Estatal cubana foi usada em ataques a Aécio em redes sociais em 2014

Provedores de uma estatal cubana, a Etecsa, foram usados por um perfil que promoveu ataques ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) nas redes sociais durante a campanha presidencial de 2014. A Etecsa é a empresa de telecomunicações do governo autorizada a fornecer conexão de internet em Cuba. As informações são da Folha.

O uso dos provedores da estatal foi revelado em processo que Aécio move há quase três anos na Justiça de São Paulo, com o intuito de quebrar o sigilo dos perfis e identificar seus detratores. A ação tem como alvo disseminadores de informações que vincularam o tucano ao consumo e tráfico drogas, em meio à disputa pelo Palácio do Planalto contra aex-presidente Dilma Rousseff.
O perfil que usou a rede cubana também fez uma série de acusações ao senador de violência contra a mulher. A Justiça de São Paulo tem dado ganho de causa a Aécio e determinou que as redes sociais e provedores de internet e telefonia no Brasil entregassem dados vinculados a 20 perfis que o juiz responsável pelo caso entendeu terem, deliberadamente, atuado para produzir conteúdos degradantes contra o tucano.
Segundo os dados entregues à Justiça, o perfil que usou a rede cubana para fazer os ataques foi acessado com login e senha por ao menos três pessoas diferentes. A Folha conseguiu localizar uma delas: Ana Maria Quaiato, secretária parlamentar do deputado Paulo Teixeira (PT-SP). Procurados, tando o deputado como sua assessora disseram desconhecer detalhes do processo e afirmaram que vão aguardar o andamento das investigações.
Pelos documentos obtidos até agora não é possível afirmar que a pessoa que usou provedores da Etecsa para acessar o perfil o fez de um aparelho da própria estatal. O uso do provedor pode ter se dado por meio de uma conexão simples – com a compra de um cartão com pacote de dados, ou por wi-fi em um ponto público ou privado, como casas e hotéis.
Para descobrir a localização exata e o tipo de equipamento usado para acessar o perfil, Aécio precisaria obter uma ordem judicial para quebrar o sigilo dos dados de provedores da Etecsa. A assessoria jurídica do senador ainda estuda se impetrará a ação contra a estatal cubana na Justiça brasileira ou na daquele país. Aécio foi o primeiro político de projeção nacional a entrar com ações contra perfis de internet. O caso foi revelado pela Folha em setembro de 2014. Desde então, o jornal identificou outros que fizeram o mesmo.
 
Link para a reportagem completa

Um comentário em “Estatal cubana foi usada em ataques a Aécio em redes sociais em 2014

  • 23/01/2017, 18:17 em 18:17
    Permalink

    Falando no estadista que os poodles Londrinenses adoram onde anda?E pra que serve?O sujeito se elege pela muaridade dos mineiros que teimam em pensar que o murista Tancredo é um Deus e nada mais era que um politico meia boca como José Sarnei e outros larápios.Se fosse bom não teria adotado essa merda de sobrinho que cá entre nós e entre todo estadio do Mineirão dizendo que ele cheira da boa,ora,então não precisa estatal cubana para nos mostrar isso.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: