Gaeco prende vereador suspeito de extorsão

Desde que o parlamento – e isso começa nas Cãmaras de vereadores, passando pelas assembleias legislativas, Câmara Federal e Senado – tornou-se prática o rachid de salários entre os servidores comissionados e os caras que são donos dos cargos.

Volta e meia um escândalo aparece e alguém é preso. Pior é que o povo não aprende.

O Núcleo de Foz do Iguaçu (Oeste paranaense) do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em trabalho conjunto com a 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Marechal Cândido Rondon, prendeu em flagrante, por volta do meio-dia desta segunda feira, 4 de fevereiro, um vereador suspeito dos crimes de extorsão, concussão e tráfico de influência.

A prisão em flagrante se deu no momento em que o vereador acabava de receber metade do salário (cerca de R$ 2 mil) de um servidor comissionado de Marechal Cândido Rondon, que teria sido indicado ao cargo pelo próprio vereador. Segundo as investigações, tal prática vinha ocorrendo desde agosto do ano passado, sendo o pagamento uma exigência do vereador para que o servidor se mantivesse no cargo.

Deixe uma resposta