UEL, Governo e Sociedade: momento para reflexão e crescimento

por Valter Orsi

Tenho visto, nos últimos meses, um embate sem tréguas entre professores e administradores da Universidade Estadual de Londrina e o governo do Paraná por vários motivos diferentes. A queda de braço parece não ter fim. De greves justas a greves políticas, que complicaram o calendário escolar de milhares de alunos, trazendo prejuízos para os estudantes que estavam se formando, para os que estavam no meio do curso ou ainda os que iam ingressar na Universidade.

Percebe-se que o bom senso, de ambas as partes, muitas vezes é colocado de lado. (mais…)

, , , , , , , , ,

Vem briga por aí: Juiz manda universidades publicar salários no Meta 4

E a queda de braço entre as universidades estaduais do Paraná e o governo do Estado está longe de ter fim. Agora o juiz substituto da 3ª Vara da Fazenda Pública, Jailton Juan Carlos Tontini, concedeu liminar em que determina que universidades estaduais forneçam, no prazo de 15 dias, dados das folhas de pagamento das instituições para que sejam inseridos no sistema de gestão de pessoal do Governo do Estado (RH-Paraná – Meta4). (mais…)

, , , , , ,

Conversa Política com Paulo Briguet. Da esquerda para a Direita com algumas escalas

, , , , , , , , , , , , , , , , ,

Quais os erros que a esquerda cometeu? Veja, a Esquerda no Divã

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Tempos de Cigarro Sem Filtro: A Ditadura Militar sob a ótica de pessoas comuns, das periferias das cidades

Tempos de Cigarro Sem Filtro, primeiro romance do jornalista José Maschio, retrata o Brasil da década de 1970. O período sombrio da ditadura militar aparece através dos olhos de pessoas humildes, cidadãos simples levando suas vidas simples na periferia das cidades.

Em Tempos de Cigarro Sem Filtro, José Maschio, com sua longa experiência como repórter, narra a história de Jaso e Maria, um casal unidos pela miséria. Vivem na periferia de uma típica cidade brasileira dividida por desigualdades sociais e econômicas. Jaso é um peão para qualquer trabalho braçal, Maria uma lavadeira de roupas.

Veja e compartilhe a entrevista exclusiva do autor ao blog:

O lançamento do livro acontee hoje às 19h30 no Sesc Cadeião, em Londrina.

O preço do livro é bem camarada: R$ 30,00

, , , , , ,

Vereador que disse que há lobotomização na Universidade Estadual de Londrina é alvo de carta de repúdio

E o vereador Filipe Barros (PRB) de Londrina continua colecionando adversários e mais alguns inimigos. Agora um grupo de professores universitários, alunos e servidores, está organizando um abaixo assinado, aliás uma carta de repúdio (veja aqui) à escolha do vereador como representante da Câmara no Conselho Universitário da Universidade Estadual de Londrina.

Filipe Barros já se envolveu em várias polêmicas com os universitários e professores da UEL. Em uma delas disse que na UEL há alunos “lobotomizados“. VEJA AQUI

Leia o texto da Carta de Repúdio: (mais…)

, , , , , , , , , , , ,

Respeitar o período letivo para quê? A UEL poderia criar um calendário de estudos entre greves

A Universidade Estadual de Londrina, a continuar neste ritmo, caminha a passos largos para a irrelevância.  Agora foi decidido suspender o calendário escolar inclusive da pós gradução em que os alunos pagam para frequentar.

Vai chegar o momento em que o aluno, ao analisar as vantagens e desvantagens de estudar na UEL, vai querer, mesmo pagando caro, estudar nas particulares- e olhe que cada vez há mais opções em Londrina. Há alunos, e não são poucos, que não querem nem saber de estudar na UEL pelo simples fato de que entrando não terá a menor ideia de quando sairá.

São tantas as paralisações, manifestações, greves, etc, que até quem é jornalista tem que pesquisar qual é a parada do momento. Aliás, greve na UEL é tão comum que não é mais notícia.

Está certo suspender o calendário escolar. Aliás, a reitora Berenice Brandão poderia até inovar. Quem sabe criar um período de aula entre as greves. Seria mais honesto com os estudantes que desejam realmente estudar e com os professores que realmente querem ensinar.

 

 

 

, , ,

Procura por curso de graduação em Moda já é maior do que Filosofia

Olha só que curioso. O curso de graduação em Moda já é mais procurado do que o de Filosofia, conforme pesquisa divulgada hoje pelo jornal Folha de São Paulo.

A demanda por profissionais de moda é o principal fator, segundo os professores ouvidos pela reportagem, para a procura por graduações e cursos tecnológicos da área. A indústria do vestuário no Brasil já representa cerca de 10% do PIB industrial.

Coordenador do bacharelado em filosofia da USP, Homero Santiago entende que a entrada de moda e a saída de filosofia do grupo de mais procuradas ocorre mais pela consolidação da primeira.

Segundo ele, o ápice da procura por filosofia ocorreu há alguns anos, quando a matéria passou a ser obrigatória no ensino médio. “Já moda, como carreira relativamente nova, está se firmando.”

A Universidade Estadual de Londrina, é uma das mais procuradas para o curso de Moda que foi implantado em 1997. O curso da UEL ocupa a terceira posição no Ranking das Universidades Brasileiras.

, , ,

Professores da UEL decidem manter a greve e por tempo indeterminado

Reunidos hoje no auditório do Centro de Ciências Biológicas, o”Pinicão”, na Universidade Estadual de Londrina, professores decidiram manter a greve por tempo indeterminado. Amanhã fazem assembleia técnicos e demais servidores.

, ,

Aí galera, pode ter greve na UEL

Hoje às 14h30, no anfiteatro do Centro de Ciências Humanas, professores da Universidade Estadual de Londrina (UEL), participam de uma assembleia sobre indicativo de greve. A convocação é do Sindiprol/Aduel. Os docentes vão debater uma lei de reajuste de 7,14% sobre salários em outubro.

A última assembleia realizada no dia 17 de setembro aprovou indicativo de greve para o dia 30.  Na ocasião, os professores ressaltaram a necessidade de se manterem mobilizados e preparados para um possível calote de Beto Richa (PSDB), devido ao histórico de mau pagador do governador.

, , ,