TCE exige transparência de cinco universidades estaduais

Cinco universidades do Paraná – UEL, UEM, UEPG, Unioeste e Unicentro – vão ter que implantar o sistema de processamento de folha de pagamento chamado Meta4, já adotado pelos demais órgãos estaduais.
 Desde 2012 elas insistem em não cumprir a determinação legal enquanto duas outras Universidades estaduais (Unespar e UNPR) já usam o programa Meta4.
A determinação é do Tribunal de Contas do Estado. O TCE diz que o sistema vai ampliar a transparência e melhorar o controle dos gastos. Além disso, o TCE fará auditoria permanente nessas cinco instituições de ensino superior.

10 thoughts on “TCE exige transparência de cinco universidades estaduais

  • 04/05/2017, 11:24 em 11:24
    Permalink

    Por que as universidades vão ter de usar o programa Meta4 da empresa curitibana Digidata? Se estamos falando de universidades, por que elas próprias não podem desenvolver e adotar seus sistemas eletrônicos de pagamentos? A transparência vai estar na divulgação dos dados digitalizados e não nos programas utilizados. O TCE exigir transparência nos gastos da universidades está certíssimo. Mas não estou achando muito transparente o TCE exigir que as universidades contratem os serviços dessa empresa de Curitiba. Será que aí tem?!?

    Resposta
    • 04/05/2017, 12:10 em 12:10
      Permalink

      Leni… que tal a UEL submeter sua folha diretamente no sítio eletrônico HORROROSO da mesma?
      Nem isso fazem.
      Não enrolem e façam.

      Resposta
      • 04/05/2017, 21:35 em 21:35
        Permalink

        E você já viu o site da Digidata? Comédia, meu! A empresa afirma nele que sua grande conquista em 2016 foi o lançamento da novo logo e do seu site. Rapaz, um ano fazendo um logo e um site só pode ser piada. Essa empresa vem crescendo às custas dos contribuintes paranaenses. O primeiro cliente da Digidata foi uma empresa pública, a Celepar, quando o governador era o pai do Beto Richa. A partir daí foi abocanhando contas e mais contas de órgãos governamentais do Paraná. Na minha opinião, ela até pode ser contratada pelas cinco universidades citadas, mas tem de ser através de licitação.

        Resposta
  • 04/05/2017, 12:12 em 12:12
    Permalink

    VIABILIDADE TÉCNICA
    Entre as justificativas utilizadas pela Seti e as universidades para descumprir a lei estão supostas dificuldades técnico-operacionais para substituir o sistema que utilizam para controlar o pagamento a seus servidores, chamado Relação Mensal de Informações de Pagamento (RMIP), pelo Meta4. A empresa estatal Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar), no entanto, em manifestação solicitada pelo TCE-PR, atestou a viabilidade técnica de implantação do Meta4 nas universidades, mediante adequações.
    O relator do processo, conselheiro Ivens Linhares, destacou que a prova de que a mudança é possível está no fato de que as outras duas instituições de ensino superior administradas pela Seti – a Universidade Estadual do Paraná (Unespar) e a Universidade Estadual do Norte do Paraná (Uenp) – já utilizam o Meta4 para o processamento de suas folhas de pagamento.
    “Parece-nos, portanto, que, havendo interesse e efetivadas as devidas adequações, será absolutamente possível a implementação do sistema Meta4”, escreveu Linhares em seu voto. O conselheiro destacou que a migração dos dados busca aumentar a transparência e possibilitar maior controle dos gastos das universidades com a folha de pagamento. “Tratando-se de receita pública, mostra-se absolutamente inadmissível qualquer tentativa de adiamento ou tergiversação”, completou Linhares.
    O relator destacou, também, que a transparência e o controle pretendidos não enfraquecem a necessária autonomia administrativa “de que devem gozar as universidades estaduais no campo de sua atuação operacional, como geradoras e propagadoras do conhecimento. Mas, ao contrário, fortalecem essa posição, tornando pública a legalidade e legitimidade de seus gastos com pessoal”.

    http://angelorigon.com.br/2017/05/03/tce-manda-que-folha-de-pagamento-das-universidades-seja-mais-transparente/#more-186567

    Resposta
  • 04/05/2017, 16:00 em 16:00
    Permalink

    UEL infelizmente age como a maioria dos órgãos públicos.
    Acredita que existe para si mesma e não como um meio de prestar serviço público.
    Prioriza salários,promoções, cargos, cursos, gratificações e esquece manutenção física e acadêmica do seu patrimônio e dos seus alunos.
    Para onde vai o dinheiro recebido com os cursos de pós graduação, que são pagos e custam caro?
    Usam toda sua estrutura, que é Pública e professores pagos pelo Estado para ganhar mais ainda ?
    isto pode MP ?
    por que os cursos de pós graduação não tem greve ou calendário suspenso?
    pena que a maioria dos jornalistas é formada na UEL e acabam sendo, nas suas posições com relação a instituição, tão corporativos como todos os servidores públicos.

    Resposta
  • 04/05/2017, 21:21 em 21:21
    Permalink

    Como contribuinte, gostaria de saber a opinião dos reitores das universidades que ainda não atenderam à exigência do TCE de substituir o software usado pelo Meta4 da Digidata. O argumento de que a mudança trará mais transparência não me convence. O TCE usa o programa da Digidata mas tente acessar os contratos assinados pelo TCE. Não me parece que haja tanta transparência para o cidadão comum. Aliás, transparência nos sites do governo Beto Richa só para acessar os salários dos professores. No meu entender, o TCE deve exigir transparência. O software a ser usado deve ser escolhido pela universidade através de licitação. Se a Digidata vencer a licitação, tudo bem. Mas tem de vencer licitação, não ganhar na base de lobista que não ganha pra ser lobista. Que é o que está parecendo ser nessa forçada de barra do TCE.

    Resposta
  • 04/05/2017, 22:02 em 22:02
    Permalink

    Estou atrasado! Só agora fui ler a entrevista da reitora da UEL no Bonde. Palmas pra ela que decidiu enfrentar as ordens curitibanas. Pelo jeito, transparência é o que menos está em discussão. O que o governo estadual pretende mesmo é invadir a autonomia das universidades. O mais absurdo dessa discussão é o Secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior admitir que os sistemas utilizados pela maioria das universidades são mais completos que o Meta4 que o TCE querem empurrar goela abaixo nas universidades. Estranho alguém querer mudar pra pior. Perguntar não ofende: se todas as universidades estaduais adotarem o Meta4, sairá um belo aditivo contratual em benefício da Digidata?

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: