Projeto BRT irá receber simplificação e será o SuperBus

Como este blog fuçador havia postado, o BRT de Londrina subiu no telhado. Ontem, a ONG Embarq Brasil – especializada em desenvolvimento urbano e mobilidade -, esteve reunida com o prefeito Alexandre Kireeff e o assessor técnico e executivo, Carlos Alberto Geirinhas.  O objetivo é adaptar e simplificar o projeto BRT (Bus Rapid Transit ou Transporte Rápido por Ônibus) a estrutura já existente em Londrina. O projeto já havia recebido R$ 120 milhões por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Uma das principais preocupações é não onerar o valor da tarifa do transporte coletivo.

3 thoughts on “Projeto BRT irá receber simplificação e será o SuperBus

  • 27/11/2014, 12:24 em 12:24
    Permalink

    Boa vontade não me falta.
    Mas, algumas coisas do prefeito Kiref e sua administração técnica, e agora o clube formado por brilhantes empresários da cidade (vulgo “turminha do bem”, ou qualquer coisa nesse sentido) soam tão indesejáveis como um bem dado pé-no-saco.
    Primeiro falaram em lixo zero a partir da reciclagem e de um tratamento que transformaria tudo num resíduo sólido de valor agregado. Interessante! Ao invés disto, o esgotamento do aterro (lixão, para ser mais exato). E tratamento de chorume em Maringá (ai qye vergonha, Batman!)
    – Onde anda?
    Aí resolveram chamar Londrina não mais de capital do café. Qual é o nome mesmo? Metrópole cheirosa, limpinha e inodora…
    – Quem se importa…
    Aí, levaram o equipamento ILS ou coisa que o valha para os catarinas instalarem. E, Ribeirão Preto também levou por WO de Londrina, um adiantamento duma grana para ampliação de seu do aeroporto.
    – Alguma ação, alguma discussão?
    Arco norte: falaram em implantar um aeroporto, ou terminal de cargas numa reserva ecológica. Defesas constrangidas. Olha, não é bem assim, e tal e coisa, e coisa e lousa… Morreu?
    -Cacete, parece que se superaram!
    Aí o desenterramento da reforma urbana, a participação (dos caras imóveis, aliás imóveis como a questão está até agora, servindo muito bem a alguns donatários desta capitania).
    – Alguem sabe, alguém viu onde está?
    – Aí vem o BRT. Caixa e prefeitura assinam contrato. Abre-se a licitação e expõe-se um projeto. O Sindicato das empresas diz na imprensa que a coisa não é bem assim, que talvez não funcione. Aquela conversinha mole com tique ou forma de turminha bem intencionada. Estávamos em junho se não me engano. Agora, fim de novembro, ninguém se apresenta para tocar o projeto.
    Aí o BRT sobe no telhado. Uma ONG (sempre tem uma ONG) é contatada e prestimosamente vem a Londrina, sugerir adequações de projeto, estudos complementares, abertura de discussão, coisa que o valha (ou desvalha). Mas, péra aí, não tinha um projeto lá no Ministério das Cidades? Não foi aprovada a grana? Então, de quais técnicos ou técnicas estamos falando? Do Felipão 7×1, Mano e gaúchos em geral?
    Acho que a equiepe técnica de Londrina é a do o Professô Luxemburgo expondo seus “pôjetox” para os incautos da vez.
    – O transporte público, de massa, que cria uma espinha dorsal cruzada, que beneficia TODAS as regiões da cidade e de nossas queridas vizinhas, que agrega a ciclovia, que traz mobilidade, que aumenta a segurança, que disciplina o tráfego, que democratiza o acesso ao ensino e a saúde, que ordena as questões habitacionais e do zoneamento para empresas, que prioriza o transporte público, pode ser muiiiiiito caro ao usuário.
    Então, pequenas alterações se fazem necessárias. Tipo mudar tudo!?
    Pergunto: para quem? Com qual objetivo?
    Esta discussãozinha técnica e limpinha não dá!
    Não dá para por o IPPUC na parada? Olha, acho que eles entendem um pouquinho de canaletas e transportes. Tudo bem, Curitiba e Bogotá não são lá grandes coisas perto de Londrina. Mas, façam um forcinha, quem sabe?
    Londrina tem uma chance de ouro, que mudará a cidade para sempre. A partir do transporte, tudo bem! Mas não é uma simples discussão de um modal de ônibus. Não! É muito mais, turminha do bem.
    – Já sei: vamos esperar Maringá apresentar um projeto e levar a grana prá lá, enquanto nós nos orgulhamos de quanto somos importantes. É isso?
    Esta é uma obra transversal, vertical, horizontal, quântica, e por que não dizer necessária (epa! acho que recebi o Odorico Paraguassú).

    Resposta
  • 28/11/2014, 01:19 em 01:19
    Permalink

    Depois que resolvemos criticar COM PROPRIEDADE essa bagunça sem rumo, sem fim, sem começo, sem projeto, sem eira, nem beira, neguinho vem escrever artiguinho mí-mí-mí nos jornais locais, chamando quem tem conhecimento urbano de “DO CONTRA”.
    Ou, mais infantil ainda, chamá-los de “TURMA DA MEIA-NOITE”.
    Esse grupelho de Novos Ricos que assaltou os cargos de comando da nossa cidade, estão me dando saudades de um ladrão antigo e canceroso, como os que já tivemos.
    O que é esse IPPUL, meo deolz? O que virou aquilo?
    Que gestores de meia tijela são estes que temos?
    Acham que uma cidade, é um prolongamento de seus CNPJ?
    Como aquele prefeito banana que tivemos, velhinho simpático, que achava que Londrina era seu sítio e todo mundo ainda incensa aquele incompetente ?
    ONDE ESTÂO OS PROJETOS?
    BRT, prá que, meo deolz?
    NEM SINALEIRAS SINCRONIZADAS, NÓS TEMOS AQUI EM LONDRINA!!!

    Resposta
  • 30/11/2014, 17:09 em 17:09
    Permalink

    E as viúvas do Belinati chooooooooraaaaaam, dois anos depois da derrota, elas ainda não se conformaram!!! Sai pra lá, cambada de urubuzentos! Vocês já destruíram a cidade por vários mandatos. Em vez de ficarem reclamando do atual prefeito, que está cortando um dobrado pra consertar tudo o que vocês destruíram, por que vocês não gastam essa energia em algo mais útil, como por exemplo descobrir onde estão os R$ 180 milhões da venda da Sercomtel em 1998??? Quem era o prefeito na época, heim??? Por acaso, era o chefe de vocês… viúvas!!!! 180 milhões em 1998, equivalentes a 600 milhões em 2014. Se cocem para fazer algo útil, descubram onde essa grana foi parar e ajudem a trazê-la de volta para os cofres de Londrina, em vez de ficarem chorando e jogando catiça em cima do Kireeff. Sai pra lá, urucubaca, sai pra lá, urucubelinaca!!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: