Belinati pede a benção ao Ministério Público e pode mudar IPTU

E hoje o prefeito de Londrina de Londrina, Marcelo Belinati, foi ao Ministério Público de livre e espontânea vontade, mas com o advogado Marcos Ticianelli à tiracolo. Vai que né!

Então, segundo as partes a conversa girou em torno de três assuntos:

  • o aumento brutal do IPTU em Londrina
  • o IPTU mamão com açúcar que é pago por Belinati e seus vizinhos no condomínio Village Premiun
  • o aumento sem precedentes e sem explicação convincente da taxa do lixo

Depois de muita conversa e tentativas de justificar o injustificável, o promotor Renato de Lima Castro propôs a Belinati a composição de um TAC Termo de Ajustamento de Conduta para que as coisas não piorem. Sempre lembrando que Lima Castro andou dando entrevista dizendo claramente que havia a possibilidade de ação por improbidade administrativa.

Bom, Belinati se comprometeu a criar uma força tarefa pra regularizar a situação do seu condomínio e de vários outros que estão em situação irregular. Ver quem deve o quê, e cobrar inclusive os anos anteriores de mamata.

Puts, mas precisava o MP exigir isso?

Também se comprometeu a conversar com os vereadores e sociedade organizada para rever alguma coisa no IPTU e taxa de lixo. Quem sabe desta vez ele não coloca realmente as coisas em pratos limpos, com números confiáveis e concretos, sem esconder nada. Só para relembrar, no ano passado, quando se tentava descobrir quanto seria o aumento real do IPTU, Belinati e seus assessores jogavam uma intensa cortina de fumaça sobre o tema.  Por mais que se tentasse, era impossível saber realmente quanto seria o aumento.

Foi neste momento que Belinati passou a ser conhecido por Belinóquio, por motivos óbvios.

Com o pedido de benção hoje no MP, quem sabe a transparência volte a ser coisa normal na prefeitura desta cidade de terra vermelha.

 

12 comentários em “Belinati pede a benção ao Ministério Público e pode mudar IPTU

  • 14/02/2018, 21:21 em 21:21
    Permalink

    O Ministério Público já voltou da praia? Que bom… Será que existem membros do MP morando em condomínios bafejados pela sorte de terem IPTU “mamão com açúcar”? Ou será que temos procuradores que não estão nem aí com o aumento do IPTU belinatiano já que recebem auxílio-moradia de quase R$ 5 mil? Queria ser otimista… mas tô achando que esse IPTU sanguinário vai sobrar mesmo é pros moradores do Cincão que tiveram uma valorização de seus imóveis fantástica.

    Resposta
  • 14/02/2018, 21:50 em 21:50
    Permalink

    Acordo pra voltar atrás e arquivar denúncia contra ele? Isso pode Arnaldo?

    Resposta
  • 14/02/2018, 21:52 em 21:52
    Permalink

    Ednei Mainardes denunciou isso hj no face ……” PREFEITURA DERRUBA AS ÁRVORES DO MORINGÃO
    Quando o super Muffato cortou algumas pequenas árvores para adequar o estacionamento de sua loja na JK houve gritaria total, até nomearam o hipermercado como inimigo N1 da natureza em Londrina.
    Ocorre que agora a Prefeitura Municipal, responsável pela administração do Ginásio MORINGÃO erradicou várias árvores de grande porte, que estavam plantadas em frente ao mesmo. Porém agora não vi nenhuma crítica, nenhuma notinha em jornal e nem mesmo um mísero post. Porquê? A prefeitura responsável pelo MAIOR IPTU do estado pode exterminar o verde da cidade? Talvez a idéia dos gênios de nossa prefeitura seja expor à todos a PÉSSIMA conservação que o equipamento público se encontra.”

    Resposta
  • 14/02/2018, 21:52 em 21:52
    Permalink

    Lamentável a postura do MP. Parabéns ao Décio pelo comentário justo.

    Resposta
  • 14/02/2018, 21:56 em 21:56
    Permalink

    Cd vc Regina Amância. Nossa corajosa. É verdade que tinha Araucária? Tem as fotos no Google.

    Resposta
  • 14/02/2018, 22:01 em 22:01
    Permalink

    Uma vergonha,fazer um Tac para prometer o que é obrigação de um homem que foi eleito para cuidar da cidade.Algo me diz que isso nao vai dar em nada.Estou desacreditado na justiça.

    Resposta
  • 14/02/2018, 23:04 em 23:04
    Permalink

    Se o MP fechar esse tal de TAC com o Belinati, que favoreceu a si e à família enquanto ferrava com a cidade, não seria o caso de mover uma ação de improbidade contra o MP?

    Resposta
  • 15/02/2018, 09:22 em 09:22
    Permalink

    Isto está cheirando a pizza de calabresa e a mesma não está fatiada.

    Criar uma força tarefa com os próprios servidores que deram causa a toda essa palhaça ofende a inteligência dos londrinenses. O MP tem vários auditores em seu quadro, no que pese não serem da área tributária, porque não poderiam participar desta força tarefa?

    Agora façamos um exercício de imaginação, isso aí foi o que veio a tona, o que mais tem na Neverland no setor de IPTU da Prefeitura?

    Revisão da planta e da taxa de lixo? Revogação imediata é o mínimo.

    Acontece que a Prefeitura não cogita abrir mau do espólio.

    Está roubando os cidadãos na cara dura e vai lutar para que nade mude.

    Particularmente espero que Prefeito, Secretário de Fazenda, Diretor de Tributos Imobiliários e equipe, respondam civil e criminalmente por seus atos.

    Bem que os vereadores poderiam deixar de ter atuações medíocres e fizessem apenas o seu papel, simples assim.

    Resposta
  • 15/02/2018, 10:27 em 10:27
    Permalink

    Paçoca, esse “VAi QUE NÉ” significa Processo de cassação por Improbidade?

    Resposta
  • 15/02/2018, 10:45 em 10:45
    Permalink

    Se nosso glorioso MP propor isso, realmente vai ficar desacreditado e
    desmoralizado de vez. Ou sera que o promotor queria somente os 15 min de fama?

    Resposta
  • 15/02/2018, 12:35 em 12:35
    Permalink

    Como se vê a maioria dos comentários são zurros e vômitos. Coisa de gente xucra.

    Resposta
  • 15/02/2018, 18:57 em 18:57
    Permalink

    Isso na minha terra tem outro nome> “ACOCHAMBRO” !!! Conserta as cagadas que a gente livra a sua barrra … ! E quanto aos aumentos extorsivos do IPTU para a maioria dos contribuintes, a toque de caixa, na calada da noite e de forma misteriosa, sem nenhuma transparência ?!? Lamentável …

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: