E enquanto isso…

A licitação para fornecimento de refeições para dois hospitais do Estado em Londrina foi paralisada pelo Tribunal de Contas do Estado (https://bit.ly/2umedj7), por denúncia de uma empresa de Rancharia.
Mas a prefeitura administrada por Marcelo Belinati conseguiu contratar, onze dias depois, a empresa de Cornélio Procópio VAM Refeições e Eventos (https://bit.ly/2pH2uWU – como vai fugir do pedágio mais caro do Brasil em Jataizinho é um mistério!) para fornecer comida à Autarquia Municipal de Saúde com dispensa de licitação por seis meses:

CONTRATO Nº SMGP-138/2018 PROCESSO ADMINISTRATIVO LICITATÓRIO N° PAL/SMGP- 235/2018
DISPENSA Nº DP/SMGP 0060/2018
CONTRATADA:VAM REFEICOES E EVENTOS EIRELI ME.
REPRESENTANTE: Viviani Cristina Cassarotti Berleze
CNPJ:19.657.210/0004-28 PRAZO DE EXECUÇÃO:.O prazo de execução será de 180 (cento e oitenta) dias, contados a partir da data de emissão do primeiro empenho ou Ordem de Serviço.
§1°. A vigência contratual terá início a partir da última assinatura deste Termo e terminará 180 (cento e oitenta) dias após o término do prazo de execução da presente contratação.
VALOR: R$ 601.302,00 (seiscentos e um mil trezentos e dois reais) 
OBJETO: O objeto deste Contrato é a contratação de empresa especializada em fornecimento de alimentação, processada e padronizada, servida individualmente, para pacientes e acompanhantes, em conformidade com as normas vigentes, nos serviços da Autarquia Municipal de Saúde de Londrina. PROCESSO SEI Nº: 19.008.017851/2018-87
DATA DE ASSINATURA: 23/03/2018

4 comentários em “E enquanto isso…

  • 28/03/2018, 21:07 em 21:07
    Permalink

    cade o cavazoti o dom quixote da transparencia em londrina, e so pagar o salario mata fome e tudo e esquecido……

    Resposta
    • 29/03/2018, 11:51 em 11:51
      Permalink

      Observatório Social não urubuserva mais nada?
      É, a bolsa família vale mais.

      Resposta
      • 18/04/2018, 08:45 em 08:45
        Permalink

        Montou filial agora?

        CONTRATO: Nº SMGP- 0266/2017
        PROCESSO ADMINISTRATIVO LICITATÓRIO N° PAL/SMGP- Nº 2375/2017
        MODALIDADE/Nº: Nº DP/SMGP 0283/2017
        CONTRATADA: VAM REFEIÇÕES E EVENTOS LTDA
        REPRESENTANTE: Viviani Cristina Cassarotti Berleze
        CNPJ: 19.657.210/0004-28
        PRAZO DE EXECUÇÃO:. 25/09/2017 à 24/03/2018.
        VALOR: R$ 773.192,40 (setecentos e setenta e três mil cento e noventa e dois reais e quarenta centavos).
        OBJETO: É objeto do presente aditamento a substituição da empresa Matriz CNPJ nº 19.657.210/0001-85 0916743 para a empresa Filial CNPJ 19.657.210/0004-28 documento Sei nº 0914816 .
        Jornal Oficial nº 3502 Pág. 6 Segunda-feira, 16 de abril de 2018
        PROCESSO SEI Nº: 19.008.002365/2018-64
        DATA DE ASSINATURA: 12/04/2018
        O Contrato, na íntegra, disponível no site do Município de Londrina.

        Resposta
  • 15/05/2018, 21:01 em 21:01
    Permalink

    MERENDA, MARMITA, REFEIÇOES COLETIVAS… ETC

    https://contraponto.jor.br/merenda-escolar-era-a-proxima-etapa-da-quadro-negro/

    Não param as revelações escabrosas sobre corrupção no Paraná. A RPCTV mostrou nesta noite (15) que os envolvidos na Operação Quadro Negro pretendiam explorar mais um rentável “mercado”: a merenda escolar. Segundo o delator Eduardo Lopes de Souza, dono da construtora Valor, ele seria encarregado também de negociar com empresas fornecedoras de merenda a geração de “sobras” para abastecer a campanha de reeleição de Beto Richa, em 2014.

    Depois do “sucesso” até então do esquema de desvio de recursos para construção de escolas, o diretor da Educação Maurício Fanini já teria encarregado Eduardo de tocar o novo negócio. Havia apenas uma condição: que Fanini fosse nomeado presidente da Fundepar, o órgão estadual encarregado de gerir a parte física do sistema público de educação e grande comprador e distribuidor das merendas.

    Fanini de fato chegou a ser nomeado para a Fundepar, mas antes que o esquema das merendas fosse iniciado, acabou implodido pelas denúncias dos pagamentos irregulares para construção e reforma de escolas. Fanini foi demitido em seguida e indiciado no inquérito. Tempos depois foi preso e hoje se encontra na PF de Brasília para concluir o processo de delação premiada.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: