Porque não os filantrópicos do Norte do Paraná?

A senadora Gleisi Hoffmann que foi secretária de Gestão da prefeitura de Londrina na gestão de Nedson Micheletti, ao lado de seu marido na secretaria de Finanças, não destinou no orçamento de 2015 nenhuma emenda parlamentar para hospitais filantrópicos daqui ou da região. Quem analisa as emendas encontra para Sarandi, Cianorte, Ponta Grossa, Curitiba, Umuarama, menos para o norte do Paraná.

Magoou senadora com a baixa votação aqui?

, , , ,

Pedágio vai subir na próxima sexta

Novo presente de Natal para os paranaenses. O pedágio vai subir em 8,24%, nas praças de Jacarezinho, Sertaneja e Jataizinho. Os novos valores passam a ser cobrados a partir desta sexta. O aumento foi autorizado pelo Departamento de Estradas e Rodagens do Paraná. A concessionária Econorte diz que o aumento é devido ao desequilíbrio de contrato desde 2002.

Novas tarifas

Jacarezinho: R$ 14,80

Sertaneja: R$ 13,90

Jataizinho: R$ 16,10

André Vargas, aguardando o que vem por aí

E ontem à noite o ex-deputado federal André Vargas (sem partido) estava no Shopping Catuai, em Londrina, com a família tomando sorvete, com certeza para esfriar a cabeça e aguardar o que vem por aí.

, ,

No Me Jodas Fidel

- Quando volveremos a hablar con los Estados Unidos, Fidel ? - Quando el papa sea argentino como tu, Che. - Quê ? - Y el presidente americano sea negro, democrata y nobel de la paz. - No me jodas, Fidel !!!

– Quando volveremos a hablar con los Estados Unidos, Fidel ?
– Quando el papa sea argentino como tu, Che.
– Quê ?
– Y el presidente americano sea negro, democrata y Nobel de la paz.
– No me jodas, Fidel !!!

Nas articulações

E o advogado Mauricio Carneiro está na Câmara de Vereadores colaborando com as articulações para a eleição da Mesa Diretiva. Figurinha carimbada nos meios políticos, ele indicou os últimos procuradores da Casa.

Também atua em várias cidades do Paraná. É ele o advogado de defesa do prefeito enroladão de São Jerônimo da Serra, afastado por improbidade administrativa.

Deve mesmo haver bate-chapa na disputa da Câmara de Londrina

12h45 e não há nem sinal de consenso para a escolha do novo presidente da Câmara de Londrina. Mário Takahashi (PV) diz que está na disputa mas afirma que ainda há muito o que conversar e convencer os pares.

José Roque Neto (PR) também colocou seu nome e hoje fez um café da manhã para trocar ideias com os vereadores. “Mas, sabe como é. Você acompanha eleições na Câmara há muito tempo e sabe que até o último minuto tudo pode mudar”, resigna-se Roque Neto. Segundo ele dificilmente haverá consenso e a possibilidade mais óbvia é um bate chapa.

Estão também na parada Vilson Bitencourt (PSL)e Emanoel Gomes (PRB).

Médicos dos hospitais estaduais de Londrina podem entrar em greve

Médicos contratados por empresas terceirizadas e que prestam serviços nos hospitais da Zona Norte e Zona Sul de Londrina ameaçam entrar em greve.

O motivo é o de sempre: atraso nos salários.

Ocorre que o Cismepar ainda não repassou os valores para as empresas que, por sua vez, não conseguem pagar os médicos contratados. Hoje de manhã um grupo conversou com o promotor Paulo Tavares para explicar a situação e pedir apoio.

Amanhã o Cismepar entra em férias coletivas e só retorna no dia 5. Ou seja, depois da volta, com a burocracia normal, só pagaria o que deve depois do dia 10.

 

Distribuição de cargos é o foco da disputa na Câmara

Mais do que o poder em si na Câmara de Vereadores de Londrina, o que pesa na disputa é a distribuição de cargos. É aí que o bicho pega. Oficialmente os discursos dos candidatos são de melhoria da infraestrutura para a Casa, de cobranças mais efetivas ao Executivo, etc, etc.

Porém, nos bastidores fica claro que vencerá quem melhor compor a distribuição de cargos entre os apoiadores desta ou daquela candidatura.

Disputa pela Câmara de Londrina está indefinida

Hoje tem eleição para a mesa diretiva da Câmara de Vereadores de Londrina. A disputa é tão grande que até assessor está querendo colocar seu nome para assumir a presidência da Casa. “É que tem assessor por aqui que quer aparecer muito, mas muito mais que vereador”, diz um dos frequentadores da Casa.

Entre os que foram apeados da disputa está Jamil Janene (PP) devido à posturas que colocam a Câmara na berlinda. Mas permanecem na briga Mário Takahashi (PV), Roque Neto (PR), Vilson Bitencourt (PSL), Emanoel Gomes (PRB) e, correndo por fora Péricles Deliberador.

É quase impossível saber o que vai virar isso tudo porque na Câmara de Londrina, com exceção de Jamil Janene, não dá para saber com clareza quem faz parte da situação e quem é oposição.

Para ficar ainda mais confuso o quadro, são 19 vereadores distribuídos em 16 partidos. As maiores bancadas são do PSDB, PTB e PDT com dois vereadores cada. Ou seja, ninguém tem uma bancada realmente forte para fazer a diferença.

 

TJ-PR julga pedido de anulação do juri que condenou Marcos Prochet

Do Terra de Direitos

Hoje, às 13h30, o Tribunal Justiça do Paraná – TJPR julga o pedido de anulação do júri popular que condenou o ruralista Marcos Prochet a 15 anos e nove meses de prisão, em 2013, pelo assassinato de trabalhador rural sem terra Sebastião Camargo Filho.

A apelação criminal foi proposta pelos advogados de defesa do condenado, e será julgada pela 1ª Câmara Criminal do TJPR. O relator do pedido é o desembargador Campos Marques, e os desembargadores Miguel Kfouri Neto e Macedo Pacheco farão parte da sessão de julgamento. O pedido de anulação do julgamento pode levar à impunidade do autor do réu, já condenado como autor do crime.

Marcos Prochet, ex-presidente da União Democrática Ruralista – UDR, foi o terceiro condenado pelo assassinato do agricultor Sebastião Camargo, ocorrido durante um despejo ilegal, no município de Marilena-PR, em 1998. Apesar da condenação, o ruralista segue em liberdade.

O Marco Zero e o futuro

Manifesto à sociedade londrinense

Ao comemorar 80 anos, Londrina ganhou de presente uma ótima notícia: segundo o IBGE, a cidade teve o maior crescimento no Sul do País em 2012, saltando 10 posições do ranking nacional do PIB. Cada vez mais, Londrina luta para superar dificuldades e se consolidar como um bom lugar para investir.

Há oito décadas, quando os primeiros colonizadores chegaram ao local hoje conhecido como Marco Zero, traziam o sonho generoso de criar uma bela cidade. Eles acreditavam no futuro deste lugar.

Muito tempo depois, em 2006, um grupo de investidores decidiu realizar naquele mesmo local histórico um ousado empreendimento, o Complexo Marco Zero. E o sonho foi realizado – porque eles também acreditaram no futuro.

Meses atrás, quando o Complexo Marco Zero já se encontrava em pleno funcionamento, trazendo grandes benefícios para Londrina, foi criada uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara de Vereadores para apurar concessões de alvará e habite-se. No entanto, a CEI fugiu ao seu objeto oficial e passou a investigar o empreendimento Marco Zero.  Todos os órgãos públicos responsáveis – Ippul, Secretaria de Obras, entre outros – apresentaram posições favoráveis à regularidade das obras. Mesmo assim, ao final dos trabalhos da CEI, divulgou-se um relatório com dúvidas à legalidade do empreendimento.
As entidades da sociedade civil londrinense, preocupadas em esclarecer o assunto, decidiram então pedir um parecer técnico sobre o empreendimento ao CEAL (Clube de Engenharia e Arquitetura de Londrina), instituição profissional com mais de 60 anos de tradição e credibilidade em nosso município.

O parecer do CEAL – que já se encontra disponível para consulta pública no site ceal-londrina.com.br  – é bastante objetivo e conclusivo. Segundo o órgão, os empreendedores do Complexo Marco Zero cumpriram rigorosamente todas as exigências feitas pelos agentes públicos, ainda que a Prefeitura tenha exigido doações e benfeitorias acima do que é determinado por lei.

Além de não ter causado nenhum dano ao patrimônio público, o empreendimento resultou em grandes benefícios econômicos e sociais, como geração de empregos, movimentação do comércio, valorização imobiliária do entorno e implantação de infraestrutura urbana.

Para ficar apenas em um exemplo: a construção de um complexo sistema de galerias pluviais, sem um centavo do poder público, significou o fim das enchentes e alagamentos em nove bairros da zona leste.

Mais do que um simples empreendimento imobiliário, o Complexo Marco Zero significou o renascimento econômico, social e ambiental de toda uma região da cidade – justamente o lugar em que Londrina nasceu e que, após o fim das atividades do grupo Anderson Clayton, ficara esquecido. Nos próximos rankings sobre desenvolvimento, o Marco Zero certamente contribuirá para a elevação do nome de Londrina.

As entidades londrinenses respeitam o trabalho do Poder Legislativo, mas ressaltam que é necessário tomar cuidado para que a segurança jurídica e o ambiente de investimentos não sejam prejudicados. Não aceitaremos que novas muralhas sejam erguidas em nossa cidade. Se você deseja investir em Londrina dentro da legalidade, como fizeram os empreendedores do Marco Zero, terá sempre o apoio das instituições representativas.

Por isso, manifestamos nossa indignação àqueles que tentam dificultar empreendimentos como o Complexo Marco Zero. Fazemos isso em nome dos pioneiros do passado e dos construtores do futuro.

ACIL – Associação Comercial e Industrial de Londrina
FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná
Secovi Londrina – Sindicato da Habitação e Condomínios
Sincoval – Sindicato do Comércio Varejista de Londrina
Sindimetal – Sindicato das Indústrias Metalúrgicas de Londrina
Sinduscon Norte – Sindicato da Construção Civil do Norte do Paraná
SRP – Sociedade Rural do Paraná

Deonilson Roldo vai para a Casa Civil

O jornalista Deonilson Roldo, segundo o jornalista Fábio Campana, serà o Secretário Chefe da Casa Civil. O cargo era cobiçado por Eduardo Sciarra.
Dinorá Nogara assumirá a Secretaria da Administração.

E de Londrina?

Quem convive com o governador Beto Richa diz que ele andou consultando o prefeito Alexandre Kireeff sobre nomes de Londrina que poderiam ocupar secretarias e que fossem palataveis para as entidades representativas locais.