Média móvel de mortes por Covid volta a mais de 550

do G1

O consórcio de veículos de imprensa divulgou novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados às 20h desta terça-feira (17).

O país registrou 676 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 166.743 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 557, a maior desde o dia 12 de outubro. A variação foi de +45% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de alta nas mortes por Covid. É a maior alta registrada desde o mês de maio.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 5.909.002 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 32.262 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 29.674 novos diagnósticos por dia, uma variação de +71% em relação aos casos registrados em duas semanas. Também é a maior alta registrada desde o mês de maio.

O aumento nas médias móveis de óbitos e casos em relação a 14 dias atrás pode ser em parte justificado com a queda nos registros ocorrida na semana do feriado de Finados, no início do mês. Apesar disso, os registros médio de mortes diárias acima de 550 e de casos perto de 30 mil são dados preocupantes, pois refletem o balanço dos últimos 7 dias.

Quatorze estados mais o Distrito Federal apresentaram alta na média móvel de mortes: PR, RS, SC, ES, MG, RJ, SP, GO, MT, AP, RO, RR, TO e RN.

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Em RR, por exemplo, que teve o maior indicativo de aumento, a média móvel de mortes saltou de 0 para 2 em duas semanas, resultando em alta de 367%No AP, a média estava em 1 e mudou para 2, resultando em aumento de 129%. Já o MT estava com a média em 8 e agora tem 18 mortes por dia, alta de 125%. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados. (leia mais)

Deixe uma resposta