Londrina enfrenta o Paraná Clube; o Parmera leva um tocaço do São Paulo, no Paçoca Esportiva

, , , , , , ,

Londrina empata na estreia de Keirrison e vai precisar detonar o Atlético em Curitiba

, , , , , , , , ,

Paraná Clube e a pequenez de uma criança birrenta

O zagueiro Silvio, do Londrina: foto Globoesporte

O que uma derrota não faz com um time que achava que era grande. O Paraná Clube, depois de uma fase de ouro, quando ganhou vários títulos seguidos no Estado, virou um time pequeno. Caiu para a Série B do Brasileiro há anos e nunca mais conseguiu sair. Sofre para ficar na B do Brasileirão.

Ontem o estádio VGD, onde ocorreu a partida entre o Londrina e o Paraná,vencida pelo Tubarão por 1 a 0, vinha de uma reforma e sim, apresentou alguns problemas. Alguns dos holofotes apagaram durante a partida. A iluminação não era a melhor do mundo, é verdade. Mas quem decide se há condições de jogo é o árbitro. E ele mandou o jogo seguir. Ficou um pouco escuro, mas para os dois times.

O chororô mostra a pequenez do Paraná Clube, que precisa arrumar desculpas por ter perdido. Reclamou da altura do gramado – que é novo; reclamou do tamanho do vestiário, reclamou da chegada ao estádio. Enfim, o Parana só quer jogar em estádios da Copa do Mundo.

O fato é que o Paraná é um time comum até para o campeonato Paranaense, que não prima pela qualidade técnica. No primeiro jogo contra um time competitivo, que é o Londrina, ficou pelo caminho. E ainda vai enfrentar na próxima rodada o Coritiba e o Atlético Paranaense.

O Paraná Clube, com sua imensa torcida de quase meia dúzia, deveria ter um pouco mais respeito com os demais times.

Mas, como uma criança birrenta, a culpa pela derrota é sempre dos outros, do ambiente, do gramado, do chokomilk que não estava na temperatura ideal…

, , ,