Jair Renan comprova que o paizão Jair Messias Bolsonaro não fraquejou. Mais um na mira da Polícia

do G!

Jair Renan, filho do ex-presidente Jair Bolsonaro, foi alvo de mandado de busca e apreensão em operação da Polícia Civil do Distrito Federal na manhã desta quinta-feira (24). A operação foi deflagrada contra um grupo suspeito de estelionato, falsificação de documentos, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro.

O mandado contra Jair Renan foi cumprido em dois endereços: no apartamento onde ele mora em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, e em um prédio no Sudoeste, área nobre de BrasíliaO celular e um HD do filho do ex-presidente foram apreendidos durante a operação, segundo o blog da Andreia Sadi.

O advogado de Jair Renan Bolsonaro, Admar Gonzaga, afirmou ao blog da Andreia Sadi que o filho do ex-presidente foi surpreendido ao ser alvo de buscas da Polícia Civil.

Ao todo, os agentes cumprem cinco mandados de busca e apreensão e dois de prisão.

Os alvos são:

  • Jair Renan
  • Maciel Carvalho, amigo e instrutor de tiro de Jair Renan – foi preso
  • Eduardo Alves dos Santos: está foragido e é investigado por ser “testa de ferro” do esquema

De acordo com a apuração da TV Globo, Maciel Carvalho, de 41 anos, é um dos alvos de mandado de prisão. Ele é o suposto mentor do esquema e já foi alvo de duas ações da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) neste ano, a Operação ‘”Succedere” e “Falso Coach”Ele já tinha sido preso em janeiro deste ano.

Em nota, a defesa de Maciel Alves de Carvalho disse que “a narrativa da autoridade não condiz com a verdade, e será esclarecida perante a autoridade competente”.

Ex-instrutor de tiro de Jair Renan, filho de Bolsonaro, é preso no DF
Ex-instrutor de tiro de Jair Renan, filho de Bolsonaro, é preso no DF
Apartamento de Jair Renan Bolsonaro em Balneário Camboriú, em Santa Catarina — Foto: TV Globo/Reprodução

Apartamento de Jair Renan Bolsonaro em Balneário Camboriú, em Santa Catarina — Foto: TV Globo/Reprodução

De acordo com a polícia, o grupo agia a partir de um laranja e de empresas fantasmas, usadas pelo alvo da operação.

A apuração da reportagem aponta que o grupo usava a falsa identidade de Antônio Amâncio Alves Mandarrari para abrir conta bancária e representar pessoas jurídicas usadas como laranjas.

Os investigados teriam forjado relações de faturamento e outros documentos das empresas investigadas, usando dados de contadores sem o consentimento deles.

A investigação é conduzida pela Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Ordem Tributária (DOT), vinculada ao Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Decor) da Polícia Civil.

O senador Flávio Bolsonaro, irmão de Jair Renan por parte de pai, comentou, também na manhã desta quinta-feira, que a operação causa muito estranheza.

“É uma pessoa que não tem onde cair morta e está sendo investigada por lavagem de dinheiro. Não faz muito sentido isso. Espero que esse critério seja usado para todos. Alguém, investigadores procurando pelo em ovo mesmo sem ter nada, independente do sobrenome”, disse o parlamentar.

Compartilhe
Leia Também
Comente

2 Comments

  1. Humberto Weiss

    Família de escroques de alto coturno.

  2. Satanás

    E a madrasta dessa figura está anunciando o lançamento da coleção Mijoias e fazer do limão uma limonada docinha, segundo ela.
    Michelle + joias = Mijoias… Mijo ias.
    E ainda há quem siga essa família de ignorantes.
    Quá! Quá! Quá!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar
Anúncios
Paçocast
Anúncios