STJ autoriza investigação contra Beto Richa

Deu na Folha de Londrina de hoje que o ministro Og Fernandes, do STJ (Superior Tribunal de Justiça), autorizou abertura de inquérito contra o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), que será investigado por supostos crimes citados na delação da Odebrecht. O pedido para investigar o governador foi feito pelo vice-procurador-geral da República José Bonifácio Andrada.
Fernandes encaminhou os pedidos de diligências à Polícia Federal, que agora, vai apurar o que foi solicitado pela PGR (Procuradoria-Geral da República).
O ministro determinou sigilo nos autos da investigação.
Og Fernandes foi sorteado relator do inquérito, que não tem conexão com Petrobras. O relator da Lava Jato no STF é o ministro Luis Felipe Salomão.
Os delatores Benedicto Júnior, conhecido como “BJ”, e Valter Lana, ex-executivos da empreiteira, disseram aos investigadores da Lava Jato ter feito pagamentos “a pretexto de campanhas” do governador “operacionalizados por diversas pessoas”.

O material foi encaminhado ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), que depois enviou para o STJ, foro de governador.
Na ocasião, Beto Richa disse que todas as contas de campanhas “tiveram a origem dos recursos declarada à Justiça Eleitoral”.

DELAÇÃO DA ODEBRECHT

BJ disse que a Odebrecht financiou três campanhas de Beto Richa com dinheiro de caixa dois e registrado pelo setor de operações estruturadas da Odebrecht, conhecido como “departamento da propina”.
O tucano recebeu R$ 4 milhões em 2014, segundo BJ. Beto Richa concorria à reeleição para o governo do Estado. O codinome dos pagamentos era “Piloto”.
O valor foi “alocado” às obras da rodovia PR-323, que acabou não indo adiante, disse o delator. Segundo ele, se o projeto tivesse sido desenvolvido, “esse valor seria alocado como custo dessa obra”.
BJ também afirmou que foram pagos R$ 550 mil por meio de caixa dois – sendo R$ 450 mil em 2010, quando Beto foi eleito governador, e R$ 100 mil em 2008, quando ele venceu a reeleição para a prefeitura de Curitiba. Nessas ocasiões, os pagamentos foram operacionalizados por Valter Lana e o codinome com “Brigão”, contou BJ.

4 comentários em “STJ autoriza investigação contra Beto Richa

  • 16/06/2017, 13:44 em 13:44
    Permalink

    Se não errei na conta, são três investigações. Então o tucanão já pode pedir música no Fantástico! Será que ele vai usar tornozeleira antes de ficar na jaula? Quá! Quá! Quá!

    Resposta
  • 16/06/2017, 18:50 em 18:50
    Permalink

    O Nosso Cabral das araucárias o dia que cair vai voar quibe pra todo lado.

    Resposta
  • 16/06/2017, 23:52 em 23:52
    Permalink

    Malas e malas forradas de garoupas transitaram em direção à COMEL, escoltadas por carros camuflados e com luzes em cima, e o pior, quem respondia por esses carros à época acaba de voltar para Londrina, oriundo de Maringá. Se o jornalismo for investigativo, descobre.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: