Força Tarefa da Lava Jato desmente Toffoli

do Contraponto

A força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba divulgou na tarde desta quinta-feira (18) nova de esclarecimento na qual nega as suspeitas levantadas pelo presidente do STF de que procuradores tenham vazado para a imprensa o documento constante dos autos que indicavam corresponder a Dias Toffoli o apelido “amigo do amigo do meu pai”.

A Lava Jato anexa à sua nota uma certidão que comprovaria que seus procuradores só acessaram o documento após a publicação da matéria censurada dos sites Antagonista e Crusoé que faziam menção, na delação de Marcelo Odebrecht, à troca de e-mails que citavam o Toffoli como a pessoa designada pelo codinome.

Veja a íntegra da nota:

Diante de especulações que surgiram no noticiário nos últimos dias, levantando suspeitas na tentativa de vincular supostos vazamentos a procuradores que atuam na operação Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (MPF/PR), a força-tarefa vem a público esclarecer que:

1. Certidão com informações extraídas do sistema eprocpela 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, disponível aqui, demonstra que os procuradores da força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (MPF/PR) só acessaram os autos em que foi juntado o documento de que trata a matéria da Revista Crusoé intitulada “O amigo do amigo de meu pai” às 22:04h de 11/04/2019, portanto, após a publicação da notícia sobre o assunto no site da revista e no site O Antagonista. A referida matéria estava disponível, pelo menos, desde às 20:01h de 11/04/2019, conforme pode ser conferido aqui.

2. Portanto, a tentativa leviana de vincular o vazamento a procuradores da FT é apenas mais um esforço para atacar a credibilidade da força-tarefa e da operação, assim como de desviar o foco do conteúdo dos fatos noticiados.

3. Diante do fato de que o documento foi produzido por particular e que a ele potencialmente tiveram acesso várias pessoas, a acusação – infundada, como provado – ignora a participação de outros atores no inquérito. Nesse contexto, a acusação direcionada aos procuradores levanta suspeita sobre a isenção de quem a realiza e sobre a real intenção de quem os persegue.

3 comentários em “Força Tarefa da Lava Jato desmente Toffoli

  • 19/04/2019, 15:05 em 15:05
    Permalink

    O último que acreditou nessa turma comprou bilhete premiado e depois perdeu dinheiro no jogo das tampinhas. Acredita quem quiser.

    Resposta
  • 19/04/2019, 15:32 em 15:32
    Permalink

    Alguém avisa o reverendo Dallagnol que já está tudo tranquilo, já caiu a censura dos sites Antagonista e Crusoé. Os dois sites já podem continuar em sua campanha de soldados do bolsonarismo. A propósito, o guru do Messias & Filhos, o astrólogo Olavo de Carvalho, se refere amorosamente ao site Antagonista como Anta! (Quá, quá, quá! Vai ter gente aqui no blog chateadinho…). E o mestre do presidente da República… das bananas acabou de chamar o Mainardi, o criador do site O Anta, de jornalista de merda. Sacanagem. Esses direitistas não dão nem oportunidade da esquerda criticá-los.

    Resposta
  • 20/04/2019, 10:56 em 10:56
    Permalink

    Se não são os procuradores da lava jato – leia-se Dallagnol e cia. ltda. – que estão fazendo dobradinha com os sites fascitóides, seria então algum juiz ou ex-juiz que teve acesso à delação premiada que fazia referência a um certo amigo do amigo do meu pai?

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: