“A turma do Juninho”. É como João Arruda refere-se ao novo governo

E o ex-deputado federal João Arruda, presidente do MDB do Paraná já apelidou o governo Ratinho Jr.

“Não tem a turma da Mônica – do Mauricio de Souza-? Então, temos agora a “Turma do Juninho” no Palácio Iguaçu”, critica ele.

Arruda diz que o novo governo mais parece o “Jardim da Infância do governo Richa”.

“O quadro não é animador. Eles são muito ruins. Não tem agenda; falta capacidade de articulação; estão entregando as rodovias para o Governo Federal quando o correto seria a gestão ficar por aqui. O debate sobre o pedágio tem que ser no Paraná. Além disso o governo não deu um “pio” sobre o problema do leite. Além de tudo ainda tem os nepotismo cruzado, aceitando indicação até de vereadores”, disse o ex-deputado.

5 comentários em ““A turma do Juninho”. É como João Arruda refere-se ao novo governo

  • 13/02/2019, 23:41 em 23:41
    Permalink

    João Carne Fraca fala do que?
    Um sogro Joel Malucelli que negocia a Delação Premiada por corrupção nas suas empresas e de sua filha casada com João sobrinho de Requião?
    Um tio que foi acusado pelos procuradores de receber dinheiro das pedageiras e nada fez … 19 anos de esquema ininterrupto de corruptos do pedágio.
    O crime prescreveu?
    Deveria processa-lo apenas para pagar advogados.
    O titio Requião foi governador por 7 anos após o pedágio implantado.
    João Juninho.

    Resposta
  • 14/02/2019, 00:11 em 00:11
    Permalink

    Londrina tem um prefeito péssimo politiqueiro, vai acabar conseguindo quebrar o Sercomtel de vez. pelo lado do Estado estamos mais ferrados ainda . Governador fraco , muito inexperiente,mau acessorado, provavelmente não consiga fazer 10% do que o governador Richa fez de obras no Parana. Embora todos critiquem o ex governador , cidades como Maringá , Cascavel e muitas outras receberam muitos recursos do Estado e tiveram um salto de desenvolvimento.

    Resposta
  • 14/02/2019, 01:01 em 01:01
    Permalink

    Requião meu irmão, Requião meu tiozão, Né João:
    Nada fez como governador duas vezes após o pedágio.
    nem abaixou a corrupção e a percentagem dada a políticos
    nem acabou a corrupção e a propina dos pedágios aos políticos do PMDB
    de 2002 a 2010.
    Complexo esquema de corrupção diz a denúncia
    de 1999 a 2018.
    Requião era o homem de 2002 a 2010.
    QUANTO ABAIXOU OU ACABOU
    https://contraponto.jor.br/veja-a-decisao-que-colocou-fernanda-richa-no-banco-dos-reus/#comment-12559

    Resposta
  • 14/02/2019, 09:06 em 09:06
    Permalink

    O roto falando do esfarrapado…..

    Resposta
  • 14/02/2019, 10:06 em 10:06
    Permalink

    A preocupação do ex-deputado com a devolução da estradas federais para o governo Bolsonaro procede. Embora o contribuinte paranaense tenha se ferrado com a classe política que elegeu nos últimos anos na implantação do pedágio – tantos nas estradas estaduais como nas federais concedidas ao governo estadual – pelo menos foi culpa do próprio paranaense que elegeu essa cambada. Mas, pelo andar da carruagem, o governo Bolsonaro está reservando aos brasileiros o padrão tucano na hora de estabelecer as tarifas de pedágio. Leitores atentos de notícias, devem ter lido dois dias atrás a seguinte manchete: “Pedágio de estradas federais concedidas na gestão Lula pode ter alta de 25%. Ministério de Infraestrutura busca equilibrar contratos para permitir investimentos”. Essa história de “equilibrar contratos” encaixa perfeitamente quando se está por trás é o pagamento de propinas.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: