Já que dizem que tucano não vai preso, ex-presidente do IAP, acusado de irregularidades, vai tentar ser deputado

do Contraponto/Celso Nascimento

No mesmo dia em que um conjunto das mais importantes entidades de defesa do meio ambiente do Paraná recorrem às autoridades para que seja decretada intervenção federal nos órgãos estaduais da área ambiental, o presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Tarcísio Mossato Pinto, deixa o cargo para se candidatar a deputado estadual pelo PSDB.

Juntamente com a secretaria estadual do Meio Ambiente, Instituto das Águas e Instituto de Terras e Cartografia, o IAP é acusado pelas ongs ambientais de agir criminosamente na concessão de licenças ambientais indiscriminadas, destruindo e pondo em risco porções importantes do patrimônio ecológico do Paraná – principalmente por meio de escritórios regionais da instituição.

Em documento divulgado nesta quinta-feira, as entidades defendem que os órgãos ambientais estaduais sofram intervenção federal, por meio da qual o Ibama passaria a administrá-las visando ao saneamento de suas atividades e à responsabilização dos agentes públicos que cometeram irregularidades.

2 comentários em “Já que dizem que tucano não vai preso, ex-presidente do IAP, acusado de irregularidades, vai tentar ser deputado

  • 05/04/2018, 19:29 em 19:29
    Permalink

    Pois é, deu ontem no UOL: “Onze anos após denúncia, julgamento que pode levar (pode levar, quem sabe, talvez…) tucano à cadeia é marcado”. A notícia fala do grão-tucano de priscas eras, Eduardo Azeredo. Para os jovens, melhor explicar que esse aí fazia parte do mensalão tucano. A turma do mensalão petista foi condenada rapidinho e a maioria até já cumpriu pena. Da turma do mensalão tucano até hoje nenhum foi preso. Portanto, o começo do título do post pode ser entendido não como ironia mas como verdade factual.

    Resposta
    • 06/04/2018, 10:22 em 10:22
      Permalink

      Campos, esse tucano já foi condenado em segunda instância mas continua soltinho da silva. Com certeza é beneficiário da mesma benevolência recebida por certo vereador já condenado pela justiça, que nenhum vereador pensa em cassar, embora este não trate da mesma forma outros apenas citados em operação policial.

      Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: