Escola de sobrepreço em obras públicas

Quinta-feira, 23 de setembro

Do Angelo Rigon

Os 17,2 quilômetros de extensão do Contorno Norte, em Maringá, foram orçados em 2009 em R$ 142 milhões. Quando foi entregue, o custo já era de R$ 412 milhões. Apresentada como resultado da sociedade Barros-Verri, a obra (acima, admirada pelo ex-presidente Lula, hoje milionário das palestras) virou exemplo de sobrepreço.
Agora, com os novos recursos garantidos pela presidente Dilma Rousseff, a pedido de seu vice-líder, e se não houver novos aditivos no caminho, o contorno que nada contorna custará ao bolso do contribuinte R$ 437,5 milhões.

0 thoughts on “Escola de sobrepreço em obras públicas

  • 28/11/2015, 13:27 em 13:27
    Permalink

    E quem ganhou a obra? CR Almeida que repassou a Sanches Tripoloni.

    Vejam – http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/bernardo-e-gleisi-contestam-uso-de-aviao-de-empreiteira-bwzv1yho9v0b6n6cazo1ontxq

    Na campanha ao Senado em 2010, Gleisi recebeu R$ 510 mil em doações de três sócios da empreiteira – Antonio Sanches, João Sanches Junqueira e Francis­­­co Tripoloni. Ao todo, eles doaram como pessoas físicas R$ 1,29 milhão. Já a Sanches Tripoloni distribuiu, como pessoa jurídica, R$ 4,73 milhões, sendo R$ 2 milhões apenas para a direção nacional do PR, que comandava o Ministério dos Transportes até julho de 2010.
    Procurada para comentar as doações no mês passado, a empresa enviou nota à Gazeta do Povo na qual informou que “sempre acreditou na democracia repre­­­­sen­­­tativa e plural e que todas as contribuições foram devidamente registradas no TSE”.

    http://www.bocamaldita.com/1119782834/ligacoes-de-gleisi-bernardo-e-tripoloni-voltam-a-baila%E2%80%8F/

    Resposta
  • 28/11/2015, 14:32 em 14:32
    Permalink

    Engraçado né,a catedral de Barcelona (445) já está beirando isso para o governo e na hora que somar a parte da Triunfo esses parcos 14 km vai custar mais de 40 milhões de reais o KM.É a forma tucana de roubar e todos parecem anestesiados,nada falam ,dormem e pau no PT.

    Resposta
  • 28/11/2015, 17:21 em 17:21
    Permalink

    nossa alegria logo mais estara completa, lula e cia limitada estão com um pé na cadeia e o coronel de maringa esta rondando o alambrado.

    Resposta
  • 28/11/2015, 18:46 em 18:46
    Permalink

    Alguém conhece alguma obra pública que não foi acusada de sobrepreço? E obra privada? Sim, esse “fenômeno” também acontece no setor privado. Só que ninguém dá bola porque o sobrepreço vai pro preço do produto ou do serviço. Se for prender todo agente público que paga por obra acusada de sobrepreço, vamos ter que começar pelo Beto Richa com a duplicação (sem data pra terminar) mixuruca da PR 445 que já está custando os olhos da cara. O único que não teve problemas com o preço de obras públicas foi FHC porque não construiu nada! E, esperto, FHC criou a CGU no final de seu governo! O problema de FHC foi a roubalheira nas privatizações mas aí já estou fugindo do assunto.

    Resposta
    • 29/11/2015, 16:47 em 16:47
      Permalink

      E eis aqui a prece favorita do PT: “Os outros fizeram merda, nós podemos fazer também”.

      Ou como diria o rechonchudo filho do Sr. Barriga: “Olha ele! Olha ele! Olha ele!”

      Resposta
      • 29/11/2015, 20:13 em 20:13
        Permalink

        Interpretação errada, camarada. Queremos igualdade de tratamento. Rigor na investigação de malfeitos para todos. Desde o julgamento diferenciado do mensalão petista e tucano que não é preciso nenhum super QI para identificar um viés político em algumas instâncias jurídicas e em setores da polícia federal. Quem combate a corrupção de verdade no país, não aceita nichos de corruptos impunes.

        Resposta
  • 28/11/2015, 19:40 em 19:40
    Permalink

    O PP de Londrina Jose janaene e Antônio Belinati juntou-se ao PT de Paulo Bernardo e Gleisi e Alberto Youssef.
    O PP de Maringá Ricardo Barros juntou-se ao PT de Enio Verri.
    Enio Verri chefe de gabinete do Ministro Paulo Bernardo.
    Alberto Youssef era doleiro do luiz Paolichi tesoureiro da prefeitura de Maringa.
    Farinha do mesmo saco.

    Resposta
    • 29/11/2015, 20:25 em 20:25
      Permalink

      Então vamos completar a informação e colocar farinha bicuda e de penas coloridas no saco. O sr. Luiz Antonio Paolicchi foi citado pelo Youssef na CPI da Petrobras. O doleiro disse com todas as letras que ele e Paolicchi bancaram a campanha de Álvaro Dias. Claro que o Paolicchi não entrou com seu próprio dinheiro. E vale lembrar que hoje o PP de Ricardo Barros e Belinati, nestas plagas, está muito longe do PT, está no colinho limpinho do governador tucano.

      Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: