MP chama “matemágicos” da CMTU pra dar explicações

No inicio de janeiro, este blog que é mais curioso que manicure em salão lotado, questionava qual era a “matemágica” da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização sobre o aumento brutal da Taxa de Lixo (veja aqui).

O motivo é simples. Em 2017 o presidente da CMTU, Moacir Sgarioni, alardeou o quanto pode que havia conseguido reduzir o custo e os contratos do Lixo, uma economia que passava de R$ 20 milhões.

Pois bem, veio a nova taxa de lixo e, ao contrário do que qualquer cristão, budista, islâmico, ateu, atoa ou de qualquer outra fé, poderia esperar, não houve redução no valor da taxa. Ao contrário o aumento foi brutal. Há casos de valores que foram quintuplicados.

Ou seja, eles dizem que estão pagando menos e querem cobrar muito mais de você e de mim.

O Ministério Público de Londrina também ficou incomodado e está chamando os matemágicos da CMTU para dar explicações.

, , , , , ,

A CMTU não teria interesse em reduzir a tarifa do Busão?

 O advogado Eduardo Lebbos Tozzini, de Londrina tem uma teoria sobre o porque a Companhia Municipal de Trânsito e Urbanismo não reduz a tarifa do transporte coletivo mesmo tendo economizado consideravelmente com a redução ou cancelamento de benefícios – redução Passe Livre, cortaram a Tarifa Verde que dava 10% de desconto, acabaram com a linha Centro Livre.

(mais…)

, , , ,

CMTU, Cohab e ainda a Sercomtel, alvos do Ministério Público

O blog vinha alertando desde o início do ano que a telefônica Sercomtel e a Cohab de Londrina tinha em seus tem em seus conselhos pessoas que não se enquadram na Lei das Estatais. E não poucas.

Aliás, o blog questionou várias vezes a indicação do ex-presidente da Sercomtel – que pediu demissão ontem – por não se enquadrar na lei. Enfim.

Agora leio na Folha de Londrina, matéria do Guilherme Marconi, que a promotora de Patrimônio Públio, Sandra Koch está dando prazo de 30 dias para que os membros de diretoria e conselho da Cohab e Sercomtel apresentem a documentação necessária que comprove se podem ou não ocupar as funções. (mais…)

, , , , , , , ,