Conselho da Sanepar aprova aumento de 11% em participação na CS Bioenergia

Com apoio da Reuters

SÃO PAULO – O conselho de administração da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) aprovou aumento de 11 por cento da participação societária da companhia na CS Bioenergia, presidida por Fabiana Campos (esposa do Deputado Estadual e líder do Governo Luiz Claudio Romanelli (PSB). A CS Energia é fruto da união entre a Sanepar e a Cattalini. (mais…)

, , , , ,

A renovação ou não do contrato com a Sanepar também afeta cidades vizinhas a Londrina: veja o que diz o ex-prefeito Zé do Carmo

, , ,

Sindicatos comunicam Sanepar sobre rejeição da proposta e cobram avanços

Da Assessoria

Os 12 Sindicatos que representam os trabalhadores e trabalhadoras de diversas áreas profissionais da Sanepar protocolaram ontem (11/05), na sede da empresa, em Curitiba, ofício comunicando a decisão tomada por ampla maioria nas Assembleias de rejeitar a proposta de acordo apresentada pela diretoria.

No documento, as entidades solicitam que a Sanepar apresente, até sexta-feira (15/05), uma proposta que atenda os anseios, caso contrário, a partir de segunda-feira ocorrerão paralisações nos serviços para demonstrar insatisfação com a presente situação e pressionar o atendimento das reivindicações da Campanha Salarial 2015.

Na base territorial do Sindael, a proposta da empresa foi rejeitada por 96,46% dos trabalhadores e trabalhadoras presentes na Assembleia realizada pela entidade nas cidades polo da Região. Do total de 254 participantes, apenas 3,54% votaram favoravelmente à aceitação dos termos oferecidos pela Sanepar.

Moção de Repúdio

Aprovada na Assembleia do Sindael em Londrina, também foi protocolado junto à empresa uma Moção de Repúdio à contratação de assessores e consultores estratégicos pela diretoria da Sanepar, que sequer passaram por concurso público e ganham salários bem acima dos trabalhadores de carreira.

“Essa atitude causa revolta, indignação e vergonha. Afinal, são salários pagos pela população, que, todos os meses, honra suas contas de água e esgoto”, diz a Moção.

Segundo o presidente do Sindael, Alexandre Schmerega Filho, este documento expressa o sentimento de revolta manifestado pelos trabalhadores e trabalhadoras da Sanepar com a forma como a empresa sem sido usada pelo governador Beto Richa (PSDB).

“Não podemos aceitar a resposta de que não há dinheiro para atender nossas reivindicações quando vemos denúncias na imprensa da contratação de dezenas de consultores chamados de estratégicos, mas que nunca pisaram na empresa. Sem falar nos banquetes oferecidos a deputados que votaram favoravelmente ao governador por terem votado favoravelmente a projetos espúrios”, critica Alexandre.

Ele lembra que os mais de 40 comissionados contratados com altos salários geram um custo de cerca de meio milhão de reais por mês aos cofres da companhia.

Por essas e outras irregularidades e distorções existentes na política de RH da Sanepar o presidente do Sindael afirma que não é possível aceitar a proposta apresentada pela empresa. “Temos que dar um basta em tudo isso e também no arrocho salarial e cobrar da diretoria da Sanepar a valorização do seu corpo de pessoal, que é o responsável pelos excelentes resultados e o atendimento prestado no dia dia aos paranaenses”, ressalta.

, ,