Senadores vão pedir apoio a Dilma para novas eleições

Um grupo de senadores irá levar uma carta a presidente Dilma Rousseff, pedindo que ela apoie novas eleições. No caso, a proposta seria realizar novas eleições presidenciais, para um mandato tampão de dois anos. A proposta de emenda à Constituição (PEC) propõe novas eleições ainda neste ano, em outubro. No mesmo período em que ocorreria as eleições municipais. A posse presidencial seria no ano que vem em janeiro e o período do mandato em 2018.

4 comentários em “Senadores vão pedir apoio a Dilma para novas eleições

  • 28/04/2016, 15:03 em 15:03
    Permalink

    O ministro Gilmar Mendes, presidente eleito do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), rechaçou na quarta-feira (27), em evento para celebrar a adesão do Brasil ao Instituto para a Democracia e Assistência Eleitoral, a possibilidade de convocação de eleições gerais antes de 2018.

    A estratégia é defendida pelo PT e por integrantes do governo da presidente Dilma Rousseff caso o Congresso aprove o impeachment contra a petista.

    Para o ministro, a proposta é inviável porque nem a presidente tem apoio para aprovar a medida no Congresso nem o tribunal dispõe de tempo hábil para cumprir os prazos eleitorais.

    “Essa não é uma ideia séria. Do ponto de vista jurídico, há uma série de etapas que precisam ser cumpridas. Do ponto de vista procedimental, seria praticamente impossível conseguir colocá-la em prática diante das dificuldades que é se fazer uma eleição no Brasil. Do ponto de vista político, seria praticamente impossível”, argumentou.

    Resposta
  • 28/04/2016, 17:16 em 17:16
    Permalink

    Tem gente que é mal informada ou que divulga fatos inverídicos por má-fé. A afirmação de que a antecipação de eleições para presidente e vice-presidente é defendida pelo PT não corresponde totalmente verdadeira. O próprio post diz que senadores vão pedir o apoio da presidente para novas eleições. Quem está encaminhando a PEC, que vai permitir antecipação de eleições ao contrário do que diz o boquirroto ministro tucano, são seis senadores e apenas um é do PT. Há muita gente que prefere novas eleições a ter um golpista e um propineiro evangélico na presidência. Pelo menos o voto do povo deve valer mais do que os votos dos parlamentares que se mancomunaram com um traidor.

    Resposta
  • 29/04/2016, 04:29 em 04:29
    Permalink

    otardo, vc é um petista mal informado.

    Gil Alessi do EL PAis.

    São Paulo – 21 ABR 2016 – 18:16 CEST

    Petistas e parlamentares da oposição querem a convocação eleições antecipadas caso o impedimento de Dilma Rousseff seja aprovado no Congresso. A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) encaminhada por um grupos de seis senadores que une PT, PPS, Rede e PSB, foi protocolada na noite de terça-feira, e já pode começar a tramitar. Ela prevê que o pleito marcado para 2018 se realize ainda este ano, concomitantemente com as eleições municipais, em outubro. Presidente e vice eleitos ficariam no cargo até o final de 2018 – mandado de dois anos contados à partir de 1º de janeiro de 2017. A justificativa seria a falta de legitimidade do vice para assumir a presidência sem ter sido eleito diretamente para isso.

    Resposta
  • 29/04/2016, 11:11 em 11:11
    Permalink

    Com todo respeito, sr. Alberto, não sou mal informado, sei ler e analisar as notícias e afirmo que as declarações do ministro boquirroto do STF são versões distorcidas da realidade. O que o PT hoje defende é o mandato da presidente Dilma. Ela foi eleita com 54 milhões de votos e o partido, como o ex-presidente Lula, defende que o resultado eleitoral deve ser respeitado. A proposta de antecipação de eleições é SUPRAPARTIDÁRIA. Se o senhor ler com atenção a notícia que postou, verá que um dos senadores que assina a PEC é do PPS, partido que é carne e unha com o PSDB e o DEM). A verdade é que muitos políticos preferem um novo presidente eleito pelo povo do que um eleito pelo “sindicato de ladrões”, conforme afirma com propriedade o ex-governador Ciro Gomes.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: