Secretária-bomba

da IstoÉ

A delação premiada de Vanessa Ribeiro, secretária de Benedito de Oliveira, o Bené, traz os detalhes operacionais que completam os depoimentos do empresário, operador do governador mineiro Fernando Pimentel (PT). Um exemplo são quatro notas fiscais fraudulentas apresentadas por Vanessa à Propeg em 2010. O valor total somava R$ 975 mil, que serviriam de propina ao PP. Antes, ela descontava 20% do valor da nota. “A maior parte do valor remanescente era sacado, pela colaboradora, em dinheiro, no Banco do Brasil, e entregue para Benedito”, diz a delação. Bené lhe pedia que mantivesse uma planilha dos valores recebidos pela Propeg de contrato com o Ministério das Cidades, para calcular a propina, e dizia que “esse controle era para apresentar ao partido.”

Esplanada fitness

Os ministros da Educação e da Saúde conversam sobre um plano para a promoção da saúde nas escolas. Uma ideia é aplicar a biometria universal para identificar potenciais atletas e combater a obesidade infantil. Para inspirar seus servidores, Ricardo Barros, titular da Saúde, quer levar o educador físico Marcio Atalla para uma palestra.

Deixe uma resposta