Megavazamento atinge também prefeitura de Londrina, diz Estadão

do Estadão

A temporada de grandes vazamentos de dados continua a todo vapor. Desta vez, mais de 10 milhões desenhas de e-mails de brasileiros foram expostas na internet em um vazamento global de 3,2 bilhões ocorrido no começo de fevereiro. Entre as credenciais brasileiras estão mais de 70 mil senhas do setor público, como de e-mails da
Câmara dos Deputados, do Supremo Tribunal Federal (STF) e da Petrobrás. Os números foram obtidos por uma análise exclusiva para o Estadão feita pela empresa de cibersegurança Syhunt.
Os dados brasileiros fazem parte de um megavazamento global de senhas ocorrido no começo de fevereiro, que traz 3,28 bilhões de senhas para cerca de 2,18 bilhões de endereços únicos de e-mail. O arquivo de 100GB foi publicado no mesmo fórum onde, em janeiro, hackers colocaram à venda bases de dados que comprometeram 223 milhões de CPFs, 40 milhões de CNPJs e 104 milhões de registros de veículos.
Inicialmente, as bases de senhas foram postadas em 2 de fevereiro. Após a publicação original ter sido removida, os arquivos foram repostados em 17 de fevereiro. Ao contrário do megavazamento de janeiro, no qual as informações de brasileiros estavam à venda, o vazamento de senhas foi disponibilizado integralmente no fórum de forma gratuita — elas podem ser baixadas por qualquer pessoa. Essa foi a base analisada pela Syhunt, o que permite pela primeira vez ter uma noção de como os brasileiros foram afetados.
O hacker que postou os dados chama o arquivo de “Comb”, uma sigla para “compilation of many breaches”(em tradução livre, a compilação de muitas violações) — é uma indicação de que as informações têm origens distintas, agregando diferentes vazamentos. O novo vazamento quase dobrou as informações de uma megacompilação de 2017, que tinha 1,4 bilhão de senhas. É possível que a compilação atual traga os mesmos arquivos vazados há quatro anos. Não é possível saber, porém, se existe alguma ligação entre os hackers por trás do vazamento de janeiro de dados brasileiros e o vazamento global de senhas.
Entre as informações de brasileiros, existem pelo menos 10 milhões de senhas. Esse é o número de credenciais referente apenas a e-mails do domínio “.br” — cerca de 26 milhões de domínios em todo o mundo foram afetados. Isso significa que o número de brasileiros atingidos pode ser muito maior. A análise não incluiu serviços de e-mail muito populares por aqui, como Gmail e Hotmail, pois eles estão no domínio“.com”.
A base de arquivos é organizada e permite uma busca simples de endereços de e-mail para verificar quais as senhas vazadas. Embora o vazamento de janeiro tenha muito mais informações sobre brasileiros, o novo vazamento também traz riscos importantes para a nossa segurança digital. “No vazamento de janeiro, havia milhões de e-mails. Essas informações podem ser cruzadas com a base de senhas e permitir acesso dos criminosos”, explica Felipe Daragon, fundador da Syhunt. No megavazamento de dados de janeiro, o criminoso colocou à venda e-mails de 77,8 milhões de pessoas e de 15,8 milhões de empresas.
Além disso, diversos e-mails tiveram mais de uma senha vazada, o que permite identificar o padrão de criação de senhas. Mais ainda: com o padrão de criação de senhas em mãos, é possível até mesmo tentar prever futuras novas senhas criadas para os endereços. No vazamento, muitos endereços tiveram entre três e30 senhas associadas a eles. “Mesmo que essas senhas sejam antigas, elas dão uma boa perspectiva sobre como o usuário se comporta em relação à suas senhas”, diz Daragon.

O megaegavazamento global que expôs mais de 10 milhões de senhas de e-mails brasileiros
https://link.estadao.com.br/noticias/cultura-digital,megavazamento-global-expoe-mais-de-10-milhoes-de-senhas-de-brasileiros,70003636426 4/6, também atingiu prefeituras, inclusive a de Londrina.
Sobre o que a administração pública pode fazer, Assolini considera ideal que os responsáveis pela segurança digital acessem bases de dados para tentar identificar os endereços envolvidos. “Uma vez feito isso, é preciso resetar as senhas e avisar o funcionário envolvido”, diz ele. Daragon faz outra recomendação: “Os governos devem buscar ampliar o uso de múltiplos fatores de autenticação para se proteger e usar criptografia atualizada.”
Segundo ele, empresas como Google, LinkedIn e outras estão realizando esforços a fim de bloquear o uso das senhas vazadas. “Os governos devem estar atentos e buscar colocar em prática esforços complementares”, diz.

Os 200 principais domínio “gov.br” com senhas vazadas
Abaixo os domínios da administração pública mais afetados identificados na análise feita pela Syhunt emparceria com o
Estadão
.
fatec.sp.gov.br, caixa.gov.br, see.sp.gov.br, macae.rj.gov.br, camara.gov.br, policiamilitar.sp.gov.br,previdencia.gov.br, bcb.gov.br, etec.sp.gov.br, pbh.gov.br, prefeitura.sp.gov.br, escola.ce.gov.br, seed.pr.gov.br,tj.rs.gov.br, polmil.sp.gov.br, brigadamilitar.rs.gov.br, agricultura.gov.br, dpf.gov.br, chesf.gov.br,fazenda.sp.gov.br, senado.gov.br, infraero.gov.br, receita.fazenda.gov.br, pmm.am.gov.br, saude.gov.br,agu.gov.br, bnb.gov.br, eletronuclear.gov.br, serpro.gov.br, professor.sp.gov.br, planalto.gov.br, ibge.gov.br,eln.gov.br, sed.sc.gov.br, seduc.am.gov.br, sp.gov.br, tcu.gov.br, bndes.gov.br, anvisa.gov.br, eletronorte.gov.br,emater.mg.gov.br, dprf.gov.br, mte.gov.br, mec.gov.br, educacao.sp.gov.br, seduc.mt.gov.br, sefaz.ba.gov.br,rn.gov.br, ac.gov.br, cptm.sp.gov.br, eletrosul.gov.br, itaipu.gov.br, sed.ms.gov.br, sefaz.go.gov.br,santoandre.sp.gov.br, educacao.rj.gov.br, saude.sp.gov.br, pcrj.rj.gov.br, mj.gov.br, santos.sp.gov.br,prof.educacao.rj.gov.br, fazenda.gov.br, anatel.gov.br, sefaz.rs.gov.br,, finep.gov.br, planejamento.gov.br,tj.sp.gov.br, butantan.gov.br, tce.sp.gov.br, almg.gov.br, meioambiente.mg.gov.br, recife.pe.gov.br, conab.gov.br,epagri.sc.gov.br, rio.rj.gov.br, inca.gov.br, pr.gov.br, sjp.pr.gov.br, trf1.gov.br, bauru.sp.gov.br, aracaju.se.gov.br,ipea.gov.br, ans.gov.br, seduc.go.gov.br, cprm.gov.br, tj.sc.gov.br, itamaraty.gov.br, anac.gov.br, inmetro.gov.br,mp.rs.gov.br, mds.gov.br, sms.curitiba.pr.gov.br, incra.gov.br, suframa.gov.br, inpi.gov.br,centropaulasouza.sp.gov.br, funasa.gov.br, jundiai.sp.gov.br, inpa.gov.br, ibama.gov.br, stj.gov.br, mme.gov.br,desenvolvimento.gov.br, jfrs.gov.br, cnen.gov.br, sefaz.sc.gov.br, fundacentro.gov.br, educacao.mg.gov.br,fnde.gov.br, saude.es.gov.br, blumenau.sc.gov.br, tjdf.gov.br, mda.gov.br, cidasc.sc.gov.br, pc.sc.gov.br,sefaz.ce.gov.br, celepar.pr.gov.br, transportes.gov.br, educ.al.gov.br, int.gov.br, pmdf.df.gov.br,procergs.rs.gov.br, campinas.sp.gov.br, mma.gov.br, sme.curitiba.pr.gov.br, salvador.ba.gov.br, caxias.rs.gov.br,mre.gov.br, educacao.pe.gov.br, fas.curitiba.pr.gov.br, edunet.sp.gov.br, amazonasenergia.gov.br,guarulhos.sp.gov.br, prodemge.gov.br, tse.gov.br, iac.sp.gov.br, seduc.ce.gov.br, novohamburgo.rs.gov.br,sjc.sp.gov.br, cetesbnet.sp.gov.br, saude.rj.gov.br, tce.rj.gov.br, prodam.sp.gov.br, tce.pe.gov.br, inss.gov.br,inb.gov.br, saobernardo.sp.gov.br, funed.mg.gov.br, sefaz.pe.gov.br, joinville.sc.gov.br, esporte.gov.br,mdic.gov.br, sefa.pr.gov.br, funai.gov.br, fde.sp.gov.br, londrina.pr.gov.br, dnpm.gov.br, planejamento.mg.gov.br,cidades.gov.br, cvm.gov.br, saocaetanodosul.sp.gov.br, barueri.sp.gov.br, inep.gov.br, saude.rs.gov.br,fazenda.mg.gov.br mct.gov.br, saude.sc.gov.br, seed.se.gov.br, cti.gov.br, anp.gov.br, caesb.df.gov.br,sorocaba.sp.gov.br, saude.ce.gov.br, cohapar.pr.gov.br, piracicaba.sp.gov.br, codevasf.gov.br, jbrj.gov.br,acessaescola.sp.gov.br, tst.gov.br, emater.pr.gov.br, cultura.gov.br, mp.sc.gov.br, into.saude.gov.br,receita.pb.gov.br, mp.mg.gov.br, pm.pr.gov.br, igp.rs.gov.br, botucatu.sp.gov.br, urbs.curitiba.pr.gov.br,trf3.gov.br, cati.sp.gov.br, iphan.gov.br, turismo.gov.br, pgr.mpf.gov.br, antt.gov.br, mp.ba.gov.br,fazenda.ms.gov.br, defesasocial.mg.gov.br, tce.rs.gov.br, epe.gov.br

Deixe uma resposta