A prisão de Vaccari Neto e o Sindicato dos Bancários e dos Metalúrgicos

Da Revista IstoÉ

Prisão do tesoureiro do PT João Vaccari Neto pode estender investigação ao Sindicato dos Bancários de São Paulo e ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

Com a prisão de João Vaccari Neto, a investigação da força-tarefa da Lava Jato chega ao coração do PT. Não só pela prisão do tesoureiro, mas pela descoberta de que Vaccari usava a Editora Gráfica Atitude para receber propinas desviadas de contratos da Petrobras. A citada gráfica funciona como órgão de comunicação da CUT, assim como o site “Rede Brasil Atual”; e, segundo registro na Junta Comercial de São Paulo, tem como sócios o Sindicato dos Bancários de São Paulo e o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, duas entidades que estão na base de sustentação do próprio PT.

De acordo com as investigações, a Editora Gráfica Atitude recebeu ao menos R$ 1,5 milhão do esquema. O valor, porém, pode ser maior. Em novo depoimento à PF, o executivo Augusto Mendonça, da Setal Óleo e Gás (SOG), também envolvida no petrolão, disse que Vaccari lhe pediu R$ 2,5 milhões para cobrir propagandas na Revista do Brasil. A PF identificou até agora 14 depósitos feitos na conta da Gráfica Atitude pelas empresas Tipuana e Projetec, usadas como fachada pela quadrilha do petrolão.

ISTOÉ identificou também que a Editora Gráfica Atitude obteve recursos de contratos de agências de publicidade com a própria Petrobras, além de Banco do Brasil e Correios. Não foi possível obter os valores, o que deve acontecer em breve com a decisão de Moro de autorizar a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico da gráfica. A medida também poderá ser estendida aos sindicatos dos Bancários de São Paulo e dos Metalúrgicos do ABC.

Comandada por dirigentes das duas entidades sindicais, a Editora Gráfica Atitude tinha como objeto social em sua origem a “fabricação de produtos de papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado para uso comercial e de escritório, exceto formulário contínuo”. A partir de 2008, passou a editar “livros, jornais e revistas”. Em 2010, o TSE puniu a gráfica por propaganda ilegal de apoio à então candidata Dilma Rousseff. A Revista do Brasil tem linha pró-PT e defende regularmente o controle da mídia e o fim do monopólio, conhecidas bandeiras petistas.

Por Claudio Dantas Sequeira

, , , ,