O Marco Zero e o futuro

Manifesto à sociedade londrinense

Ao comemorar 80 anos, Londrina ganhou de presente uma ótima notícia: segundo o IBGE, a cidade teve o maior crescimento no Sul do País em 2012, saltando 10 posições do ranking nacional do PIB. Cada vez mais, Londrina luta para superar dificuldades e se consolidar como um bom lugar para investir.

Há oito décadas, quando os primeiros colonizadores chegaram ao local hoje conhecido como Marco Zero, traziam o sonho generoso de criar uma bela cidade. Eles acreditavam no futuro deste lugar.

Muito tempo depois, em 2006, um grupo de investidores decidiu realizar naquele mesmo local histórico um ousado empreendimento, o Complexo Marco Zero. E o sonho foi realizado – porque eles também acreditaram no futuro.

Meses atrás, quando o Complexo Marco Zero já se encontrava em pleno funcionamento, trazendo grandes benefícios para Londrina, foi criada uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara de Vereadores para apurar concessões de alvará e habite-se. No entanto, a CEI fugiu ao seu objeto oficial e passou a investigar o empreendimento Marco Zero.  Todos os órgãos públicos responsáveis – Ippul, Secretaria de Obras, entre outros – apresentaram posições favoráveis à regularidade das obras. Mesmo assim, ao final dos trabalhos da CEI, divulgou-se um relatório com dúvidas à legalidade do empreendimento.
As entidades da sociedade civil londrinense, preocupadas em esclarecer o assunto, decidiram então pedir um parecer técnico sobre o empreendimento ao CEAL (Clube de Engenharia e Arquitetura de Londrina), instituição profissional com mais de 60 anos de tradição e credibilidade em nosso município.

O parecer do CEAL – que já se encontra disponível para consulta pública no site ceal-londrina.com.br  – é bastante objetivo e conclusivo. Segundo o órgão, os empreendedores do Complexo Marco Zero cumpriram rigorosamente todas as exigências feitas pelos agentes públicos, ainda que a Prefeitura tenha exigido doações e benfeitorias acima do que é determinado por lei.

Além de não ter causado nenhum dano ao patrimônio público, o empreendimento resultou em grandes benefícios econômicos e sociais, como geração de empregos, movimentação do comércio, valorização imobiliária do entorno e implantação de infraestrutura urbana.

Para ficar apenas em um exemplo: a construção de um complexo sistema de galerias pluviais, sem um centavo do poder público, significou o fim das enchentes e alagamentos em nove bairros da zona leste.

Mais do que um simples empreendimento imobiliário, o Complexo Marco Zero significou o renascimento econômico, social e ambiental de toda uma região da cidade – justamente o lugar em que Londrina nasceu e que, após o fim das atividades do grupo Anderson Clayton, ficara esquecido. Nos próximos rankings sobre desenvolvimento, o Marco Zero certamente contribuirá para a elevação do nome de Londrina.

As entidades londrinenses respeitam o trabalho do Poder Legislativo, mas ressaltam que é necessário tomar cuidado para que a segurança jurídica e o ambiente de investimentos não sejam prejudicados. Não aceitaremos que novas muralhas sejam erguidas em nossa cidade. Se você deseja investir em Londrina dentro da legalidade, como fizeram os empreendedores do Marco Zero, terá sempre o apoio das instituições representativas.

Por isso, manifestamos nossa indignação àqueles que tentam dificultar empreendimentos como o Complexo Marco Zero. Fazemos isso em nome dos pioneiros do passado e dos construtores do futuro.

ACIL – Associação Comercial e Industrial de Londrina
FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná
Secovi Londrina – Sindicato da Habitação e Condomínios
Sincoval – Sindicato do Comércio Varejista de Londrina
Sindimetal – Sindicato das Indústrias Metalúrgicas de Londrina
Sinduscon Norte – Sindicato da Construção Civil do Norte do Paraná
SRP – Sociedade Rural do Paraná

Um comentário em “O Marco Zero e o futuro

  • 18/12/2014, 11:15 em 11:15
    Permalink

    Senhores:

    E como esta a situação entre prefeitura e o Sr Raul Fulgêncio quanto ao terreno do marco zero??????

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: