Nova reviravolta na Operação Publicano 3 e 5 . STF anula provas

A 2ª  turma do Supremo Tribunal Federal acaba de conceder habeas corpus em favor de Antonio Pereira Junior e Leila Pereira ambos acusados de envolvimento na Operação Publicano.

Para recordar, a Operação Publicano investigou um esquema de corrupção na Receita Estadual do Paraná, em que participariam fiscais da Receita, empresários e políticos.

O habeas anula todas as provas no âmbito da Publicano 3 e 5 conseguidas, segundo o advogado de defesa Walter Bittar, de forma ilícita na casa dos acusados. Houve violação de domicílio sem autorização judicial.

Ouça o que diz Bittar.

, , , , , ,

Advogados querem que Publicano IV vá para o STJ

Advogados de defesa de personagens da Operação Publicano também trabalham em feriadão. Hoje o advogado Walter Bittar protocolou no Superior Tribunal de Justiça uma reclamação por usurpação de foro na Publicano IV.

Segundo Bittar, o Ministério Público, durante a investigação, logo que tomou ciência da existência de autoridades com prerrogativa de foro deveria ter remetido o processo ao Tribunal competente, no caso, STJ.
É o mesmo fundamento da reclamação das Publicanos I e II, com alguns acréscimos em termos de tese, quanto a possíveis nulidades a serem arguidas no momento oportuno. Nas I e II apareceu o nome do governador Beto Richa como um dos beneficiários do esquema.

 

, , , ,

Auditor fiscal envolvido na Publicano diz que está sendo perseguido pelo MP

 

Hoje à tarde o auditor fiscal da Receita Estadual do Paraná, Orlando Aranda, acusado de participar de um esquema de corrupção derrubado pela Operação Publicano, prestou depoimento ao juiz Juliano Nanuncio.

Foi um depoimento tenso (veja acima). Há cerca de dez dias, segundo Aranda, um grupo de policiais do Gaeco, comandado pelo Ministério Público, esteve na casa dele e recolheu diversos documentos. Aranda diz que eram anotações de sua defesa.

Aranda disse que a ação foi feita para prejudicar sua defesa. (mais…)

, , , , , , ,