Amigos do Face… diz a senadora Gleisi Hoffmann

Aos amigos do Face.

“Alguns jornais noticiam hoje que meu nome estaria na lista de pessoas a serem investigadas na Operação Lava Jato. Até o momento não recebi nenhuma informação oficial a respeito.

Espero que todas as informações sejam abertas e que o STF suspenda o chamado sigilo de Justiça. Somente isso pode evitar divulgações e até mesmo investigações seletivas. As investigações devem ser aprofundadas e os envolvidos responsabilizados.

Reafirmo que não conheço e jamais mantive contato com Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef. Reafirmo também que já coloquei a disposição meus sigilos bancário, telefônico e fiscal.

Lamento com profunda tristeza essa situação. O maior patrimônio que tenho, construído ao longo desses anos, é o meu nome e minha trajetória pública em defesa dos direitos das pessoas e de uma sociedade com justiça social. Por isso espero que tudo seja esclarecido o mais rápido possível.”

Gleisi Hoffmann – Senadora do Paraná

Um comentário em “Amigos do Face… diz a senadora Gleisi Hoffmann

  • 05/03/2015, 10:59 em 10:59
    Permalink

    Será que o STF vai liberar tudo? Esperamos que sim. Até porque estou curioso pra saber quem é o tucano da região do doleiro que recebeu uma bolada dele também. Se ele fosse do PT certamente já saberíamos… Última perguntinha: se a senadora paranaense vai ter de responder a inquérito porque foi citada, por que o senador Aécio está livre, pelo menos é o que se diz, do inquérito?

    Resposta
    • 05/03/2015, 14:41 em 14:41
      Permalink

      Tucano na Lava Jato? Isso é dedo do PT ladrão. Querem enlamear os contrários ao PT, mas não vão conseguir. Corja imunda!

      Resposta
      • 05/03/2015, 20:19 em 20:19
        Permalink

        Dona Luciana, quem citou o tucano-mor, Aécio Bafômetro Não Neves, na Lava Jato foi o Youssef. E, se a senhora acredita piamente que tucanos e aliados não se beneficiam de doações feitas por empreiteiras que negociam com governos comandados por tucanos, a senhora deve acreditar em Papai Noel, Saci Pererê e outras divindades. Se a senhora não acredita no que afirmo, vá ler o Estadão de hoje.

        Resposta
  • 05/03/2015, 11:54 em 11:54
    Permalink

    Esta história de Tucano da região envolvido na Lava Jato foi criada para embaçar as informações e jogar todos na vala comum, estratégia muito usada pelo PT a exemplo da desculpa de culpar o FHC por tudo. Neste caso do Petrolão, com a revelação dos mais poderosos nomes da República (do Governo e da oposição), por que iriam esconder o nome de um Tucano pé-vermelho? É pura conversa mole!

    Resposta
    • 05/03/2015, 20:28 em 20:28
      Permalink

      Dos petistas que conheço nenhum diz que a culpa de tudo é o FHC. Eles apenas defendem que a justiça deve investigar os malfeitos na Petrobras independentemente da época. Quem disse que começou a roubar nos tempos de FHC não foi um petista, foi o Barusco. E quem disse que um tucano bem empenado da região de Youssef recebeu uma bolada foi o auxiliar de Youssef na lavagem de dinheiro, o empresário Leonardo Meireles. O pior jeito de combater a corrupção é proteger os amigos corruptos como no ditado “para os amigos tudo, para os inimigos a lei”.

      Resposta
  • 05/03/2015, 11:59 em 11:59
    Permalink

    Sem ter como defender os seus mais poderosos quadros caídos pela flagrante corrupção, os companheiros do PT tentam levantar aquela velha e surrada acusação de que, numa campanha do século passado, Álvaro Dias teria usado avião do doleiro Yousseff. O próprio senador rebateu essa leviandade com a confirmação de que o avião havia sido alugado. Quem eram (ou foram) os parceiros de Yousseff em Londrina? Janene, André Vargas e por aí vai.

    Resposta
  • 05/03/2015, 22:50 em 22:50
    Permalink

    Que ingenuidade achar que a Polícia Federal, Ministério Público e a Justiça Federal vão aliviar para um político, simplesmente porque ele é do PSDB. Essa tese é prá lá de fantasiosa, prá não dizer que é simplesmente ridícula e inconcebível.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: