Londrina perde mais de 30 mil por dia por não usar gás produzido no aterro sanitário

Até 2030 vários países do mundo pretendem parar de usar combustível com matriz fóssil. E a busca por outras fontes de energia tem provocado uma revolução tecnológica.

Londrina, neste aspecto, ainda está a passos de tartaruga lerda. 

Por exemplo, um especialista em biogás consultado pelo blog garante que a prefeitura joga fora todos os dias cerca de 30 a 40 mil reais. Os aterros sanitários produzem gás. O aterro de Londrina não é diferente, porém  gás produzido não é utilizado, literalmente vai para o espaço.

Ocorre que esse gás, tratado, pode ser usado para o abastecimento de indústrias, veículos, etc.

Quando foi lançado o Superbus em Londrina, projeto do BRT, em 2015 a empresa Scânia trouxe um busão para testes na cidade abastecido com gás.

Várias cidades do Brasil estão implantando o sistema, inclusive pelo óbvio, reduz a poluição, barateia o custo da tarifa de transporte, etc.

Mas, nesta terra vermelha, o assunto é tratado com desdém.

3 comentários em “Londrina perde mais de 30 mil por dia por não usar gás produzido no aterro sanitário

  • 27/07/2019, 22:45 em 22:45
    Permalink

    Isso é verdade.
    Outra fonte de evasão é também preocupante.
    Com o chorume gerado do lixo sendo tratado em Maringá, Londrina paga uma grana alta, ao mesmo tempo em que comprova sua total inabilidade ambiental.
    Tratar o chorume não é nenhum bicho de sete cabeças.
    Poderia ser feito até via convênio com universidades, por exemplo.
    Utilizar o biogás também seria muito bem vindo.
    Já passou da hora de agir com mais consciência!
    E ainda por cima gerando riqueza.

    Resposta
  • 29/07/2019, 15:11 em 15:11
    Permalink

    Primeiro o aterro não foi projetado com tubulaçoes para produção de gas…..ponto.

    Resposta
  • 29/07/2019, 15:19 em 15:19
    Permalink

    E mais o valor estimado para implantar este serviço torna-se inviavel em quase todos os aterros no pais.Peça para o especialista dizer a soma de investimento para este negocio e veja a viabilidade financeira.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: