Suplente ingressa com ação no TSE para ficar com a vaga de vereador de Gustavo Richa

A suplente de vereador de Londrina, Adriana Aguilera (PHS), através de seus advogados, ingressou com uma ação requerendo a vaga do vereador Gustavo Richa, que deixou o PHS em setembro de 2015, fora da janela da traição. O caso já tramita no Tribunal Superior Eleitoral.

12946983_597017203795554_1602199270_o

Aliás Gustavo Richa está numa sinuca. Ele forçou de todo jeito a barra para voltar ao PSDB. Porém, foi informado no sábado que ele pode até ficar no partido, mas terá que brigar para ter legenda para disputar a reeleição. A legenda não está garantida.

Curiosamente alguns telefonemas foram disparados no sábado à tarde para alguns presidentes de partido para tentar encaixá-lo em outra legenda. Pelo menos dois partidos – PTdoB e PMN – não quiseram nem conversar sobre a possibilidade.

15 comentários em “Suplente ingressa com ação no TSE para ficar com a vaga de vereador de Gustavo Richa

  • 04/04/2016, 11:24 em 11:24
    Permalink

    Ué, contratou o advogado do Paulo Bernardo e da Gleisi Hoffmann para essa ação. Ele é bom mas não é barato.

    Resposta
  • 04/04/2016, 11:24 em 11:24
    Permalink

    FORA DILMA!FORA CUNHA!FORA LULA!FORA GUSTAVO RICHA VOCES POLITICOS CORRUPTOS , SAFADOS MERECEM DO POVO É UM GRANDE PÉ NA BUNDA . UHULL FORAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA RICHAAAAAAAAAAAAAA

    Resposta
  • 04/04/2016, 11:40 em 11:40
    Permalink

    Vergonha … Essa senhora teve 83 votos, ela nem se quer é a suplente, vergonhoso.

    Resposta
  • 04/04/2016, 12:06 em 12:06
    Permalink

    Eu nunca segui partido nenhum, gosto desse rapaz tem meu voto

    Resposta
  • 04/04/2016, 12:26 em 12:26
    Permalink

    Interessante saber que é que está motivando essa família que trabalha para os Belinati a fazer isso.

    Resposta
  • 04/04/2016, 13:57 em 13:57
    Permalink

    Primeiro fato infidelidade partidária é um crime eleitoral e quem comete crime tem que pagar .
    Segundo fato , a questão que se Adriana tivesse apenas 1 voto o correto é ela assumir o mandato .

    Resposta
  • 04/04/2016, 16:21 em 16:21
    Permalink

    Ai nesse angu tem caroço.

    Resposta
  • 04/04/2016, 20:58 em 20:58
    Permalink

    Esse vereador só faz besteira. Também com aquela equipe ….

    Resposta
  • 04/04/2016, 21:01 em 21:01
    Permalink

    baixoclero • 9 de março de 2016 •

    “O vereador Gustavo Richa, que se filiou ao PSDB para disputar as eleições municipais deste ano, disse estar tranquilo quanto à possibilidade de a suplente do seu ex-partido, o PHS, tentar ocupar a sua cadeira sob a alegação de “infidelidade partidária”. ..”

    Resposta
  • 04/04/2016, 21:07 em 21:07
    Permalink

    Eu creio que um dos princípios essenciais da sabedoria é o de se abster das ameaças verbais ou insultos.

    Resposta
  • 05/04/2016, 00:00 em 00:00
    Permalink

    Na última coligação ambos defenderam: REPRESENTANTE : COLIGAÇÃO PARANÁ OLHANDO PRA FRENTE (PT / PDT / PC DO B / PRB / PTN)

    Resposta
  • 05/04/2016, 09:59 em 09:59
    Permalink

    Nesse Final de semana conversei com o PSDB sobre minha filiação ao partido em Londrina. Agradeço os vários convites de outras legendas que lembraram do meu nome. Porem, com muita tranquilidade e apoio de minha Família, mantenho a decisao de retornar ao partido fundado pelo meu Tio Jose Richa. Desejo uma otina semana a Todos.

    Resposta
  • 05/04/2016, 10:10 em 10:10
    Permalink

    Isso mesmo Gustavo. Siga em frente. Quem quer vencer um obstáculo deve armar-se da força e da prudência.

    Resposta
  • 05/04/2016, 19:09 em 19:09
    Permalink

    Parabéns Gustavo.

    Resposta
  • 08/04/2016, 16:41 em 16:41
    Permalink

    Os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiram nesta quarta-feira (27) por 10 votos a 1 que, no caso da saída de um deputado ou vereador titular, a vaga de suplente deve ficar para as coligações das legendas e não para o partido do candidato.

    A maioria dos votos dos integrantes da Suprema Corte seguiu o entendimento da relatora do caso, a ministra Cármen Lúcia. “A coligação é uma escolha autônoma do partido. A figura jurídica da coligação assume status de ‘superpartido’ e de uma ‘superlegenda’ que se sobrepõe durante o processo eleitoral aos partidos que a integram”, justificou a magistrada

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: