São Jerônimo da Serra é a obrigada a pagar piso nacional dos professores

do TCE

A Prefeitura de São Jerônimo da Serra (Norte Pioneiro) está obrigada a pagar o piso nacional do magistério aos professores municipais. A determinação do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) deverá ser cumprida em até 60 dias a partir do trânsito em julgado de processo de Tomada de Contas Extraordinária, que comprovou o descumprimento da Lei Federal nº 11.738/2008, que fixa o piso nacional do magistério. Cabe recurso da decisão.

A Coordenadoria de Acompanhamento de Atos de Gestão apontou que, em janeiro do ano passado, 15 professores de São Jerônimo da Serra recebiam remuneração abaixo do piso nacional, então estabelecido em R$ 2.886,24 para uma jornada de 40 horas. A CAGE é a unidade técnica do Tribunal encarregada da fiscalização preventiva e concomitante dos atos praticados pelos administradores municipais do Paraná.

A partir da constatação da irregularidade, o Tribunal instaurou a Tomada de Contas Extraordinária, julgada procedente pela Segunda Câmara, em 2 de junho, na sessão virtual nº 7/21. Para cumprir a ordem de elevar a remuneração dos professores, o TCE-PR determinou que o município reduza, ao menos no mesmo valor, outra despesa com pessoal, de modo que não se eleve o percentual total desses gastos em relação à receita corrente líquida (RCL).

Na defesa, o então prefeito de São Jerônimo da Serra, Sydnei Navarro Júnior (gestão 2017-2020) , informou que a situação irregular ocorre desde 2014 e justificou que não promoveu a revisão anual dos salários dos professores porque a despesa com pessoal do município ultrapassava o limite de 54% da RCL, fixado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101/2000). Também argumentou que não poderia fazer essa correção durante o período da eleição municipal de 2020, devido às vedações da Lei nº 9.504/97.

Ao analisar os argumentos da defesa, o relator do processo, conselheiro Nestor Baptista esclareceu que o pagamento do piso nacional do magistério é uma determinação legal e que a Lei Eleitoral não veda revisão salarial que não exceda à recomposição da perda do poder aquisitivo. Ele citou o recente Acórdão nº 1011/21, do Tribunal Pleno, por meio do qual o TCE-PR considerou que os municípios devem promover reajustes para adequar a remuneração dos professores da educação básica mesmo que estejam acima do limite de despesas com pessoal.

Aprovado por unanimidade, o voto do relator seguiu a instrução da CAGE e o parecer do Ministério Público de Contas (MPC-PR). Cabe recurso contra o Acórdão nº 1200/21 – Segunda Câmara, veiculado em 11 de junho, na edição nº 2.557 do Diário Eletrônico do TCE-PR (DETC).

 

Leia Também

Cidades com arrecadação proporcional baixa de ICMS esfolam no IPTU

A mágica não existe, cidades com boa arrecadação de ICMS não esfola o contribuinte com...

Em segundo turno, vereadores aprovam subsídio para o Transporte Coletivo de Londrina

Tramitando em regime de urgência, projeto de lei segue para sanção do prefeito Na noite...

Disparada da energia elétrica compromete renda dos mais pobres

Pesquisa do Ipec para o iCS (Instituto Clima e Sociedade) mostra que 22% dos brasileiros,...

Comente!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Buscar

Apoie o Blog

Paçoca TV

Herança Digital. Quem tem direito a ficar com seus seguidores e seus conteúdos na internet?
Herança Digital. Quem tem direito a ficar com seus seguidores e seus conteúdos na internet?
20:40

Paçocast

Enquetes

Nenhuma enquete aqui no momento, mas fique atento! Em breve novas enquetes no Paçoca com Cebola!
Barra Lateral 01
Barra Lateral 02
Barra Lateral 03
Barra Lateral 04