O discurso da esquerda que só vale quando ela está no poder

por Alessandra Pajolla

Cara, eu podia resgatar aqui os debates em que me meti, quando a militância detonava Marina por ser evangélica, sem que ela nunca tivesse feito ou dito nada que pudesse associá-la ao fundamentalismo, preconceitos e crimes cometidos pela corja que abusa da fé alheia. Eu disse a vários dimistas: e os laços de Dilma com a Universal????

Não se importavam, minimizaram. Preferiam, claro, detonar a Rede Globo e exultavam quando a Record atacava a emissora dos Marinho. Pouco importava que ela tivesse sido erguida as custas da exploração da fé alheia, lavagem de dinheiro.
Pra levar o PT à vitória aceitavam tudo: Crivella, Edir Macedo, Katia Abreu, Renan, Kassab, Cunha e até Collor. A lista abjeta é muito maior e inclui todos os que agora a militância chama de golpistas, ladrões, corruptos, usurpadores, exploradores da fé. 
Mas enquanto eram aliados, nada disso foi capaz de abalar a fé no PT, de votar no partido por quatro eleições seguidas.
Reeleger Dilma, sabendo de tudo isso.
Então não venham agora lamentar a vitória do Crivella, parem com esse papo de golpe.
O golpe foi tramado por todos. Um golpe contra os eleitores. Eles apenas brigaram entre si.
Mas esse lixo conservador, corrupto, demagogo nunca saiu do poder.
Governou juntinho com o PT.

Sim, tô indignada. Sim, tô se saco cheio dessa conversa de golpe. Desse papo de que sou limpinho, que os outros é que são culpados, cegos e etc.

Estão surpresos com o que está acontecendo no país??? Não deveriam, vocês aprovaram a união do PT com essa gente toda, vocês blindaram o partido, foram intransigentes com os críticos, chamaram de coxinha, classe média burra e etc. Vocês não permitiram o debate, não aceitaram críticas, não fizeram mea culpa alguma. Preferiam comprar o discurso imbecil de que a classe média era contra pobre andando de avião.

O Crivella, ex-ministro de Dilma, amigão de Lula, vai ganhar. Estão surpresos, não deveriam. Isso não começou agora. Vocês sabem, vocês ajudaram.

Alessandra Pajolla, jornalista

Deixe uma resposta