Prefeito de Foz chuta o pau da barraca e quer reduzir 90% dos comissionados

De Volta das férias, barbinha cheia de marra, prefeito de Foz, Reni Pereira, anuncia redução drástica de comissionados
De Volta das férias, barbinha cheia de marra, prefeito de Foz, Reni Pereira, anuncia redução drástica de comissionados

Aí sim.

Ventos de mudanças em várias cidades do Paraná. Depois de Santo Antonio da Platina que viu os salários dos vereadores e do prefeito reduzidos; depois de Jacarezinho, onde o presidente da Câmara resolveu pedir viatura policial para sair da Câmara porque a população pressionava que os salários dos vereadores fossem reduzidos, em Foz do Iguaçu o prefeito Reni Pereira resolveu dar exemplo. Na segunda-feira ele anunciou uma reforma política e administrativa, que sendo aprovada pela Câmara de Vereadores, poderá mudar o contexto político de Foz do Iguaçu.

De acordo com o prefeito, a constituição municipal será alterada e a partir desta alteração será criado um limite de cargos comissionados que será inserido na Lei Orgânica Municipal – LOM.

A lei proposta pelo prefeito estabelece a criação de cargos de provimento em comissão de livre nomeação e exoneração na Administração Direta e Indireta, sua denominação e simbologia no limite máximo de 1%(um por cento) do total de servidores ocupantes de cargos efetivos. Uma redução de mais de 90% nos números atuais. A despesa realizada com o pagamento da remuneração de cargos de provimento em comissão não poderá exceder a 1%(um por cento) do total da folha de pagamento dos servidores efetivos do Município. (mais…)

, ,

Universitários gostariam de uma Reforma Política mais profunda

A Reforma Política que vem sendo discutida no Congresso, pelo andar da carriola, não vai passar de um puxadinho. É pouco.

Em Londrina o estudante de Direito da Unopar, Plínio Forcato, fez uma pesquisa, que será usada no Trabalho de Conclusão de Curso, e descobriu que os universitários desejam uma reforma mais profunda.

Os estudantes responderam 23 questões sobre reforma política. A maioria (80,7%) diz que não se sente representada politicamente, vota no candidato e não no partido (88%), defende o voto distrital (78,9%), a cláusula de barreira (63%), é contra a fidelidade partidária (73,2%), a favor da redução de despesas no legislativo (97,3%) e do fim do voto secreto dos parlamentares (92,6%). Os alunos também querem o fim das coligações nas eleições (83,4%) e acabar com as reeleições para cargos políticos (64,2%). A maioria (62%) entende que quatro anos seria o tempo ideal de mandato e 93,5% acha que é o povo brasileiro que deve decidir qual tipo de reforma política precisa ser feita no país. (mais…)

, , , ,