Foto histórica. O momento da primeira venda da Sercomtel

Alguns dos personagens que deveriam ser convidados para a “Convocação Geral da Sercomtel”, para salvar a empresa.

Na foto, a reunião em que definiu a venda de 45% das ações da Sercomtel para a Copel, com a participação do governador Jaime Lerner, o então prefeito Antonio Belinati, o presidente da Sercomtel Rubens Pavan e o vice-prefeio e presidente da Codel, Alex Canziani.

Boa parte do dinheiro da venda da empresa foi desviado para campanhas eleitorais e rechear bolsos vazios, como ficou comprovado na Justiça.

 

, , , , , ,

Copel também tem culpa no imbróglio da Sercomtel

A sócia Copel também é culpada pela crise na Sercomtel. Para quem não se lembra, em 1998 45% das ações da Sercomtel foram vendidas para a Copel – no valor de R$ 186 milhões (hoje quase 1 bilhão) – numa articulação entre o ex-prefeito Antônio Belinati e o então governador Jaime Lerner, cuja vice era Emilia Belinati, na época esposa de Antônio Belinati.

Pouco tempo depois o Ministério Público denunciou que parte do dinheiro da venda das ações da empresa foi usado em campanhas eleitorais e, em especial, na reeleição de Lerner ao governo. (mais…)

, , , , , , , , ,

Alternativa à extorsão do pedágio

Criado no governo de Jaime Lerner há 20 anos, peça de campanha de Roberto Requião, que dizia que iria abaixar ou acabar, o pedágio drena absurdamente o bolso do paranaense.

O pedágio do Paraná é o mais caro do Brasil.

A foto ao lado mostra não uma cena da amazônia ou de algum rincão perdido pelo País, mas a estradinha perto de Jataizinho, usada por muita gente para desviar do pedágio que custa extorsivos R$ 21,00 para carros de passeio.

O motorista prefere arriscar até a danificar o carro do que ver seu dinheiro suado migrando para a conta das concessionárias de pedágio.

 

, , , ,

Polícia Federal dá geral em escritório de Jaime Lerner e apreende documentos

Do Paraná Portal

Por Mariana Ohde e Narley Resende

A Polícia Federal (PF) cumpriu, na manhã desta quinta-feira (10), mandados de busca e apreensão no escritório de arquitetura do ex-governador do Paraná Jaime Lerner – o Instituto Jaime Lerner, no Bairro Cabral, em Curitiba.

Um delegado e três agentes passaram cerca de uma hora no local e saíram com um malote e uma pasta de documentos. (mais…)

, , ,