Candidatas negras vitimas de agressão durante a campanha

da Folha

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Marielle Franco identificou que 8 em cada 10 mulheres negras que concorreram às eleições em 2020 sofreram violência virtual, como o recebimento de mensagens machistas e racistas e invasões durante lives das quais participaram.

PERFIL

O estudomostra que 14,6% dos indivíduos identificados como praticantes de violência virtual estão ligados a grupos neonazistas, racistas e antifeministas.

NA PELE

Foram ouvidas 142 mulheres negras de 16 partidos e de 93 municípios de todo o país. Entre as que relataram ter sofrido violência racial, 12,7% receberam ofensas relacionadas ao corpo e 6,3% foram agredidas fisicamente enquanto desenvolviam atividades no período eleitoral.

PRESSÃO

Houve ainda relatos de intimidação pela desistência de candidaturas ou para a concordância com decisões partidárias por 32,9% da respondentes, de candidatas que não receberam nenhum recurso financeiro do partido para a campanha (29,1%) e de assédio sexual nas legendas (2,5%).

RESPALDO

Dirigido pela família da ex-vereadora do PSOL, o Instituto Marielle Franco tem audiência marcada com o ministro e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, nesta quinta para falar de medidas para proteção e garantia do acesso a espaços de poder.

Deixe uma resposta