Álvaro Dias defende também a saída de Michel Temer

dias

Da Coluna Esplanada/Leandro Mazini

O alvo de parte da oposição também é o vice Michel Temer.

“Pau que bate em Chico, bate em Francisco”, diz o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), ao defender o impeachment do vice-presidente Michel Temer por ele ter assinado decretos das “pedaladas fiscais” alvo do TCU.

De 2014 até este ano, o vice assinou decretos liberando R$ 67 bilhões em créditos suplementares – este é o alvo principal do pedido de impeachment da presidente Dilma, protocolado pelos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Jr, acolhido pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

 

, , , , , ,

PTB desembarca da canoa de Dilma Rousseff e acredita que haverá impeachment

, , , , , , , , , ,

Hélio Bicudo, fundador do PT, ingressa com pedido de impeachment de Dilma

do Valor Econômico

O jurista Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT, em 1980, vai entrar, nessa terça-feira, com um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados.

No pedido, ele deve alegar tanto a questão das “pedaladas fiscais” pelo governo, que é objeto de julgamento que será realizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) ainda neste mês, quanto as revelações de desvios de dinheiro e fraudes na Petrobras.

O jurista deve argumentar ainda que a presidente atentou contra a probidade administrativa ao não tornar efetiva responsabilidade de seus subordinados. (leia mais aqui)

, , ,

Dilma não vai renunciar, saiba porque

Do Zé Beto

Do Filósofo do Centro Cínico

Dilma não vai renunciar. Seus amigos se recusaram a escrever a carta. Ela então tentou fazer isso sozinha. Mas ela escreve como fala, daí que desistiu na vigésima tentativa.

, , ,

Assembleia Legislativa do Paraná recebe o pedido de impeachment do governador Beto Richa

A Assembleia Legislativa do Paraná recebeu agora a tarde um pedido para que a Casa abra um processo de cassação do mandato do governador, o famoso impeachment.

Assinam o documento Bernardo Pilloto – ex-candidato ao governo pelo Psol -professores e alunos. O documento foca no “massacre” acontecido no dia 29 de abril quando mais de duzentas pessoas ficaram feridas durante o confronto com a Polícia Militar ao tentarem entrar na Assembleia Legislativa para acompanhar a votação do projeto de lei da ParanáPrevidência.

Segundo Pilloto o episódio do dia 29 é mais do que suficiente para que o governador tenha o mandato cassado.impea

 

, , ,