Joaquim Barbosa é o menos rejeitado, por enquanto

da Veja

Entre os presidenciáveis, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa (PSB) é o que apresenta menor rejeição.

Dos entrevistados, 45,5% responderam que não votariam nele, segundo pesquisa exclusiva feita pelo Instituto Paraná. 

Já os políticos mais rejeitados são Fernando Haddad (PT), com 66,1%, seguido por Geraldo Alckmin (PSDB), com 61,3% e Ciro Gomes (PDT), que aparece com 55%.

A pesquisa do Instituto Paraná ouviu, entre os dias 27 de abril e 2 de maio, 871 pessoas, em 137 municípios de 26 unidades da federação, nas cinco regiões do país.

A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança. O levantamento foi registrado no TSE sob o número BR 2853/2018.

Veja os resultados da pesquisa sobre rejeição do Instituto Paraná:

Fernando Haddad (PT) 66,1%

Geraldo Alckmin (PSDB)  61,3%

Ciro Gomes (PDT) 55%

Marina Silva (Rede) 51,5%

Jair Bolsonaro (PSL) 49,6%

Joaquim Barbosa (PSB) – 45,5%

2 comentários em “Joaquim Barbosa é o menos rejeitado, por enquanto

  • 03/05/2018, 19:57 em 19:57
    Permalink

    Que comédia essa Veja é! Só estagiários despolitizados pra levarem a sério o que ela defeca, digo, publica. Desde quando Fernando Haddad (PT) é presidenciável? O candidato do PT é Lula (e quem afirma isso é o PT, não a revistinha que defende as propostas do Temer). E quem está na frente nas pesquisas eleitorais é Lula. Os golpistas tentam alavancar o protetor dos tucanos no Mensalão Mineiro mas não vai colar. Atenção golpistas de Londrina! Rezem pro Moro manter Lula refém. Do contrário vocês não terão a menor chance de eleger seu candidato.

    Resposta
  • 03/05/2018, 21:55 em 21:55
    Permalink

    Joaquim Barbosa tem o pró de ter um perfil bem palatável, por assim dizer: o negro pobre que enfrentou a desigualdade e chegou no topo. Mas ele tem duas questões que dificultam sua viabilidade – os devotos do petismo tem uma certa rusga com ele por ter colocado alguns membros da cúpula do partido na cadeia, e o resto não digeriu bem suas declarações de que o impeachment da Miss Mandioca Sapiens tenha sido um golpe. Se explorados esses dois pontos poderiam prejudicá-lo.

    Haddad perdeu no primeiro turno em casa ano retrasado, muito difícil ir além disso. Ficou bem infame por causa das ciclovias improvisadas e absurdamente caras e ter feito vista grossa para a depredação do patrimônio público, invasões e assentamentos de moradores de rua.

    Alckmin só ganha em SP porque em São Paulo além do PSDB ter pleno apoio da Globo, a população do interior sempre considera as obras de infraestrutura e tem um verdadeiro pavor de petista. Como a alternativa ao PT foi o Alckmin, ele levou. Já no âmbito nacional o Chuchu não vinga, ele simplesmente não ressoa com o público, tem pencha de político velho e sua postura passiva não faz sucesso. O fato de estar capengando em pesquisas mesmo dentro de SP é um indicativo grave.

    Ciro é desnecessário dizer, se concorrer, vai esfarelar rapidinho com uma estratégia simples de seus opositores: mostrar que ele muda de opinião mais rápido do que o Gilmar Mendes. Tem vídeos e áudios dele atacando e defendendo a tudo e a todos. Tem hora que bota banca de fodão, e tem hora que está rasgando seda pro Aécio (“sua candidatura torna a minha desnecessária”) e pra Marina (“ela é grande demais para ser uma vice”). Tem hora que Lula é um merda, e tem hora que vai sequestrar ele se ameaçarem levar ele preso. E por aí vai…

    Marina teve um impulso por causa da morte do Eduardo Paes e só. Mesmo ignorando a história da Rede ser o PT verde, ela simplesmente não tem perfil de protagonista.

    Bolsonaro tem a pencha de racista, machista e preconceituoso em geral, considerando o peso da emoção e pessoalidade na avaliação dos eleitores, somado ao fato inevitável de que ele será massacrado pela mídia, sua rejeição pode subir bastante.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: