. Então o que devemos é cobrar muito trabalho da empresa. Ou será que Londrina não tem mais favelas? Ou não tem moradores pobres habitando casebres ou trocando a comida do dia a dia pelo aluguel que tem que ser pago mês a mês? Se a cidade tivesse um bom prefeito e, principalmente, um prefeito interessado em reduzir o déficit habitacional, com a certeza a Cohab teria muito o que fazer.

  6. Geraldo

    Estas SA”s criadas ao longo do tempo sempre foi por interesse político para acomodar apadrinhados políticos. A COHAB há muito perdeu sua função, pois hoje o crédito imobiliário está disponível em todas as instituições financeiras, inclusive a CAIXA. Há quantos anos a COHAB deixou de construir casas?

  7. Antonio

    No site da transparência não disponibiliza os nomes dos apadrinhados. Por acaso existe algum link com as informações e poderá ser vista pelos seus leitoras?

  8. Luiz Flávio

    A única empresa pública criada pelo executivo que rendeu bons frutos foi a SERCOMREL. Com sua história IMPAR ajudou no desenvolvimento de Londrina, gerou riqueza e se tornou um ícone das Telecomunicações do Brasil. O que Londrina é hoje, deve-se a SERCPMTEL.. infelizmente teve o mesmo destino e foi utilizada politicamente até ser inviabilizada.

  9. Glaucia

    Esse Edmilson Salles é parente da Emília Salles Belinati, Tia do Marcelo Belinati?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar
Anúncios
Paçocast
Anúncios